• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    26ºc

Economia

ENERGIA

Governo do RN pretende pedir impugnação do leilão de renováveis

Secretário de Desenvolvimento quer explicações da Aneel

Por Renato Lisboa

14 de novembro de 2017 | 16:15

O Governo do Rio Grande do Norte pode tentar impugnar o próximo leilão de energias renováveis (marcado para o dia 15 de dezembro), disse o secretário de Desenvolvimento Econômico, Flávio Azevedo. O RN é o único estado que ficará fora do leilão e Azevedo fala em “sabotagem” por não ver razões técnicas para a exclusão.

A agência reguladora do setor, a Aneel, alegou que a falta das linhas de transmissão de energia para o sistema nacional é a razão para o RN ficar de fora. Porém, responde Azevedo, o responsável pela construção das linhas é o o governo federal e o estado não deveria ser punido por uma falta que não é sua.

“Os investidores ficaram proibidos de eleger o RN como base de seus investimentos. Não vejo motivo para isso, nenhuma correção técnica. Tenho o direito de supor que existe uma sabotagem e pretendo impugnar esse edital para que essas instituições sentem na mesa e pelo menos expliquem se esses motivos são válidos ou não”, argumenta o secretário. A Aneel publicou a nota técnica com a proibição na sexta-feira (10).

O leilão anual de energia é para a entrega de um lote em quatro anos e o outro em seis. Mesmo o RN sendo o maior produtor de energia eólica do Brasil, essa é a terceira vez que ele fica de fora do leilão.

O nó do problema é a ausência de duas linhas de transmissão, sendo uma delas de responsabilidade da Chesf, mas Azevedo diz ter recebido um telefonema da empresa negando que a sua linha esteja atrasada, marcada para ser entregue no final de 2018.

“Se o leilão é para entregar energia em quatro e em seis anos e a linha fica pronta três anos antes, porque isso é considerado pela Aneel um impedimento?”, questiona o secretário.

Ele considera que o prejuízo causado pela medida da Aneel é enorme, pois desestimula que empresas venham para cá no futuro diante de tantas dificuldades regulatórias. Azevedo citou o exemplo da chinesa Chint, que decidiu instalar em Extremoz uma empresa de placas fotovoltaicas. “O que essas empresas podem pensar diante de medidas como essa?”, pergunta.

RECOMENDAMOS

ARTE

Festival de Teatro Amador começa dia 23 no CEI Romualdo

CNDL/SPC BRASIL

43% dos idosos são responsáveis pelo sustento da casa

MAIS MÉDICOS

Médicos cubanos lutam na Justiça por trabalho

ACIDENTE FATAL

Cidade Alta: Ciclista morre atropelado por motocicleta

AÇÃO POLICIAL

PM: Suspeitos de assalto a farmácia morrem em confronto

IRREGULAR

Comércio ilegal de cigarros supera mercado regular

DECLARAÇÃO

Receita paga hoje restituições do 6º lote do IR

CONSULTORIA

Facebook rompe com agência de relações públicas

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL