câmbio:

DÓLAR R$ 3.2226 EURO R$ 3.8194

Tempo, natal:

26°C

Economia

ENERGIA

14/11/2017

16:15

Governo do RN pretende pedir impugnação do leilão de renováveis

Secretário de Desenvolvimento quer explicações da Aneel

Por Renato Lisboa

Compartilhar } 4 Compartilhamentos

O Governo do Rio Grande do Norte pode tentar impugnar o próximo leilão de energias renováveis (marcado para o dia 15 de dezembro), disse o secretário de Desenvolvimento Econômico, Flávio Azevedo. O RN é o único estado que ficará fora do leilão e Azevedo fala em “sabotagem” por não ver razões técnicas para a exclusão.

A agência reguladora do setor, a Aneel, alegou que a falta das linhas de transmissão de energia para o sistema nacional é a razão para o RN ficar de fora. Porém, responde Azevedo, o responsável pela construção das linhas é o o governo federal e o estado não deveria ser punido por uma falta que não é sua.

“Os investidores ficaram proibidos de eleger o RN como base de seus investimentos. Não vejo motivo para isso, nenhuma correção técnica. Tenho o direito de supor que existe uma sabotagem e pretendo impugnar esse edital para que essas instituições sentem na mesa e pelo menos expliquem se esses motivos são válidos ou não”, argumenta o secretário. A Aneel publicou a nota técnica com a proibição na sexta-feira (10).

O leilão anual de energia é para a entrega de um lote em quatro anos e o outro em seis. Mesmo o RN sendo o maior produtor de energia eólica do Brasil, essa é a terceira vez que ele fica de fora do leilão.

O nó do problema é a ausência de duas linhas de transmissão, sendo uma delas de responsabilidade da Chesf, mas Azevedo diz ter recebido um telefonema da empresa negando que a sua linha esteja atrasada, marcada para ser entregue no final de 2018.

“Se o leilão é para entregar energia em quatro e em seis anos e a linha fica pronta três anos antes, porque isso é considerado pela Aneel um impedimento?”, questiona o secretário.

Ele considera que o prejuízo causado pela medida da Aneel é enorme, pois desestimula que empresas venham para cá no futuro diante de tantas dificuldades regulatórias. Azevedo citou o exemplo da chinesa Chint, que decidiu instalar em Extremoz uma empresa de placas fotovoltaicas. “O que essas empresas podem pensar diante de medidas como essa?”, pergunta.

Compartilhar } 4 Compartilhamentos

últimas notícias

+ Lidas

recomendamos

comentários

Ao comentar, o leitor concorda com nossas regras e política de privacidade. Veja aqui

O espaço de comentários do Portal no AR pode ser moderado. Não serão aceitas as seguintes mensagens:

1. que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
2. com conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
3. com conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
4. com linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
5. de cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
6. que caracterizem prática de spam;
7. anônimas ou assinadas com e-mail falso;
8. fora do contexto do portal.

O Portal no AR:

1. não se responsabiliza pelos comentários dos frequentadores do blog;
2. se reserva o direito de, a qualquer tempo e a seu exclusivo critério, retirar qualquer mensagem que possa ser interpretada contrária a estas Regras ou às normas legais em vigor;
3. não se responsabiliza por qualquer dano supostamente decorrente do uso deste serviço perante usuários ou quaisquer terceiros.
4. se reserva o direito de modificar as regras acima a qualquer momento, a seu exclusivo critério.