• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    26ºc

Economia

CNI

Estudo compara desempenho da indústria

Nessa primeira edição, o estudo revela uma queda de 0,24 ponto percentual entre 2005 e 2015

Por Portal da Indústria

12 de janeiro de 2018 | 14:03

O estudo Desempenho da Indústria no Mundo é a nova contribuição da Confederação Nacional da Indústria (CNI) para o monitoramento do desempenho do setor no país e em plano comparado. O trabalho reúne dois índices: um sobre as participações do Brasil na produção e outro referente às exportações mundiais de produtos manufaturados. Juntos, eles mostrarão o nível de competitividade da indústria brasileira no mundo.

Nessa primeira edição, o estudo revela uma queda de 0,24 ponto percentual entre 2005 e 2015. Nesse período, esse índice recuou de 0,82% para 0,58%. Esse percentual manteve-se praticamente estável em 2014, quando era de 0,59%. A comparação é feita com os principais parceiros comerciais brasileiros: Estados Unidos, Argentina, China, Alemanha, México, Japão, França, Itália, Coreia do Sul, Países Baixos e Reino Unido.

O levantamento aponta que a perda de participação da indústria brasileira no valor adicionado mundial se intensificou em 2015, quando houve recuo de 2,39% para 2,08%, mas manteve-se praticamente estável em relação às exportações mundiais de produtos manufaturados no período. O movimento de queda no valor adicionado mundial continuou em 2016, ao atingir 1,84% (queda de 0,24 ponto percentual) ‒ a maior baixa na comparação com seus principais parceiros comerciais.

Desde o final dos anos de 1990, a participação brasileira no valor adicionado mundial de manufaturados mantém tendência de queda, embora esse ritmo tenha se acelerado a partir de 2014, o que é explicado pela crise econômica interna, que se tornou mais aguda em 2015 e 2016. Desde 1996, a participação brasileira já caiu 1,53 ponto percentual.

“Estamos perdendo espaço tanto na produção quanto nas exportações, dada a nossa dificuldade de competir. Em países como China, México e Coreia do Sul, a indústria tem sido o motor do crescimento”, afirmou o gerente-executivo da CNI, Flávio Castelo Branco, que defendeu reformas estruturais que promovam a competitividade brasileira.

HISTÓRICO – Os dois índices que formam o novo indicador são medidos desde 2016 pelos Indicadores de Competitividade da Indústria Brasileira, que calcula a Participação nas Exportações Mundiais de Manufaturados, a Participação no Valor Adicionado Mundial de Manufaturados, o Custo Unitário do Trabalho Efetivo em Dólar Real, a Taxa de Câmbio Efetiva Real e a Produtividade do Trabalho Efetivo. A CNI desmembrou esses índices em três indicadores: Desafios da Indústria no Mundo, lançado em outubro de 2017, Produtividade da Indústria e Produtividade do Trabalho, que serão divulgados em breve.

RECOMENDAMOS

MOEDA ESTRANGEIRA

Dólar tem quinta alta consecutiva e fecha dia em R$3,92

ANÁLISE

Fátima garante regularidade em contas de campanha

SAÚDE

Mais Médicos: 106 vagas não foram preenchidas

ANÁLISE DE CONTAS

13 do PT vira 13 pontos para reprovar contas de Fátima

CONFUSÃO

Fernanda Lima processa Eduardo Costa e pede indenização

FOLIA SEGURA

Carnatal contará com segurança externa de 600 policiais

PRESIDENTE DIPLOMADO

Em diplomação, Bolsonaro pede confiança

COMISSIONADOS

Prefeitura de São Gonçalo paga 13º nesta terça

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL