• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    28ºc

No país dos Odebrecht, Silva não tem vez

Por Antônio Melo - Jornalista

Os Silva, o cidadão comum, não têm vez. Para essa constatação, basta um olhadinha diária nos jornais. As notícias –as principais, pelo menos- não nos deixam fugir da realidade.

A famosa “Operação Lava Jato” que levou ao estrelato o juiz Sérgio Moro tem, sim, suas virtudes. Mas, compensa-se com exageros, arbitrariedades e penas que são verdadeiros prêmios a criminosos.

E por quê?

De todos os supostos bandidos presos nas espetaculosas operações, para mim o maior de todos foi e é Marcelo Odebrecht. Frio e calculista, o executivo parido numa família que transformou uma empresa regional e familiar -abençoada pela força, o compadrio e a cumplicidade dos anos de chumbo e seus ditadores- em uma multinacional poderosa. E isso, claro, nos dava até um certo orgulho.

A Odebrecht, até então apontada como sinônimo do capitalismo que premia os empreendedores era, na verdade, uma organização criminosa que comprava autoridades, funcionários públicos, políticos. Não só no Brasil, mas mundo à fora. E Marcelo, o laureado e bajulado empresário, era na verdade o comandante de todas as operações criminosas do grupo.

Foi o próprio capo quem definiu o seu papel à frente da rede de subornos que se espalhou por quase todos os continentes, lançando tentáculos até nos Estados Unidos. E onde ia Marcelo ia a corrupção e seu exército de corruptores. Nas concorrências de que participava, o valor, não representava o orçamento da obra. Mas sim, o da propina a ser paga.

Foi subornando dezenas de políticos no Brasil e no exterior que a empresa crescia. Em contrapartida, ganhou bilhões e bilhões de reais, de dólares e euros.

De temperamento difícil, mesmo na cadeia Marcelo brigou e rompeu com a mãe a quem era muito ligado, com a irmã Mônica, com o cunhado Maurício Ferro um dos diretores do grupo, com Adriano Maia então diretor jurídico da empresa. Com o pai, Emílio, já havia rompido antes mesmo de ser preso, em 2015.

Agora, o rei da corrupção vai ser solto. Não importa que tenha subornado meio mundo, quebrado ou levado a sérias dificuldades grandes empresas, comprado o congresso nacional para aprovar medidas provisórias e leis do seu interesse. Não importa. Marcelo não é Silva.

O capo será solto dia 19, dois anos e meio depois de ser preso. A esposa já mandou reformar a casa preparando o escritório de onde ele irá comandar, mesmo que seja informalmente, os seus negócios. Um jatinho particular, de propriedade da empresa que agasalhou a mais notória organização criminosa do Brasil, deverá ir busca-lo.

E nós, como ficamos?

Bem, ficamos assim: Marcelo Odebrecht, condenado pelo implacável Sergio Moro, vai pra casa de tornozeleira por outros dois anos e meio.

Romeia Pereira da Silva, da Vila Planalto, no Distrito Federal, velha conhecida da polícia, foi condenada a 34 anos por ter em sua loja nove toca-discos roubados, que ela não soube dizer como adquiriu. Está cumprindo a pena já a seis anos.

Kelly Gomes da Silva, manicure em Brazlândia, periferia de São Paulo, outra reincidente, roubou quatro pacotes de fraldas. Ela também é reincidente em filhos, cinco. Foi condenada a sete anos e meio de cadeia. Já cumpriu dois. E ninguém fala em redução de pena, prisão domiciliar, ou progressão de regime.

No país dos Odebrecht, depois da lava jato, todos são iguais perante a lei. Mas tem uns que são mais iguais que os outros iguais: os Odebrecht, não importa que sobrenome tenham, desde que não seja Silva, cidadão comum.

RECOMENDAMOS

VAI TER PRESENTE!

Brasileiros pretendem gastar 12% a mais em presentes

URGENTE

Justiça de Goiás determina prisão de João de Deus

GIRL POWER!

Miss Universo terá júri só de mulheres

SÃO 48 ATRAÇÕES

Fest Bossa & Jazz de Pipa já começou

EDUCAÇÃO FINANCEIRA

Especialista mostra como diminuir dívidas no fim de ano

CERIMÔNIA

Reforma do Centro de Convenções será entregue amanhã

XENOFOBIA

Miss americana critica rival do Camboja

EVENTO GRATUITO

Halleluya começa hoje com show de Rosa de Saron

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL