Geral

ALÍPIO FALA

Professor que brigou com aluna critica reitora e esquerdismo na UFRN

Alípio de Souza Filho vai fazer denúncia junto ao Ministério da Educação

Por Ayrton Freire

13 de março de 2018 | 17:18

O professor Alípio de Souza Filho vai denunciar ao Ministério da Educação a confusão ocorrida nesta terça-feira, 13, na UFRN. Alunos e docentes da instituição, conforme narrado por ele, tentaram impedi-lo de trabalhar. Na semana passada, uma discussão dele com a universitária Waleska Lopes, que estava em sala de aula com a filha de cinco anos, gerou polêmica.

Nesta terça, entre os que se manifestaram contra Alípio Filho estavam, de acordo com ele, diretores da universidade. “Como é concebido que diretores não façam nada para permitir que um professor dê aula? Mas é assim. Nem a reitora (Ângela Paiva) abre a boca para nos defender”, declarou ao PORTAL NO AR.

“O regimento da instituição garante ao professor o direito de dar aula sem ser perturbado. Eu já havia falado à aluna que a criança estava atrapalhando o andamento da aula, mas ela insistiu em levar a filha de cinco anos para ouvir discussão sobre temas que não condizem com a idade dela. Teve estudante que me parabenizou pela atitude”, falou sobre a discussão com Waleska Lopes, na qual pediu que ela “deixasse a filha em casa ou abandonasse a disciplina”.

Dois dias após o caso envolvendo Alípio Filho, o nome da UFRN se envolveu em outra polêmica. Ônibus da instituição levaram integrantes do MST a um protesto no qual as paredes do Porto de Natal foram pichadas. O professor lamentou que esse fato não tivesse havido a mesma repercussão daquele que o envolveu.

“Por que quem protesta contra mim calou a boca diante do caso de um ônibus usado pelo MST para pichar o porto? Porque são esquerdistas, estão em um momento de baixa, e querem queimar a imagem de quem não concorda com eles. É o meu caso. Nunca vou defender isso”, disse.

Em nota, a UFRN disse que “a disponibilização dos ônibus utilizados obedeceu aos trâmites institucionais, haja vista sua vinculação ao projeto de extensão Mulheres Conquistando Autonomia”.

Alípio Filho rebateu a nota dizendo que “esse projeto de extensão existe, justamente, para justificar a coisa”. O professor também se disse perseguido: “Eu represento um mal-estar pra um segmento que resolveu me queimar”.

RECOMENDAMOS

PREVIDÊNCIA

Reforma vai piorar vida dos mais pobres, diz Fátima

PESQUISA

Confiança do empresário está acima da média histórica

ANÁLISE CLIMÁTICA

Reunião define previsão do tempo para o Nordeste

OPERAÇÃO FLAK

PF deflagra ação para desmanchar organização criminosa

RESPONSABILIDADE

Clero: Papa pede medidas para erradicar crimes sexuais

INAPTOS

Receita Federal invalida CNPJ de 3,3 mi de empresas

REFORMA

Na TV, Bolsonaro diz que nova Previdência será justa

ANÁLISE

TCE inicia diagnóstico sobre obras paralisadas no RN

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL