• câmbio
    dólar R$
    euro R$
  • tempo, natal/rn
    24ºc

Cultura

Risco da repetição Woody Allen em ‘Homem Irracional’

Woody Allen volta e meia experimenta em seu cinema a tentação do assassinato. Homem Irracional retoma essa vertente da obra do autor. É um Woody Allen mais grave, e ambicioso, do que o de diversos filmes recentes, mas não necessariamente melhor, ou muito melhor. E aqui cabe uma pequena digressão. Mais do que qualquer outro diretor, ele tem mantido a regularidade de sua carreira – da trajetória, digamos assim. Um filme por ano, todos os anos. No documentário de Robert B. Weide, Allen esclarece. Recolhe ideias que coloca em gavetas. Na hora de escrever o roteiro, abre as gavetas, cruza as informações e assim compõe personagens e situações.

Emma Stone e Joaquin Phoenix em cena de Homem Irracional. Foto: Divulgação

Emma Stone e Joaquin Phoenix em cena de Homem Irracional. Foto: Divulgação

As gavetas são compartimentos da mente, e nem poderia ser diferente para um autor que se analisou, analisa, há tanto tempo. Allen tem a tendência a psicologizar, e mais que isso, a psicanalisar. E, para ele, a regularidade é importante. A rotina de escrever, filmar, montar. Alguns filmes saem bons (Blue Jasmine, Meia-noite em Paris), outros menos bons (Vicky Cristina Barcelona), alguns até ruins (Era Uma Vez em Roma, Magia ao Luar). O importante é manter a frequência.

Homem Irracional é o 46º filme de Woody Allen e o 11.º exibido em Cannes – 12º, se for considerado o episódio de Histórias de Nova York. Mas o filme não integrou a competição. “Quem vai garantir que O Poderoso Chefão é melhor que Os Bons Companheiros ou vice-versa?”, perguntou-se mais de uma vez nas entrevistas que deu na Croisette. E por que filma tanto? “Tem gente que filma por dinheiro, ou por necessidade de expressão. Eu filmo porque gosto, porque me divirto.” E sobre a sua fidelidade à película – “Vou ter de usar o digital, nem que seja para experimentar. O digital não é mais o futuro. É o presente do cinema, e eu estou ficando por fora.”

O novo filme dialoga com outros do próprio Woody Allen, especialmente com Crimes e Pecados. Para Woody Allen, talvez valha o que Paulo Francis dizia de François Truffaut. A felicidade íntima, a satisfação no casamento com Fanny Ardant, de alguma forma apaziguou o artista. Domou-o? Existem críticos que contestam, vendo grandes méritos em um filme que o próprio Truffaut, na fase de jornalista, consideraria mediano. A Mulher do Lado. Allen vive hoje o que parece uma existência calma e feliz, mas o gênio criador ficou lá atrás, na fase conturbada com Mia Farrow, quando fez seus melhores filmes, e Crimes e Pecados era um deles.

Existem elementos daquele filme, e de Hannah e Suas Irmãs, e de Manhattan, e Tudo Pode Dar Certo, em Homem Irracional. Joaquin Phoenix é quem faz o papel. É um professor de filosofia que chega ao câmpus de uma universidade precedido por sua fama. Uma aluna, Emma Stone, se envolve com ele. Uma colega, Parker Posey, o persegue. Ele disserta sobre sua especialidade. Kirkegaard (‘Sickness into death’, a doença da morte), Kant, Simone de Beauvoir. Discute a dificuldade de se adequar conceitos e ideais filosóficos ao mundo real. Analisa responsabilidade, moralidade, e livre-arbítrio. Dostoievski/Crime e Castigo, e Anne Frank, a cultura judaica e o nazismo. E, aí, quase por acaso, o professor ouve a história da mulher ameaçada de perder a guarda dos filhos por causa da inflexibilidade de um juiz. Resolve eliminá-lo. Planeja o crime perfeito.

O tema de Homem Irracional não é o crime perfeito, que já estava em Match Point, mas a tentação da irracionalidade. Allen é atraído por homens racionais (artistas, professores) que transigem com os próprios princípios e se confrontam com o terrível mundo real. O plano de Joaquin Phoenix dá novo sentido à sua vida. Termina por consumi-lo. Rememorando – o cineasta de Crimes e Pecados planeja friamente a morte da amante, que passa a exigir demais dele. Allen filma o isolamento (moral), num mundo em que as pessoas são estimuladas a abandonar projetos coletivos e focar somente em seus desejos e necessidades. A personagem de Parker Posey vai desaparecendo. Emma Stone, nova musa do diretor (substituindo Scarlett Johansson), decepciona-se com seu professor. “Havia algo de muito errado com ele, mas era fascinante.” A frase poderia ser usada à maneira de epitáfio. Tudo bem, mas para quem? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

RECOMENDAMOS

Festival Halleluya termina neste domingo em Natal

Natal poderá proibir fogos de artifício com barulho

Carnatal termina hoje com Ivete, Psirico e Ricardo Chaves

Bolsonaro diz que não debaterá pena de morte em seu governo

Mega-Sena acumula prêmio em R$ 48 milhões

Parque da Cidade terá espetáculo “A Esperança” neste domingo

Jácome vai assumir secretaria no Ministério da Mulher

Caixa dificulta transição com nova equipe

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO