Cotidiano

ROTA DOS ENGENHOS 14/12/2018

Exposição fotográfica registra abandono de antigos engenhos de Ceará-Mirim

Fotógrafo Mardone França registrou boas e más memórias da região
Panorâmica do Vale (Foto: Mardone França)

Panorâmica do Vale (Foto: Mardone França)

Engenho Verde Nascença (Foto: Mardone França)

Engenho Verde Nascença (Foto: Mardone França)

Engenho São Leopoldo (Foto: Mardone França)

Engenho São Leopoldo (Foto: Mardone França)

Engenho Ruy Pereira (Foto: Mardone França)

Engenho Ruy Pereira (Foto: Mardone França)

Engenho Ruy Pereira (Foto: Mardone França)

Engenho Ruy Pereira (Foto: Mardone França)

Engenho Ruy Pereira (Foto: Mardone França)

Engenho Ruy Pereira (Foto: Mardone França)

Engenho Guaporé (Foto: Mardone França)

Engenho Guaporé (Foto: Mardone França)

Casarão do Engenho Guaporé (Foto: Mardone França)

Casarão do Engenho Guaporé (Foto: Mardone França)

Um sábado de dezembro de 2018. Um grupo composto por cerca de 30 pessoas parte para uma excursão em Ceará-Mirim, a 28 quilômetros de Natal. Mais precisamente nos antigos engenhos de cana de açúcar que, um dia durante o Brasil Império, nutriram o poder e a riqueza da região. A experiência trouxe boas e más recordações para quem visitou o local.

“Deu o sentimento de encantamento pela suntuosidade das construções. Mas, ao mesmo tempo, fiquei espantado pelo abandono da arquitetura e também da história. Quem tem noção do valor do patrimônio se choca com a situação. Fotografei para ficar pelo menos com o registro na parede”. Essa foi a impressão do fotógrafo Mardone França.

Cearense morando há 40 anos no RN, ele já conhecia o município de Ceará-Mirim. Contudo, ainda não tinha conhecimento do antigo polo açucareiro do estado. Para França, o circuito composto pelos antigos engenhos poderia se tornar referência para o turismo potiguar.

Busto de Ruy Pereira (Foto: Mardone França)

“É preciso ter o que mostrar. Praia não é mais diferencial. O Nordeste inteiro tem praias. Os engenhos poderiam ser restaurados e transformados em museus para os turistas. Mas, se medidas não forem tomadas, tudo vai acabar virando pó”, analisou.

Dos locais visitados pelo grupo, o Engenho São Leopoldo é o que aparenta estar em melhores condições para receber visitas. O ponto, que foi a parada para o almoço do grupo, ainda conserva maquinário e utensílios antigos. Além desse, os engenhos Verde Nascença, Mucuripe e Nascença também apresentam boas condições de conservação.

O passeio é realizado pelo guia Francisco Ferreira. Vestido à caráter, ele é conhecido como Barão de Ceará-Mirim. E de onde veio essa alcunha? O Barão de Ceará-Mirim foi um dos principais nomes da economia açucareira. O nome verdadeiro dele é Manoel Varella do Nascimento (1802-1881) e foi o primeiro de quatro barões do RN.

Ruínas de velho casarão (Foto: Mardone França)

Em seus ensinamentos aos visitantes, Francisco Ferreira – o Barão – se veste como o original e conta detalhes da história. “Faço essa rota há mais de 10 anos. A primeira sensação que as pessoas têm é de estar no Brasil Império. A gente se veste à caráter e mostra como se realmente estivesse no período. A ideia é resgatar essa época e trazer a tradição do baronato para a região”, contou o Barão.

Durante o passeio, outro fator chamou a atenção de Mardone França. Ele contou que os banheiros ficavam a cerca de 100 metros das casas. Quando as madames queriam fazer suas necessidades, elas eram levadas por escravos até o local. “Fiz foto de tudo”, acrescentou.

Com vários engenhos pelo caminho, o fotógrafo relatou também as dificuldades. Segundo ele, havia acesso aos prédios abandonados, no entanto, havia também o risco para a integridade de cada um.

Locais já representaram poder e hoje estão em ruínas (Foto: Mardone França)

“Nós conseguimos ter acesso a todos eles. Mas era preciso ter cuidado, muitos tinham várias casas de marimbondos, outros tinham partes deterioradas, poderia desabar em cima de alguém. Tudo foi feito com muito cuidado”, explicou.

A rota, de acordo com Francisco Ferreira, passa pelos engenhos e também por prédios localizados no centro da cidade e custa a partir de R$ 10.

Exposição fotográfica

Organizada pelo professor de fotografia Alex Gurgel, a excursão ainda não tem definição de contar com uma exposição dos trabalhos. O relato de Mardone indica que a intenção é fazer a mostra em Ceará-Mirim para criar um alerta de conservação na própria população do local.

Capela do Cruzeiro (Foto: Mardone França)

RECOMENDAMOS

OPERAÇÃO CLÁSSICO REI

Homem com LSD é preso em decisão do Potiguar 2019

NOVA APOSENTADORIA

Marinho volta a defender que Reforma ataca privilégios

NOVO COMANDO

Com exportações suspensas, Codern empossa novo diretor

LEILÃO

Detran abre visitação a veículos que serão leiloados

CARNAVAL DE NATAL 2019

Banda Detroit comanda folia no Polo Ponta Negra

OPERAÇÃO PADRÃO

Agentes penitenciários se reúnem com Governo

CLIMÃO NA GLOBO

Bruno Gagliasso se afasta de Marina a pedido da mulher

CASO DO TRÍPLEX

Fachin nega mais um Habeas Corpus de Lula

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL