câmbio:

DÓLAR R$ 3.6784 EURO R$ 4.3424

Tempo, natal:

26°C

Cultura

05/11/2013

15:34

Festival Literário de Natal começa na manhã desta quarta, na Ribeira

Por mercadoecia

Compartilhar } 0 Compartilhamentos

O Festival Literário de Natal servirá de palco, a partir desta quarta-feira, para o debate de obras, produções e processos criativos. O evento, que será realizado no Largo D. Bosco, Ribeira, contará com a parceria da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA) e vai reunir na capital potiguar, escritores renomados da literatura nacional e de oito países irmãos de língua portuguesa.

Entre os escritores brasileiros convidados estão o cantor Caetano Veloso, Milton Hatoum, Tatiana Salem Levy, Rubens Figueiredo, Marina Lima, Eucanaã Ferraz, João Paulo Cuenca, Tânia Lima, José Miguel Wisnik. Também participarão os escritores Antônio Cícero, Humberto Hermenegildo, Gereba Barreto, Arnaldo Niskier, Ivan Junqueira, José Eduardo Agualusa, Mauro Ventura, Murilo Melo Filho, Marco Lucchesi, Tom Cardoso, Vânia Bastos e Zuenir Ventura.

O prefeito Carlos Eduardo afirmou que uma das primeiras preocupações da administração municipal, além de recuperar os serviços essenciais e buscar a normalidade administrativa, era a de resgatar a vida cultural da cidade. “A presença de Portugal vai engrandecer mais ainda esse encontro. Enquanto estivermos à frente da Prefeitura do Natal vamos manter essa integração para que esse evento cresça a cada ano”, garantiu o prefeito.

O cônsul de Portugal, Francisco Lamy afirmou que “o consulado sente-se honrado em participar da 4ª edição do encontro de escritores”. Pela UCCLA estão confirmados no festival, entre outros, os escritores: Germano de Almeida (romancista), Tony Teheke, Mário Zambujal (romancista), Ricardo Araújo Pereira, Alice de Pina, Celina de Oliveira, Luís Carlos Patraquim (poeta e dramaturgo), José Carlos Vasconcelos (poeta, jornalista e redator da Revista Visão), e Luís Cardoso Noronha.

Programação

De 06 a 09 de novembro, no Largo D. Bosco, Ribeira (em frente ao Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão)

Quarta-Feira, 06 de novembro de 2013

Mesa 1

19h00 – Tema: “UM ROMANCE EM NASCIMENTO”

Tatiana Salem Levy – Escritora radicada no Brasil, nascida em Lisboa, Portugal em 1979. Sua estreia como autora foi com A Experiência de Fora (Relume Dumará/2006) resultado da dissertação de mestrado a partir do pensamento dos franceses Blanchot, Foucault e Deleuze. Mas ficou conhecida com a publicação do primeiro romance, A chave de casa (Record, 2007) – vencedor do Prêmio São Paulo Literatura em 2008, que deverá ser adaptado para o cinerma. Desde então, a escritora tem se firmado como uma das mais importantes nomes da literatura contemporânea no Brasil. Em 2010, organizou a coletânea de contos Primos (Record), e em 2012 lançou o romance Dois Rios (Record). É uma das integrantes da edição Os melhores jovens escritores brasileiros, da revista inglesa Granta.

José Eduardo Agualusa – Escritor nascido em Huambo, Angola, em 1960. Entre contos, romances, novelas e poesia, publicou mais de 20 livros, traduzidos em 25 idiomas. A Conjura é seu romance de estreia. Escreveu Nação Crioula e Um Estranho em Goa, ambas a partir de bolsas na área de criação literária oferecidas por instituições, que lhe permiram viver, por alguns meses, nos países onde se passam os romances. Também morou em Berlim, e foi lá que escreveu O Ano em que Zumbi Tomou o Rio. No mesmo formato residência, escreveu Barroco Tropical, quando morou em Amsterdam. Para o teatro, escreveu “Geração W”, “Aquela Mulher”, “Chovem amores na Rua do Matador” e “A Caixa Preta”, estas duas últimas em parceria com Mia Couto. Estudou Silvicultura e Agronomia em Lisboa, Portugal.

Adriano de Sousa – Jornalista e poeta, nasceu em Alexandria-RN. Atuou por muitos anos na área de propaganda. É editor das Edições Flor de Sal e já publicou quatro livros de poesia: Flô (edição do autor), O Alvissareiro (Fundação José Augusto), Saartão (edição do autor) e Poesia (Funcarte). Escreve aos sábados no Novo Jornal. Publicou e editou as revistas literárias Perigo Iminente (Flor de Sal) e a Preá (Fundação José Augusto).

Mesa 2

20h30 – Tema: “EXPERIÊNCIA E LINGUAGEM LITERÁRIA”

Milton Hatoum — Escritor amazonense, nasceu em 1952, em Manaus. Formado em Arquitetura e Urbanismo na USP, foi professor universitário de História da Arquitetura. Também trabalhou como jornalista cultural e, na década de 1960, morou em Madri e Barcelona, depois Paris, onde estudou literatura comparada na Sorbonne. É autor de quatro romances premiados e sua obra já foi traduzida em dez línguas e publicada em catorze países. Relato de um certo Oriente foi o primeiro livro (1989), com o qual ganhou o prêmio Jabuti. Depois vieram Dois irmãos e Cinzas do Norte. Com este último obteve cinco prêmios, incluindo o Portugal Telecom e Grande Prêmio da Crítica/APCA. Lançou Órfãos do Eldorado em 2008 e no mesmo ano recebeu do Ministério da Cultura a Ordem do mérito cultural.

Tânia Lima — Escritora e poeta, natural do Maranhão. Em 2001 recebeu o Prêmio Xerox do Brasil com o livro ‘A Bela Estrangeira’. Dois anos depois, com a obra ‘Nus Mangues’, ganhou o Prêmio Redescoberta da Literatura Brasileira pela Revista Cult. Mestre em Literatura Brasileira com dissertação sobre a poética de Manoel de Barros, a partir das teorias de Michel Foucault. Doutora a partir da tese que mapeia a palavra “Mangue” na poesia brasileira em diálogo com a Ecocrítica. Atualmente é professora Adjunta III do Departamento de Letras UFRN.

Mesa 3

21h30-Tema: “MEU MUNDO VOCÊ É QUEM FAZ” – Música e Letra na obra de Marina Lima e Antônio Cícero

Antônio Cícero – Poeta, compositor e filósofo, nasceu em 1945, no Rio de Janeiro. Suas atividades se dividem entre a poesia e a filosofia. Começou a escrever poesia na adolescência, mas ficou conhecido primeiro como compositor. Teve poemas seus musicados pela irmã Marina Lima, iniciando uma rica parceria que renderia sucessos como “Fullgás” e “Pra começar”. A música marcou também outros encontros com Lulu Santos, João Bosco, Wally Salomão, Caetano Veloso (‘Grafitti”). Na poesia escrita lançou Guardar (Record, 1996), A cidade e os livros (Record, 2002). Em colaboração com o poeta Eucanaã Ferraz, editou a Nova antologia poética de Vinícius de Moraes (Cia das Letras, 2003) e com o poeta Waly Salomão editou O relativismo enquanto visão do mundo (Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1994). Como pensador, publicou O mundo desde o fim (Francisco Alves, 1995) e Finalidades sem fim (Cia das Letras, 2005).

Marina Lima – Cantora e compositora, nasceu no Rio de Janeiro, em 1955. Viveu dos 5 aos 12 anos, nos Estados Unidos com a família, onde concluiu seus estudos de música. Seu irmão, Antonio Cícero, torna-se poeta e Marina pega alguns de seus trabalhos e musicaliza. Lançou vinte discos e tem um histórico marcado por grandes hits, passagens inesquecíveis, e canções que ficaram no imaginário das pessoas. A parceria com o irmão trouxe momentos raros de inspiração. Casamento de música, letra e dança. O primeiro disco solo foi em 1979, mas ela fica conhecida do grande público nos anos 80, com o lançamento de Fullgás. Transforma-se em uma referência nos anos 90, conquistando  prêmios, público, reconhecimento, identidade. Um perfil único, inédito, sem estar preso a um estilo ou época.  Marina lança agora seu primeiro livro, “Maneira de Ser” (ed. Língua Geral). O livro não é uma biografia, mas um  “caderno íntimo” de suas vivências.

 

Quinta-Feira, 07 de novembro de 2013

MANHÃ UCCLA

09h30 às 12h45 – Tema: “A LITERATURA E O HUMOR”

Germano de Almeida (Cabo Verde) – Escritor, nasceu na Ilha da Boa Vista (Cabo Verde) em 1945. Formado em Direito e desde 1979 vive em São Vicente. Seus primeiros relatos foram publicado na revista Ponto e vírgula, assinados com o pseudônimo de Romualdo Cruz. Em 1998, reúne esses textos com outros textos inéditos e publica o livro A ilha fantástica. Na sequência veio A família trago, ambas recriam os anos da sua infância e o ambiente social e familiar da Ilha da Boa Vista. Também publicou O meu poeta (1990), Estórias de dentro de casa (1996), A morte do meu poeta (1998) e As memórias de um espírito (2001), que formam o ciclo mindelense da obra do autor. Entre a sua extensa obra também se destacam títulos como O testamento do senhor Napumoceno da Silva Araújo (1991), Dona Pura e os camaradas de Abril (1999), O mar na Lajinha (2004) e Eva (2006).

Ricardo Araújo Pereira – Humorista português de carreira internacional, nasceu em Lisboa, em 1974. É jornalista, faz humor stand up e já dirigiu vários programas humorísticos para a televisão portuguesa (Gato Fedorento, As boas entradas, entre outros). É co-autor do livro O Futebol é Isto Mesmo (ou então é outra coisa completamente diferente). Compilou as suas melhores crónicas da revista Visão nos livros Boca do Inferno e Novas Crónicas da Boca do Inferno, com o qual recebeu Grande Prémio da Crónica concedido pela Associação Portuguesa de Escritores e a Câmara Municipal de Sintra. No Brasil, participou pela segunda vez no Risadaria, o Festival de Humor em São Paulo.

Luís Carlos Patraquim (Moçambique) – Poeta e jornalista moçambicano, nasceu em 1953, em Lourenço Marques (atual Maputo) e vive em Loures (Portugal). Considerado como o sucessor de Craveirinha pela sua fusão poética e pela complexidade dos temas abordados, Carlos Patraquim publicou Monção (1982), A Inadiável Viagem (1985), Mariscando Luas (1992, com a participação de Ana Mafalda Leite e Chichorro), Elegia Carnívora (1991) e Lindenburgo Blues (1997). Preocupado com as origens, com as paisagens do presente e do passado.

António Antunes Fonseca – Poeta, escritor e ensaísta, nasceu em Ambriz (Angola) em 1956. Faz parte da “Geração das Incertezas” e sua poesia pauta-se pela presença sistemática de um “eu” lírico desiludido e com a realidade social vivida no seu país. Publicou Raízes, Sobre os Kikongos de Angola, Poemas de Raíz e Voz, Crónicas dum Tempo de Silêncio, Contribuição ao estudo da literatura oral e angolana, Histórias e memórias desancoradas, Contos de Antologia, Primo Narciso e outras estórias e tem no prelo a obra Da vida e morte de Ufano Garcia (Mahezu). É gestor cultural e professor universitário e dirige a Empresa Nacional de Discos e de Publicações desde 1982.

Michelle Ferret – Jornalista, poeta nascida no Rio de Janeiro e radicada em Natal. É professora de comunicação e doutoranda em Ciências Sociais, trabalhando com a poética da ausência. Tem Poemas publicados em coletâneas, sites e revistas. Trabalhou como repórter de cultura no jornal Tribuna do Norte e portal Terra. Atualmente é integrante do grupo “Poesias e Flores em Caixas”.

Sergio Vilar – Jornalista nascido em Natal-RN. Foi repórter do jornal Diário de Natal por nove anos e milita no jornalismo cultural com o blog homônimo. Atualmente é editor de cultura do Portal NoAr. Foi editor de revistas literárias Palumbo e Preá. Organizou os anais da primeira edição do Encontro de Escritores da Língua Portuguesa (EELP).

TARDE UCCLA

14h15 às 18h00 – Tema: “A LITERATURA E A GASTRONOMIA”

Afonso Cruz – Escritor e ilustrador português. Nasceu em Figueira da Foz, em 1971. Formado em artes pelo Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira, escreve livros infantis e, além de grande ilustrador, realiza filmes de animação — às vezes de publicidade, às vezes de autor. Como o livro A Boneca de Kokoschka, conquistou o Prémio da União Europeia para a Literatura 2012.  Recentemente publicou Os Livros que Devoraram o Meu Pai. Também é músico da banda The Soaked Lamb.

John Bella  – Escritor e poeta, nasceu em Luanda, Angola. Sociólogo. É membro da União dos Escritores Angolanos e professor Pré-Universitário. Estreou na poesia em 1985 com Água da Vida, com a qual foi eleito o “Escritor do Ano” em Angola. Aainda na poesia publicou Cântico Romântico (à Paz). Lançou também Panelas Cozinharam Madrugadas e conto “A Esperteza dos Animais”. Entre romances e literatura infantil, publicou 2006 lançou A Lenda do Gato e o Rato, As Orelhas do Coelho Hélio, Nzamba – O Rei Sou Eu, Estes Dois são Cão e Gato. Em 2011, publicou o romance Os Primeiros Passos da Rainha Njinga e, no ano seguinte,

Adriana Lucena – Chef de cozinha nascida em Natal-RN. É mestre em Política Agrícola pela Faculdade de Direito de Lisboa. Viveu quatro anos em Portugal, e pesquisou, paralelamente, a relação da gastronomia do semiárido nordestino à das regiões das Beiras. Desde a adolescência esteve voltada para os estudos do semiárido, concentrando sua atenção à alimentação (com paixão declarada pelos queijos) e à preservação das raças nativas. Vivente de uma casa de taipa em Jandaíra/RN, produz pimentas, é chef de cozinha do Taiá Bistrô e ativista do Movimento Slow Food.

Franklin Jorge – Escritor e jornalista, nasceu em Ceará-Mirim-RN, em 1952 e criou-se em Assu. De escrita enigmática e eclética, possui 11 livros publicados, entre os que se destacam estão Spleen de Natal, Fantasmas Cotidianos e O Ouro de Goiás — além dos 43 inéditos. É cronista e escreve no Novo Jornal e em blog pessoal. Nos anos 1980, ajudou a criar o projeto do que seria a Pinacoteca do Estado.

José Carlos Vasconcelos – Jornalista e advogado, nascido em Paços de Ferreira, Portugal em 1940. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, iniciou a carreira em 1966 no Diário de Lisboa. Foi dirigente da Associação Acadêmica de Coimbra e do Sindicato dos Jornalistas. Entrou na política e exerceu o mandato de deputado eleito pelo extinto Partido Renovador Democrático. Foi diretor-adjunto do Diário de Notícias. Atualmente é editor da revista Visão e é diretor do Jornal de Letras.

Woden Madruga – Jornalista e cronista norte-rio-grandense, em atividade há mais de 40 anos. Intelectual e leitor voraz, desde os anos 1960 escreve diariamente na coluna WM, página 2 do jornal Tribuna do Norte sobre literatura, memórias, cotidiano e política. Foi presidente da Fundação José Augusto por três vezes e professor do curso de Comunicação Social da UFRN.

Mesa 1

18h30 – Tema: “FICÇÃO, HISTÓRIA E MEMÓRIA: CAMINHOS CRUZADOS”

Rubens Figueiredo – Romancista e tradutor, nasceu no Rio de Janeiro em 1956. Formado em letras na universidade Federal do Rio de Janeiro, é professor de português e tradução literária. Em 1998 seu livro de contos As palavras Secretas recebeu os prêmios Jabuti e Arthur Azevedo. Possui sete livros em sua obra, entre os quais O mistério da Samambaia Bailarina; Barco a Seco, vencedor do Jabuti na categoria romance; e O Passageiro do Fim do Dia, com o qual foi agraciado com o Prêmio Portugal Telecom de Literatura e Prêmio São Paulo de Literatura, na categoria Livro do Ano. Tem mais de quarenta traduções publicadas, principalmente da língua russa para o português. Até hoje, é professor de português do ensino médio.

Ronaldo Correia de Brito – Romancista, nasceu em Saboeiro, no sertão dos Inhamuns, no Ceará. Estudou Medicina em Recife. Sempre dividiu seu tempo entre o trabalho como médico e as atividades artísticas Em 1975, dirigiu o longa-metragem Lua Cambará, em parceria com Assis Lima, Horácio Carelli e Antonio Madureira. Com os mesmos parceiros, lançou a Trilogia das Festas Brasileiras – O Baile do Menino Deus, Bandeira de São João e Arlequim. Pela Cosac Naify, lançou Faca (2003) – com o qual foi um dos finalistas do prêmio Telecom 2004 -, Pavão misterioso (2004) e Livro dos homens (2005). Em 2009, seu Galiléia (Alfaguara) foi o vencedor do Prêmio São Paulo de Literatura. Em 2010 lançou Retratos Imorais e, ano passado, o romance Estive lá fora.

Humberto Hermenegildo – É professor titular da UFRN. Atua como pesquisador no Núcleo Câmara Cascudo de Estudos Norte-Rio-Grandenses e é consultor/ parecerista das revistas Sociedade e Território (Natal), Vivência (Natal) e Investigações (Recife). Éespecialista em Literatura brasileira, crítica literária, modernismo e registro literário, com ênfase no estudo da literatura local e regional. É mestre em Teoria e História Literária pela UNICAMP e doutor em Letras pela UFPB.

Mesa 2

20h30 – Tema: “A INVENÇÃO DO COTIDIANO”

João Paulo Cuenca – Escritor, nasceu no Rio de Janeiro, em 1978.  Começou sua trajetória literária no Folhetim Bizarro (1999-2001), um blog de diálogos na internet. Ao mesmo tempo, começou a escrever o seu primeiro romance Corpo Presente (Planeta, 2003). Lançou também O dia Mastroianni (Agir, 2007) e O único final feliz para uma história de amor é um acidente (Companhia das Letras, 2010) e da antologia de crônicas A última madrugada (Leya, 2011), com edições na Alemanha, Itália, Portugal e Espanha. É um dos integrantes da edição Os melhores jovens escritores brasileiros, da revista inglesa Granta.

 Vicente Serejo – Jornalista e cronista nascido em Macau-RN, em 1951. Foi professor do curso de Comunicação Social da UFRN. Trabalhou no Diário de Natal como repórter e depois como titular da coluna “Cena Urbana”, de publicação diária, onde escrevia crônicas. Algumas foram reunidas em seu primeiro livro “Cena Urbana” (Editora da UFRN, 1982). Em 1984, transformou um veraneio na praia da Redinha em fonte de inspiração para escrever uma série de cartas endereçadas ao ‘Sr Editor’. Nos anos 90 estreou como colunista do Jornal de Hoje, onde mantém até hoje a coluna “Cena Urbana”. Publicou também “Canção da Noite Lilás – Crônicas” (Lidador, 2000).

Mesa 3

21h30-Tema: “A LITERATURA E A MÚSICA DE VINÍCIUS DE MORAES”

José Miguel Wisnik – Compositor, músico e ensaísta. Nasceu em São Vicente-SP, em 1948. É professor de literatura brasileira na Universidade de São Paulo, além de pianista, com quatro discos gravados e gravado por intérpretes de sucesso como Zizi Possi, Gal Costa e Maria Bethânia. Antes de optar pela faculdade de Letras, Wisnik estudou piano clássico, chegando a apresentar-se como solista da Orquestra Municipal de São Paulo aos 17 anos. Publicou livros e ensaios Coro dos contrários – a música em torno da semana de 1922. São Paulo, Duas Cidades. – O nacional e o popular na cultura brasileira – música (com Ênio Squeff). São Paulo, Brasiliense. Também lançou O Som e o sentido (1989), Veneno Remédio (2008) e Poemas Escolhidos de Gregório de Matos  (2010).

Vânia Bastos – Cantora paulista, nascida em Ourinhos, em 1956). Ligada ao movimento cultural Vanguarda Paulista.  Em 1975 mudou-se para São Paulo, onde começou a estudar sociologia e canto. Em 1980, passou a atuar como vocalista da banda Sabor de Veneno de Arrigo Barnabé. Além de ser a principal solista do músico a partir de “Tubarões Voadores” (álbum de 1983), participou de apresentações e gravações com Itamar Assumpção, o outro nome de destaque da Vanguarda. Também gravou com bandas de rock como Magazine e Joelho de Porco. A partir de 1986, começou a gravar trabalhos-solo. Sua discografia conta mais de dez discos.

 

Gereba Barreto – Músico, compositor e pesquisador da Cultura Popular Brasileira, nascido em Monte Santo, Bahia, em 1946.  Realizou importantes projetos para a MPB como instrumentista, compositor, arranjador e produtor cultural. Grandes intérpretes como Elizeth Cardoso, Beth Carvalho, Fagner, Amelinha, Leon Gieco (Argentina), o guitarrista Folkan Crieg (Alemanha), entre outros, gravaram suas composições. Com o Grupo Bendegó de 73 a 86, lançou 4 discos, com carreira solo gravou: Tom Zé e Gereba-1990; Gereba convida, com Cássia Eller, Na Ozzetti e outros- 1993;Canudos-1997; Forró da baronesa-2000; Canções que vêm do sol-2001; Sertão- 2002 com Dominguinhos; Dom Quixote,xote,xote (2008).

 

Sexta-Feira, 08 de novembro de 2013

TARDE UCCLA

14h15 às 18h00 – Tema: “A LITERATURA E O EROTISMO”

Diva Cunha – Mestre e professora de Literatura Portuguesa no Curso de Letras da UFRN e de Literatura do Rio Grande do Norte na Universidade Potiguar. Como ensaísta, publicou Dom Sebastião: a metáfora de uma espera (1979); Iniciação à poesia do Rio Grande do Norte (1999); Literatura feminina do Rio Grande do Norte: de Nísia Floresta a Zila Mamede (2000); e Literatura do Rio Grande do Norte (2001), entre outros. Como poetisa, tem os seguintes títulos: Canto de página (1986); A palavra estampada (1993); Coração de lata (1996); Armadilha de vidro (2005); Resina (2009).

Mário Zambujal – Escritor e jornalista português nascido em Moura,  em 1936. Foi jornalista esportivo na RTP, colaborou para além da televisão em programas de rádio, dos quais se destaca o “Pão com Manteiga”, na Rádio Comercial com Carlos Cruz.Foi também jornalista de A Bola, chefe de redação do jornal desportivo Record,do jornal O Século e do Diário de Notícias.  Publicou  Crónica dos Bons Malandros (adaptada para o cinema), Histórias do Fim da Rua, À Noite Logo se Vê, Fora de Mão, Longe é um bom lugar e Cafuné.

Alice Goretti de Pina – Escritora e criadora de moda,nascida na cidade de Santo António, na ilha do Príncipe. Foi professora de português e também muito ligada ao associativismo e à moda. Em 1996 levou a público a sua primeira coleção. Mudou-se para Portugal no ano de 2000, onde conciliou o trabalho com as atividades literárias. Em 2003 concluiu o curso de Marketing Internacional para a Indústria do Vestuário. É também licenciada em Direito, mas continua a trabalhar como criadora de moda.  Em 2010 ganhou o concurso Criar Lusofonia, promovido pelo Centro Nacional de Cultura (CNC), com o livro No Dia de São Lourenço.

João de Melo – Escritor português, nascido na Ilha de São Miguel (Açores), 1949. Aos dezoito anos publicou o seu primeiro conto no jornal Diário Popular. Durante a Guerra colonial, foi furriel enfermeiro em Angola. Licenciou-se em Filologia Românica em 1981. Publicou oito livros de ficção, entre eles   Histórias da Resistência,  O Mundo não é deste reino, Autópsia de um Mar de Ruínas (sobre a guerra colonial),  O Homem Suspenso. Publicou também poesia, ensaios, antologias e livros de viagem. Prémio Dinis da Luz (com o romance O Meu Mundo não é deste Reino). Foi premiado diversas vezes.

Nuno Carmarneiro – Escritor, nascido em Figueira da Foz, Portugal, em 1977. Formou-se em Engenharia Física pela Universidade de Coimbra, trabalhou no CERN e doutorou-se em Florença em Ciências aplicadas ao Património Cultural . Em 2011 publicou o seu primeiro romance No Meu Peito Não Cabem Pássaros e em 2013 Debaixo de Algum Céu com o qual venceu o Prémio LeYa.

Celina de Oliveira – Escritora, nasceu em 1947, em Avelãs de Cima-Anadia (Portugal). É licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (1965) e Doutoranda em História na Universidade Nova de Lisboa. Publicou Camilo Pessanha – O Jurista e o Homem, e em parceria as obras Uma História Cultural (em parceria), As 8 Cartas de Macau, Camões, Sabes Quem É? São Paulo – História de um Colégio.

Carlos Peixoto – Jornalista e escritor norte-rio-grandense. É diretor de redação do grupo jornalístico Tribuna do Norte há mais de 15 anos. Publicou “A História de Parnamirim” (2003), sobre o maior município da Grande Natal, que nasceu em meio ao desenvolvimento da aviação comercial e foi base militar norte-americana durante a II Guerra Mundial.

Lívio Oliveira – Escritor e poeta nascido em Nartal em 1969. Publicou quatro livros de poesia, “O Colecionador de Horas” (2002); “Telha Crua” (2005); “Pena Mínima” (2007); “Dança em Seda Nua” (2009). Publicou um livro de ensaios “Bibliotecas Vivas do Rio Grande do Norte” e o CD “Cineclube”, com o músico Babal Galvão. Em 2004 foi premiado em primeiro lugar nos dois concursos de poesia mais concorridos no Estado: Othoniel Menezes (Funcarte) e Prêmio Luís Carlos Guimarães (Fundação José Augusto).

Mesa 1

18h30 – Tema: “A POESIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA”

Ivan Junqueira – Poeta, jornalista e crítico literário brasileiro, nasceu no Rio de Janeiro em 1934. É membro da Academia Brasileira de Letras desde 2000, ocupando a vaga de João Cabral de Melo Neto. Ingressou nas faculdades de Medicina e de Filosofia da Universidade do Brasil, cujos cursos, porém, não chegou a concluir. Iniciou-se no jornalismo em 1963 como redator da Tribuna da Imprensa, tendo atuado depois no Correio da Manhã, Jornal do Brasil e O Globo, nos quais foi redator e sub-editor até 1987. Foi  colaborador da Enciclopédia Barsa, Encyclopedia Britannica Delta Larousse.  Como critico literário e ensaísta, tem colaborado em todos os grandes jornais e revistas.  Publicou Os mortos (poesia, 1964), Quatro quartetos, de T. 5. Eliot (tradução, 1967), A Rainha Arcaica (poesia, 1980), As flores do mal, de Charles Baudelaire (tradução, introdução e notas, 1985), A sagração dos ossos (poesia, 1994). Este último, recebeu o Prêmio Jabuti e da Câmara Brasileira do Livro

Marize Castro – Poeta, jornalista, editora, nasceu em Natal-RN, em 1962. Uma das fortes vozes femininas da poesia contemporânea, Marize revelou-se em livro em 1984, com a publicação de Marrons Crepons Marfins. Nove anos depois publicou Rito (1993), seguido de Poço. Festim. Mosaico (1996), Esperado Ouro (2005), Lábios-espelhos (2009) e Habitar teu nome (2011). Em 2008, publicou o livro Além do nome, resultado de entrevistas publicadas no jornal Tribuna do Norte com inúmeros poetas e escritores, editado pela Coleção Letras Natalenses (Funcarte) em parceria com a Una. Em 2011, lançou O silencioso exercício de semear bibliotecas, fruto do mestrado em Educação na UFRN sobre o trabalho que a poeta e bibliotecária Zila Mamede realizou nos anos 1960.

Mesa 2

19h30 – Tema: “LITERATURA E LIBERDADE: O Porto Seguro”

Marco Lucchesi – Escritor, membro da Academia Brasileira de Letras, nasceu no Rio de Janeiro em 1963. Poeta, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ensaísta, tradutor. Publicou, entre outros livros, Sphera (2003), Poemas Reunidos (finalista Prêmio Jabuti 2002), A sombra do Amado: poemas de Rûmî ( Prêmio Jabuti 2001), e Bizâncio (finalista Jabuti 1999). Publicou livros, também premiados, em italiano. Tem poemas traduzidos para o alemão, o romeno, o espanhol e o persa, publicados em livros. Traduziu, entre outros, Umberto Eco, Rûmî, Hölderlin, Juan de la Cruz e Rilke.

Arnaldo Niskier – Escritor e professor, nasceu no Rio de Janeiro, em  1935. Formado em pedagogia, exerceu o magistério superior de História e Filosofia da Educação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), aposentando-se em 1995. Como escritor, suas obras versam sobre temas os mais variados, mas é na Educação e Literatura infantil que se destacam. É membro da Academia Brasileira de Letras e tem mais de vinte livros publicados. É ligado a uma grande quantidade de associações e entidades pedagógicas, literárias e culturais.

Murilo Mello Filho – Jornalista e escritor, nascido no Rio Grande do Norte. Começou a carreira, ainda adolescente, no Diário de Natal, escrevendo comentários esportivos. Depois foi para A Ordem, A República, Rádio Educadora de Natal e Rádio Poti. Aos dezoito anos foi para o Rio de Janeiro e começou a trabalhar no Correio da Noite. Passou por Tribuna da Imprensa, Jornal do Commercio, Estado de S. Paulo, Manchete e TV-Rio. Em missões jornalísticas acompanhou os presidentes Juscelino Kubitschek, Jânio Quadros, João Goulart, Ernesto Geisel e José Sarney, à viagens ao exterior. Cobriu a Guerra do Vietnã e foi o primeiro no País a cobrir a Guerra do Camboja. É membro da Academia Brasileira de Letras.

Diógenes da Cunha Lima – Poeta e escritor. É presidente da Academia Norte-Riograndense de Letras, Diógenes da Cunha Lima. Autor de cerca de 32 livros, entre poesia, memórias e pesquisa histórica, são de sua autoria “Câmara Cascudo, um brasileiro feliz” (1978), Corpo Breve (1980), Os Pássaros da Memória (1994) e O Livro das Respostas (1996).

Aula Espetáculo

21h30 Aula Espetáculo – Tema: “LITERATURA ORAL E MÁRIO QUITANA”

Naná Vasconcelos em show duo com o cellista Lui coimbra

Com repertório calcado no popular brasileiro da mais pura origem, arranjos de alta qualidade, excelentes composições próprias com inserção de algumas músicas de, Elomar, Zeca Balero e Villa Lobos , MÁRIO QUINTANA e uma interpretação instrumental e vocal madura que equilibra técnica e emoção,Naná Vasconcelos divide o palco com o Conceituado instrumentista  Lui Coimbra, essa mistura  prova com competência que é possível injetar bom gosto em um produto de fácil assimilação pelo público, passeando com os extremos do Popular ao erudito, INCLUINDO NO SHOW TRECHOS  DO PROJETO LÍNGUA MÃE , fruto de experiência do Músico Naná Vasconcelos e 120 crianças de Portugal -Angola e Brasil e orquestra sinfônica com um breve relato do histórico do projeto .

Naná Vasconcelos – Instrumentista pernambucano (1944/Recife). Eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo pela revista americana Down Beat e ganhador de oito prêmios Grammy, é considerado uma autoridade mundial em percussão. Desde jovem se envolveu os tambores nos movimentos de maracatu locais. Começou a tocar aos 12 anos com seu pai numa banda marcial no Recife.Durante toda sua carreira sempre teve preferência por instrumentos de percussão e nos anos 60 se notabilizou por seu talento com o berimbau. Gravou com Milton Nascimento, Geraldo Azevendo e tem uma extensa carreira no exterior. Tocou com Jon Hassel, Egberto Gismonti, Pat Metheny, Evelyn Glennie e Jan Garbarek. Formou entre os anos de 1978 e 1982, ao lado de Don Cherry e Collin Walcott o grupo de jazz Codona, com o qual lançou 3 álbuns.

Lui Coimbra – Violonceleiro. Cantor e compositor carioca, filho de mineiros, carrega no rítmo e no sotaque uma generosa herança das montanhas… Músico elegante, seu violoncelo é suave e sua voz é bonita. Lui também é um compositor de amplos recursos, capaz de musicar com maestria poemas como os delicados Astrologia e O Idiota da Aldeia do mestre Mario Quintana.

 

Sábado, 09 de novembro de 2013

Mesa 1

18h30 – Tema: “LEITURAS SOBRE A LITERATURA DO RN: Luís da Câmara Cascudo, João Lins Caldas e Poesia Moderna – Produções do Núcleo Câmara Cascudo (UFRN)”

Regina Medeiros – Regina Lúcia de Medeiros estuda a obra de Luís da Câmara Cascudo. Em 2013, defendeu sua dissertação de mestrado, intitulada “Entre mortos e vivos: a escrita ensaística de Prelúdio e fuga do real”, junto ao Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Alexandre Alves – Professor de Literatura da UERN, doutor pela UFRN com a tese “Poesia submersa: poetas e poemas no Rio Grande do Norte 1900-1990”. Possui nove livros publicados, entre eles obras sobre Zila Mamede (Silêncio, mar: a poesia de Zila Mamede nos anos 50, Ed Sebo Vermelho/2006), sobre Auta de Souza e Câmara Cascudo (Guia Literatura UFRN, 2011/2012, Editora Sol);Tradutor da obra Rosa de pedra, de Zila Mamede (Editora Queima-Bucha, 2013) para a língua inglesa.

Edna Rangel – Professora norte-rio-grandense. Especializada em Literatura Brasileira e Língua Inglesa, mestra em Literatura Comparada e doutora em Educação. Atualmente, é professora de Práticas de Leitura e Escrita, na Escola de Ciências e Tecnologia da UFRN. Estuda cartas há 12 anos e foi a primeira pesquisadora a estudar a correspondência completa trocada entre Mário de Andrade e Luís da Câmara Cascudo.

Mesa 2

19h30 – Tema: “A POESIA NA CANÇÃO, A CANÇÃO NA POESIA”

Caetano Veloso – Um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos, Caetano Veloso nasceu em Santo Amaro, Bahia, em 1942. Caetano construiu uma obra musical marcada pela releitura e renovação e considerada amplamente como possuidora de grande valor intelectual e poético. Iniciou seu trabalho profissional em 1965, com o compacto “Cavaleiro/Samba em Paz. Conheceu Gilberto Gil, Gal Costa e Tom Zé, participou dos festivais de música e compôs trilhas de filmes. Em 1967, saiu seu primeiro LP, Domingo, com Gal Costa, e, no ano seguinte, liderou o movimento chamado Tropicalismo, que renovou o cenário musical brasileiro. Em 1968, compôs o hino “É Proibido Proibir”. Em 1969, foi preso pelo regime militar e partiu para exílio político em Londres, onde lançou o disco Caetano Veloso (1971).  Transa (1972) representou seu retorno ao país . Na década de 1980,  produziu os discos Outras Palavras, Cores, Nomes, Uns e Velô. Na década de 1990, escreveu o livro Verdade Tropical (1997), e o disco Livro.  Em 2006, lançou o álbum Cê, fruto de sua experimentação com o rock e o underground. Unindo estes gêneros ao samba, Zii e Zie, de 2009, fechou a parceria com a Banda Cê.  Lançou em 2013 o disco Abraçaço.

Eucanaã Ferraz – Poeta, nasceu em  1961, Rio de Janeiro). É professor de literatura brasileira da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Autor de diversos livros de poesia, como Martelo (1997), Desassombro (2002), Rua do mundo (2004) e Cinemateca (2008), e do volume Vinicius de Moraes (2006), na coleção Folha Explica. Organizou os livros Poesia completa e prosa de Vinicius de Moraes (2004) e Nova antologia poética (2008), também de Vinicius, Letra só (2003) e O mundo não é chato (2005), de Caetano Veloso, além da antologia Veneno antimonotonia (2005). Ferraz edita, com André Vallias, a revista literária on line Errática

Mesa 3

20h30-Tema: “LITERATURA E REPORTAGEM”

Mauro Ventura – Jornalista, escritor, nasceu no Rio de Janeiro, em 1963. É repórter especial do Segundo Caderno de O Globo e assina a coluna Dois Cafés e a Conta, na Revista O Globo. Em 2008, recebeu o prêmio Esso e o prêmio Embratel pela reportagem “Tribunal do tráfico”. Publicou em 2011 o livro O Espetáculo mais triste da terra, sobre a tragédia ocorrida em 1961, quando um circo, em Niteroi, pegou fogo e matou mais de 500 pessoas.

Tom Cardoso – É jornalista, nasceu em 1972, no Rio de Janeiro. Atua como repórter desde 1994, quando ingressou no Jornal da Tarde, depois em O Estado de S. Paulo, Valor Econômico e IstoÉ Dinheiro. Foi colaborador da Folha de S. Paulo, no caderno cultural. É coautor, com Roberto Rockmann, de O marechal da Vitória (Girafa), biografia do empresário Paulo Machado de Carvalho, e autor de 75 kg de músculos e fúria (Planeta), perfil do jornalista Tarso de Castro e O Cofre do Dr Rui.

Rafael Duarte – Jornalista brasiliense radicado em Natal desde 1998. Formado pela UFRN, atuou nos principais veículos de comunicação de Natal, como Diário de Natal, Tribuna do Norte e Novo Jornal, onde exerce atualmente a função de chefe de reportagem. É autor da biografia O Homem da Feiticeira – a História de Carlos Alexandre. É coordenador do núcleo de Novas Mídias da Funcarte.

Mesa 4

21h30 – Tema: “O LIMITE ENTRE FICÇÃO E REALIDADE”

Zuenir Ventura – Escritor, jornalista nascido em 1931, em Além Paraíba, Minas Gerais. Formado em letras neolatinas, é professor universitário e jornalista há quarenta anos. Trabalhou nos principais veículos de comunicação do país, e atualmente é cronista da revista Época e do jornal O Globo. É autor de obras fundamentais do jornalismo literário brasileiro, como “1968 – O ano que não terminou…”, com o qual recebeu o prêmio Jabuti de livro-reportagem. Por Cidade partida (1994), um retrato das causas da violência no Rio, venceu o Prêmio Jabuti na mesma categoria. Em 2008, lançou “1968, o que fizemos de nós”, que retoma seu primeiro best-seller. Também escreveu o livro-reportagem Chico Mendes, crime e castigo (2003), entre outros títulos. A mistura de ficção e realidade e memórias também formam o conteúdo de “Sagrada Família” (Alfaguarra).

Cassiano Arruda – Jornalista potiguar. Diretor do Novo Jornal, foi mais de 30 anos professor do Curso de Comunicação Social da UFRN e também atuou na área de propaganda por mais de 30 anos. É titular da coluna Roda Viva há mais de 30 anos, publicada primeiro no Diário de Natal e depois no Novo Jornal. Foi também diretor da Tribuna do Norte nos anos 1960. Escreveu dois livros de memórias: Repórter na Roda Viva, sobre sua vida de redator, e Hotel de Trânsito, que contextualiza a Natal de 1969, o jornalismo da província no período da Ditadura e sua prisão no hotel de trânsito da Aeronáutica.

23h00 – Show de Encerramento “Abraçaço”

CAETANO VELOSO

 

Compartilhar } 0 Compartilhamentos

últimas notícias

+ Lidas

recomendamos

comentários

Ao comentar, o leitor concorda com nossas regras e política de privacidade. Veja aqui

O espaço de comentários do Portal no AR pode ser moderado. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. anônimas ou assinadas com e-mail falso;
8. fora do contexto do portal.

O Portal no AR:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;
3. não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros.
4. se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.