câmbio:

DÓLAR R$ 3.7671 EURO R$ 4.3691

Tempo, natal:

24°C

Economia

PNAD CONTÍNUA

31/01/2018

10:30

Brasil ganhou 811 mil postos de trabalho em um trimestre, aponta IBGE

Total de ocupados cresceu 0,9% no 4º trimestre em relação ao 3º trimestre de 2017

Por Estadão Conteúdo

Compartilhar } 0 Compartilhamentos

O País ganhou 811 mil postos de trabalho em apenas um trimestre, ao mesmo tempo em que 650 mil pessoas deixaram o contingente de desempregados. O total de ocupados cresceu 0,9% no quarto trimestre em relação ao terceiro trimestre de 2017. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No quarto trimestre de 2017, o mercado de trabalho ganhou 21 mil vagas com carteira assinada em relação ao terceiro trimestre. O contingente de trabalhadores sem carteira assinada no setor privado cresceu em 204 mil pessoas, e outros 288 mil indivíduos aderiram ao trabalho por conta própria.

O setor público teve redução de 18 mil postos de trabalho em um trimestre. O emprego como trabalhador doméstico aumentou em 193 mil pessoas, segundo o IBGE.

A indústria criou 117 mil postos de trabalho em um trimestre, o equivalente a um aumento de 1% no total de ocupados no setor no quarto trimestre de 2017 ante o terceiro trimestre.

Os demais setores que contrataram no período foram a construção, com 73 mil postos de trabalho a mais; comércio, com 368 mil funcionários a mais; alojamento e alimentação, mais 4 mil; informação, comunicação, atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, com 86 mil a mais; serviços domésticos, 204 mil a mais; e outros serviços, com a geração de 163 mil novos postos.

Por outro lado, houve demissões em transporte, armazenagem e correio, com 54 mil ocupados a menos, e em agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com 158 mil vagas extintas.

Na administração pública, defesa, seguridade social, educação e saúde a ocupação ficou estável.

Comparação anual

A construção cortou 133 mil postos de trabalho no período de um ano, segundo dados da Pnad Contínua, iniciada em 2012 pelo IBGE. O total de ocupados na atividade encolheu 1,9% no quarto trimestre de 2017 ante o mesmo período de 2016.

Também houve corte de vagas no setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com menos 459 mil empregados, um recuo de 5,1% no total de ocupados, e no segmento de transporte, armazenagem e correio, com 47 mil ocupados a menos, recuo de 1% no total de trabalhadores.

Na direção oposta, a indústria criou 527 mil vagas no período de um ano, uma alta de 4,6% no total de ocupados no setor no quarto trimestre ante o mesmo trimestre de 2016. O comércio contratou 219 mil empregados, alta de 1,2% na ocupação no setor.

A atividade de Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas – que inclui alguns serviços prestados à indústria – registrou um crescimento de 408 mil vagas em um ano, 4,2% de ocupados a mais. A administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais contratou 251 mil trabalhadores, uma alta de 1,6% na ocupação.

Também houve aumento no contingente de trabalhadores de alojamento e alimentação (+420 mil empregados), outros serviços (+375 mil pessoas) e serviços domésticos (+260 mil empregados).

Compartilhar } 0 Compartilhamentos

últimas notícias

+ Lidas

recomendamos

comentários

Ao comentar, o leitor concorda com nossas regras e política de privacidade. Veja aqui

O espaço de comentários do Portal no AR pode ser moderado. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. anônimas ou assinadas com e-mail falso;
8. fora do contexto do portal.

O Portal no AR:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;
3. não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros.
4. se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.