• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    26ºc

Geral

ALÍPIO FALA

Professor que brigou com aluna critica reitora e esquerdismo na UFRN

Alípio de Souza Filho vai fazer denúncia junto ao Ministério da Educação

Por Ayrton Freire

13 de março de 2018 | 17:18

O professor Alípio de Souza Filho vai denunciar ao Ministério da Educação a confusão ocorrida nesta terça-feira, 13, na UFRN. Alunos e docentes da instituição, conforme narrado por ele, tentaram impedi-lo de trabalhar. Na semana passada, uma discussão dele com a universitária Waleska Lopes, que estava em sala de aula com a filha de cinco anos, gerou polêmica.

Nesta terça, entre os que se manifestaram contra Alípio Filho estavam, de acordo com ele, diretores da universidade. “Como é concebido que diretores não façam nada para permitir que um professor dê aula? Mas é assim. Nem a reitora (Ângela Paiva) abre a boca para nos defender”, declarou ao PORTAL NO AR.

“O regimento da instituição garante ao professor o direito de dar aula sem ser perturbado. Eu já havia falado à aluna que a criança estava atrapalhando o andamento da aula, mas ela insistiu em levar a filha de cinco anos para ouvir discussão sobre temas que não condizem com a idade dela. Teve estudante que me parabenizou pela atitude”, falou sobre a discussão com Waleska Lopes, na qual pediu que ela “deixasse a filha em casa ou abandonasse a disciplina”.

Dois dias após o caso envolvendo Alípio Filho, o nome da UFRN se envolveu em outra polêmica. Ônibus da instituição levaram integrantes do MST a um protesto no qual as paredes do Porto de Natal foram pichadas. O professor lamentou que esse fato não tivesse havido a mesma repercussão daquele que o envolveu.

“Por que quem protesta contra mim calou a boca diante do caso de um ônibus usado pelo MST para pichar o porto? Porque são esquerdistas, estão em um momento de baixa, e querem queimar a imagem de quem não concorda com eles. É o meu caso. Nunca vou defender isso”, disse.

Em nota, a UFRN disse que “a disponibilização dos ônibus utilizados obedeceu aos trâmites institucionais, haja vista sua vinculação ao projeto de extensão Mulheres Conquistando Autonomia”.

Alípio Filho rebateu a nota dizendo que “esse projeto de extensão existe, justamente, para justificar a coisa”. O professor também se disse perseguido: “Eu represento um mal-estar pra um segmento que resolveu me queimar”.

RECOMENDAMOS

GALERIA DA FUNCARTE

Abertura da exposição Leopoldo Nelson será nesta terça

DUPLA DINÂMICA

Jogos Escolares da Juventude junta esporte e educação

BATALHA CONTRA O CÂNCER

'Tenho pavor de morrer', desabafa Susana Vieira

ACIDENTE

Motociclistas morrem após colisão fontal em Parnamirim

SEGURANÇA

Suspeito de estupro é preso na Receita Federal em Natal

SENTENÇA

Justiça condena ex-vereador de Natal por improbidade

QUEDA

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez

MUDANÇAS

Roberto Castello Branco deve assumir à Petrobras

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL