câmbio:

DÓLAR R$ 3.2657 EURO R$ 3.6724

Tempo, natal:

Partly Cloudy 26°C

Brasil e Mundo

POLÊMICA

06/02/2017

06:44

Assessores de Trump foram pagos por grupo controverso exilado do Irã

MEK, do Irã, foi chamado de grupo terrorista pelo Departamento de Estado

Por Estadão Conteúdo

Compartilhar } 0 Compartilhamentos

Uma autoridade do gabinete do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e pelo menos um dos assessores do republicano, receberam dinheiro para fazer discursos para organizações ligadas a um grupo de exilados do Irã que matou americanos antes da Revolução Islâmica de 1979, executou golpes e viu seus membros tocarem fogo em seus próprios corpos após a prisão de seu líder.

A secretária de Transportes de Trump, Elaine Chao, recebeu US$ 50 mil em 2015 por um discurso de cinco minutos para a ala política do Mujahedeen-e-Khalq, chamado posteriormente de grupo terrorista pelo Departamento de Estado.

O ex-prefeito de Nova York, Rudy Giuliani também recebeu uma quantia desconhecida para falar com o grupo conhecido como MEK.

Mais de vinte ex-autoridades dos EUA – democratas e republicanas – já falaram o MEK, incluindo o ex-orador da Câmara dos Representantes e assessor do presidente, Newt Gingrich.

Alguns reconheceram publicamente terem sido pagos, mas outros negaram. O pagamento pelos discursos não é proibido nos EUA, mas levantam questões sobre que tipo de influência um grupo de exilados pode exercer no novo governo.

Um grupo de ex-autoridades, incluindo Giuliani, escreveu uma carta a Trump no mês passado, encorajando o presidente a “estabelecer um diálogo” com o braço político do MEK. Com o decreto proibindo a entrada de sete países de maioria muçulmana nos EUA e o alerta enviado ao Irã sobre possíveis novas sanções, o grupo pode achar esse governo mais acolhedor que qualquer outro no passado.

Uma possível aliança com o MEK ligaria os EUA a um grupo com uma história controversa, que foi contra os interesses dos americanos ao apoiar a Revolução Islâmica no Irã e a tomada da embaixada americana na capital daquele país, Teerã.

Após fugir do Irã, o MEK se uniu a forças do ditador iraquiano Saddam Hussein e expôs detalhes sobre o programa nuclear clandestino em curso no Irã, que vê o MEK como seu inimigo jurado.

Compartilhar } 0 Compartilhamentos

últimas notícias

+ Lidas

recomendamos

comentários

Ao comentar, o leitor concorda com nossas regras e política de privacidade. Veja aqui

O espaço de comentários do Portal no AR pode ser moderado. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. anônimas ou assinadas com e-mail falso;
8. fora do contexto do portal.

O Portal no AR:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;
3. não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros.
4. se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.