• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    28ºc

O Pré-Sal é quem paga a conta

Por Antônio Melo - Jornalista

 

A previsão é de que as commodities -ferro, petróleo, soja, açúcar, aço e celulose- responderão por 75% das exportações brasileiras. Quem anuncia é Nilson Teixeira, economista-chefe do Crédit Suisse, referendado por José Augusto de Castro, vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil. Para Castro os preços internacionais estão tão bons que “se melhorar estraga”.

A locomotiva das exportações, portanto, são ferro e petróleo, responsáveis por mais da metade do comboio.

Não faz muito tempo, o petróleo era o vilão da nossa economia. Por causa dele, o milagre brasileiro foi devorado nas chamas da inflação e da dívida externa que consumiam todas as reservas monetárias de um país em agonia no interior dos caldeirões da OPEP, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo.

 Com o novo milênio, veio o pré-sal, anunciado como salvação do Brasil e dos brasileiros. Em 2008, a crise. Os preços do petróleo despencaram no mundo a partir de julho de 2014, saindo de incríveis 108 para 29,78 dólares o barril em janeiro de 2016. No país pós-eleição, a esperança virou arma no combate ao governo que se desmilinguia entre escândalos, contradições e as manobras pouco ortodoxas com que se tentava derruba-lo.

Logo vieram os profetas do apocalipse bradar que nossas jazidas submarinas estavam inviabilizadas. O Brasil havia cometido grave erro investindo bilhões de dólares numa aventura que nunca daria certo.

O senador José Serra, em artigo na Folha de S. Paulo, diagnosticou que extraído ao custo entre 25 e 32 dólares o barril, o pré-sal não tinha salvação com o modelo de exploração adotado. Aproveitou para aprovar um projeto dando facilidades às empresas estrangeiras na exploração do pré-sal.

Em outro front, o presidente da Petróleo Pré-Sal S.A., Oswaldo Pedrosa, armou-se com custos de extração entre 40 e 45 dólares, prevendo para Celso Ming, colunista do Estadão, que não havia salvação. Os preços das commodities não se recuperariam tão cedo.

Aí o pré-sal virou arma de terrorista na guerra entre coxinhas e mortadelas. Os ataques, quase sempre baseados em fakenews, encontravam nas redes sociais o ambiente propício para mentiras, desinformação e desaforos.

Vasculhando-se arquivos dos principais jorn e revistas descobre-se que a situação não era a pregada pelos profetas. Já em 2014 sabia-se que o custo de extração do barril de petróleo, no pré-sal, confirmado pela atual diretora de exploração e produção da Petrobrás, Solange Guedes, despencara para 14 dólares. Menos da metade do preço do barril no mercado internacional, em seu pior momento.

Em maio deste ano, o presidente da Petrobras, Pedro Parente anunciou nova queda: 8 dólares. Dias depois, com o aumento da produção, a diretoria de exploração anunciava mais uma redução de custos: menos de 7 dólares por barril retirado no pré-sal.

O petróleo, que em 2013 deixara um rombo de 20 bilhões de reais na nossa balança comercial, agora é tábua de salvação. Estamos exportando hoje e todos os dias, 1,3 milhão de barris, conforme relatório da OPEP.

Tanto exportações devem aumentar quanto custos para extração devem cair com a entrada em operação da plataforma P66, na bacia de Santos, de uma outra no promissor campo de Libra, mais a P67, no campo de Lula e a Cidade de Goytacazes, no mesmo campo, em 2018. Vai ser muito, mas muito mais petróleo.

Com isto, é possível estimar-se que o preço de extração vai se aproximar do conseguido pela Arábia Saudita, o mais barato do mundo: 5 dólares por barril.

Não serão as tais reformas que farão o país avançar. Pelo menos, ainda. Por hora, quem está pagando as contas é o pré-sal, sobre o qual tanto se mentiu.

E para encerrar: a cotação do petróleo está fechando novembro acima dos 62 dólares, o barril.

RECOMENDAMOS

SÃO 48 ATRAÇÕES

Fest Bossa & Jazz de Pipa já começou

EDUCAÇÃO FINANCEIRA

Especialista mostra como diminuir dívidas no fim de ano

CERIMÔNIA

Reforma do Centro de Convenções será entregue amanhã

XENOFOBIA

Miss americana critica rival do Camboja

EVENTO GRATUITO

Halleluya começa hoje com show de Rosa de Saron

INVESTIGAÇÃO

'Milícia matou Marielle pela ocupação de terras'

ESTRELA INTERNACIONAL

Nanda Costa vai atuar com Milla Jovovich em 'Monster"

PREVISÃO DA CNI

Economia crescerá 2,7% e indústria terá expansão de 3%

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL