• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    27ºc
ALEMANHA

Angela Merkel é eleita para quarto mandato como chanceler da Alemanha

Ela recebeu o apoio de 364 deputados dos 692 presentes no plenário

Por Agência Brasil

14 de março de 2018 | 08:02

Angela Merkel foi eleita, nesta quarta-feira (14), chanceler da Alemanha pela quarta vez, com votos da maioria absoluta dos Bundestag (Câmara Baixa), após reeditar o acordo de grande coalizão entre conservadores e social-democratas. A informação é da Agência EFE.

Quase seis meses depois das eleições gerais, ela recebeu o apoio de 364 deputados dos 692 presentes no plenário, enquanto 315 votaram contra, nove se abstiveram e quatro anularam.

“Aceito a eleição”, disse Merkel, perante o presidente da Câmara, Wolfgang Schauble, que lhe desejou “força e sucesso” para enfrentar as “grandes tarefas” da legislatura.

Entre a União Democrata-Cristã (CDU) da chanceler, a União Social-Cristã na Baviera (CSU) e seus parceiros do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD) somam 399 cadeiras.

Após o resultado da apuração, a chanceler recebeu cumprimentos dos parlamentares e dos convidados, entre eles ministros da antiga legislatura, futuros membros do gabinete, seu marido, Joachim Sauer, e sua mãe, Herlind Kasner.

A líder do CDU vai agora para a sede da presidência do país, o Palácio de Bellevue, para ser oficialmente nomeada chanceler pelo chefe do Estado, Frank-Walter Steinmeier, e depois voltará ao Parlamento para jurar o cargo.

Merkel conseguiu acabar com os quase seis meses de bloqueio político que se seguiram às eleições do dia 24 de setembro do ano passado, que deixaram um panorama fragmentado e poucas opções para formar um governo estável pela queda dos dois grandes partidos – conservadores e social-democratas – e o surgimento da ultradireitista Alternativa para a Alemanha (AfD).

Ela recorreu novamente aos social-democratas para sua quarta legislatura, com quem já se aliou em seu primeiro mandato (2005-2009) e o terceiro (2013-2017), após a assinatura formal, na última segunda-feira (12), do novo pacto de governo, resultado de uma negociação complexa.

A grande coalizão sai como a primeira força de oposição para o AfD, com 92 cadeiras; seguida pelo Partido Democrático Liberal (FDP), com 80; A Esquerda, com 69; Os Verdes, com 67, e dois independentes, separados da direita radical.

RECOMENDAMOS

JUSTIÇA ELEITORAL

Aplicativo registra 10 mil reclamações eleitorais

ALCKMIN SOBRE BOLSONARO

Candidaturas folclóricas não resistem ao 2º turno

AJUSTES

MPE manda São José de Mipibu adequar transparência

PARNAMIRIM

Fórum de Educação foca em alunos com microcefalia

FISCO

Cerveja Proibida é investigada por fraude de R$ 100 mi

INVESTIGAÇÃO

PF instaura 2º inquérito para apurar ataque a Bolsonaro

ESTUDOS

ENEM: Cinco maneiras de se preparar para a prova

"ME SINTO MAL"

Marília Mendonça recebe ameaças após campanha 'Ele Não'

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL