• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    26ºc

Política

CORTE

Governo defende decreto de indulto natalino no STF

Norma mantém tradição do perdão a condenados por crimes de baixo poder ofensivo

Por André Richter/Agência Brasil

9 de janeiro de 2018 | 14:18

A Advocacia-Geral da União (AGU) e a consultoria jurídica da Casa Civil da Presidência da República defenderam nesta terça-feira (9) no Supremo Tribunal Federal (STF) a revogação da liminar assinada pela presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, que suspendeu parte do decreto de indulto natalino de 2017. No entendimento dos órgãos, o objetivo da norma foi manter a tradição do perdão coletivo a condenados por crimes de baixo poder ofensivo, com base em critérios gerais e impessoais, sem privilegiar qualquer pessoa.

A manifestação é necessária para instruir o julgamento de mérito da liminar, proferida no 28 de dezembro, na qual Cármen Lúcia atendeu a um pedido de suspenção feito pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que questionou a legalidade do decreto presidencial.

Na manifestação, os órgãos afirmam que o decreto buscou cumprir a política humanitária adotada em todos os decretos que já foram editados historicamente pela Presidência, além de tentar reduzir a população carcerária. De acordo com o parecer, a norma não se preocupou em “alcançar qualquer investigação em curso”, como a Operação Lava Jato.

“Muito pelo contrário. Estabeleceu regras gerais, impessoais, com critérios mais rígidos para os condenados por crimes graves ou praticados em reincidência. E critérios mais suaves para os condenados por crimes sem grave ameaça ou violência a pessoa. Prestigiando, acima de tudo, a população carcerária feminina”, diz o documento.

Ao suspender o decreto, a presidente do Supremo entendeu que é inconstitucional por incorrer em desvio de finalidade. “Como o desvio de finalidade torna nulo o ato administrativo, compete ao Supremo Tribunal Federal, na forma pleiteada pelo Ministério Público Federal, fazer o controle de constitucionalidade do documento normativo, geral e abstrato como o que é objeto da presente ação”, decidiu a ministra.

Ainda não há data para o julgamento definitivo sobre a questão.

RECOMENDAMOS

EM BUSCA DE REFÚGIO

Mais 2 milhões de venezuelanos deixarão o país em 2019

SORTEIO

Copa do Brasil: Times do RN conhecem adversários

HOJE É DIA DO ASA

Carnatal: Noite tem Durval, Saulo, Léo Santana e Bell

EM NATAL

Agripino nega que tenha empregado funcionário fantasma

ALECRIM

Reforma da Praça Gentil Ferreira vai custar R$ 218 mil

DÍVIDAS

ABC: TRT-RN apresenta proposta para quitação de débitos

INVESTIGAÇÃO

PM baleado: PC prende homem que deu fuga a suspeitos

ENDIVIDADA

Juiz defere pedido de recuperação judicial da Avianca

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL