• câmbio
    dólar R$ 4,1463
    euro R$ 4,8405
  • tempo, natal/rn
    25ºc
EDUCAÇÃO EM BAIXA

Aumenta a insatisfação com a educação no país, afirma pesquisa da CNI

Quase um terço dos entrevistados (26%) considera o ensino no nível médio como ruim ou péssimo

Por Redação

3 de abril de 2018 | 11:34

A insatisfação dos brasileiros com a educação aumentou nos últimos quatro anos segundo a pesquisa Retratos da Sociedade Brasileira – Educação Básica, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa foi aplicada em 2017 em parceria com o movimento Todos Pela Educação. E segundo os dados tabulados, a reprovação é mais pronunciada em relação às escolas públicas: quase um terço dos entrevistados (26%) considera o ensino no nível médio como ruim ou péssimo.

Em 2013, quando levantamento semelhante foi feito, o percentual era 15%. Caiu também de 48% para 31% o percentual dos que consideram o ensino médio como ótimo ou bom. Nas escolas particulares, os entrevistados que consideravam essa etapa escolar como ótima ou boa também diminuiu de 76% para 64% no mesmo período. A avaliação negativa manteve-se em cerca de 3%.

A percepção da maioria entrevistada também é que os estudantes não estão preparados para a etapa escolar seguinte ou para o mundo do trabalho. Apenas 12% dos brasileiros acreditam que o aluno do ensino médio das escolas públicas está bem preparado para se inserir no mercado profissional e quase um quarto da população (23%) diz que está despreparado. Em 2013, 55% dos brasileiros consideravam que o aluno estava bem ou razoavelmente preparado e agora esse percentual é 42%.

O levantamento foi realizado com duas mil pessoas entre 15 e 20 de setembro do ano passado em 126 municípios pelo Ibope Inteligência. Segundo os dados, aumentou de 61% para 74% o percentual dos que concordam totalmente que um ensino de baixa qualidade é prejudicial para o desenvolvimento do país.

“A pesquisa reforça a constatação de que educação brasileira precisa se aproximar do mundo do trabalho, preparando o jovem para uma vida social e profissional plena”, analisa o diretor-superintendente do Serviço Social da Indústria (SESI), Rafael Lucchesi, que também é diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). “A reforma do ensino médio deu um passo nessa direção, ao incluir a formação técnica e profissional no currículo regular”, complementa.

A visão dos entrevistados sobre a baixa qualidade da educação é confirmada por resultados de proficiência dos estudantes em exames nacionais e internacionais. O Brasil ficou na 63ª posição em ciências, na 59ª em leitura e na 66ª colocação em matemática, em 2015, no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), coordenado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

GESTÃO E PRIORIZAÇÃO

Segundo a pesquisa, os brasileiros entendem que não é por falta de recursos públicos que a educação básica está mal no Brasil, mas que existe má gestão dos recursos públicos. A maioria (81%) concorda que o problema deve-se mais à má utilização da verba do que à falta dela. Em relação à administração das escolas, quase a totalidade dos brasileiros (93%) também acredita que o diretor da escola deveria ter uma formação específica em gestão.

O levantamento também mostra que atuação dos professores nas escolas públicas de ensino fundamental e médio é mais bem avaliada do que as condições gerais das escolas. A capacidade para ensinar dos docentes, por exemplo, obtém média 7,2 (em uma escala de 0 a 10) e é o fator mais bem avaliado, enquanto o relacionamento com os pais dos alunos obtém a pior média (6,1).

Os pesquisadores perguntaram ainda à população quais seriam as principais ações para melhorar o desempenho dos alunos do ensino básico público. Entre dez iniciativas, equipar melhor as escolas é a ação mais citada (28%). O material didático digital e o acesso a computador com internet estão entre os itens com notas mais baixas na avaliação da população das condições gerais das escolas públicas (4,6 e 5,0, respectivamente, em uma escala de 0 a 10).

Iniciativas relacionadas aos professores também foram avaliadas: aumentar o salário dos docentes é a mais assinalada entre as duas principais ações (40%); elevar o número de professores aparece em segundo lugar (34%), praticamente empatada com ações para melhorar a formação docente (32%).

Ao analisar o grau de responsabilidade de diferentes atores para que os alunos do ensino básico tenham uma educação de qualidade no Brasil, cerca de oito em cada dez brasileiros consideram que o diretor da escola, os pais dos alunos e os professores são muito responsáveis.

Segundo a opinião de 70% a 76%, prefeito, governador e presidente também possuem muita responsabilidade. Ao mesmo tempo, para a maioria da população (quase 80%), os governos não possuem o comprometimento adequado para garantir a qualidade da educação.

“A pesquisa demonstra claramente que, tanto para o desenvolvimento do país quanto dos indivíduos, é urgente priorizarmos a educação em nosso projeto de nação”, afirma Priscila Cruz, presidente-executiva do Todos Pela Educação. “Em um ano tão estratégico, precisamos focar no que realmente interessa na educação por meio de um plano de ação implementado com continuidade e progressividade. Bastam três gestões de real comprometimento político para darmos um salto de qualidade e, por consequência, de desenvolvimento”, reitera.

No debate sobre educação, a população quer ainda maior participação dos jovens: 96% dos brasileiros concordam que a juventude deve participar mais nos debates e decisões, sendo que 82% concordam totalmente e 14% concordam em parte. Apenas 4% dos brasileiros discordam totalmente ou em parte da afirmação.

VIOLÊNCIA E CORRUPÇÃO

Os brasileiros também acreditam que há relação entre a situação na educação brasileira e dois dos principais problemas enfrentados pelo Brasil no momento – violência e corrupção. A maioria (77%) concorda totalmente ou em parte que o problema da violência se relaciona diretamente com a baixa qualidade da educação. Seis em cada dez brasileiros dizem o mesmo em relação à corrupção.

A percepção sobre o vínculo entre a educação e os níveis de violência cresce com o grau de escolaridade do entrevistado. Entre aqueles com até a quarta série do ensino fundamental, 71% concordam com a afirmação, percentual que chega a 82% entre os que possuem ensino superior. Já a visão sobre o tema com os níveis de corrupção predomina entre os mais jovens: 70% dos entrevistados entre 16 e 24 anos concordam total ou parcialmente com a afirmação. Entre os brasileiros com 55 anos ou mais, o percentual alcança 56%.

A população reconhece o valor da educação não apenas para a sociedade como para o indivíduo. A maioria percebe impactos positivos da escolarização sobre a sua vida. Em relação à renda, 73% dos brasileiros concordam total ou parcialmente que quanto mais anos de estudo uma pessoa tiver, maior será a sua renda. Apesar de permanecer elevado, o percentual vem apresentando queda nos últimos anos: em 2010, em que a pesquisa foi feita pela primeira vez, era de 83%. Em 2013, chegou a 79%. No atual levantamento, alcançou 73%. A avaliação é que o contexto de recessão econômica no país pode ter contribuído para esse resultado.

Em relação à empregabilidade, 71% dos entrevistados concordam totalmente ou em parte que o problema do desemprego no Brasil se relaciona diretamente com a baixa qualidade da educação. Em cidades grandes e nas capitais, uma parcela maior da população percebe a relação entre a escolaridade e as chances do indivíduo de conseguir um emprego: o percentual daqueles que concordam com a afirmação sobe de 69% em cidades do interior para 76% nas capitais.

OUTRAS CONCLUSÕES

Segurança é o principal problema nas escolas públicas na visão dos brasileiros. Entre 10 fatores avaliados, em uma escala de 0 a 10, as notas médias variaram de 3,7 a 6,3, sendo que a segurança nas escolas obteve a pior média (3,7). Além do fator segurança, as atividades que extrapolam a grade curricular normal e outras ferramentas que contribuem para inovar o método de ensino (material didático digital e acesso a computador com internet) aparecem nos últimos lugares do ranking.  O tempo de permanência do aluno na escola e outros fatores ligados à manutenção, ainda que apresentem médias baixas, são os mais bem avaliados.

População vê importância do ENEM para entrada no ensino superior e também para elevar qualidade do ensino médio: A maioria da população apoia o uso do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) como critério de seleção para entrada no ensino superior: cerca de oito em cada dez brasileiros (83%) concordam totalmente ou em parte que o ENEM é uma melhor forma de acesso às universidades comparado aos vestibulares tradicionais. Apenas 11% dos brasileiros discordam totalmente ou em parte da afirmação.

A maioria da população também acredita que o ENEM tem um papel importante na melhoria da formação dos estudantes de ensino médio: cerca de oito em cada dez brasileiros (82%) concordam totalmente ou em parte que o ENEM contribui para elevar a qualidade deste nível de ensino. Apenas 13% dos brasileiros discordam totalmente ou em parte da afirmação.

Em relação ao método de ensino, na visão da população sobre o currículo escolar, o foco em português e matemática deveria aumentar: cerca de oito em cada dez brasileiros (79%) concordam totalmente ou em parte que a escola deveria focar mais no ensino de português e matemática.

RECOMENDAMOS

ELEIÇÕES 2018

Amoêdo acredita em crescimento de campanha

AGENDA EM NATAL

Amoêdo defende equilíbrio de gastos e reformas

SETEMBRO AMARELO

Riscos de suicídio com a “Momo” são alertas em Natal

AUTORIZADO

Médico avaliará sanidade de agressor de Bolsonaro

SHOW DELAS

Natal recebe Festival Internacional de Compositoras

RECONHECIMENTO

Literatura de Cordel se torna Patrimônio Cultural

JANTAR DE NEGÓCIOS

Balcão de Negócios SINDUSCON e CEF celebram parceria

MELHORAS

Bolsonaro inicia alimentação por via oral

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL