Economia

Economista vê empresariado como malabarista pela alta carga tributária

Por turismonoar

25 de maio de 2014 | 16:30

Banner CNI - Tributação

A alta carga tributária cobrada pelas três esferas do Poder Executivo transforma os empresários brasileiros em verdadeiros malabaristas. Só assim, eles sobrevivem em meio às turbulências da economia brasileira. Pelo menos, é dessa forma que o economista da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Zivanilson Silva enxerga o empresariado do país que busca uma reforma tributária.

“O empresário é forçado a fazer um jogo de cintura, faz verdadeiros malabarismo para sobreviver no mercado, além de conseguir tirar o lucro, fazer o pagamento dos funcionários e uma série de outras obrigações”, declarou o professor da universidade. Ele afirmou que 37% do lucro de uma empresa são levados pela União, pelo Estado e pelo Município na forma de imposto. São mais de 108 dias de trabalho por ano pagando somente impostos.

(Foto: Wellington Rocha)

O economista sugere uma minirreforma que deslancharia a economia brasileira (Foto: Wellington Rocha)

A cobrança de altos impostos, segundo Zivanilson Silva, compromete a competitividade da empresa no âmbito nacional e internacional, além de limitar os investimentos na própria indústria e da força de trabalho. “Há uma insatisfação com a atual carga tributária tamanha. Os investimentos não acontecem porque o empresário tem um compromisso imediato invés de melhorar a empresa. Às vezes só compete a nível local, regional, podendo atingir outros mercados, como o internacional. O empresário clama por uma reforma urgente”, afirmou o professor federal.

O professor de economia analisou que o sistema tributário brasileiro tem um efeito “perverso” para o empresariado. Dessa forma, o Brasil não se torna um país atrativo para a produção industrial em um mercado globalizado.

“Criar um imposto é a solução mais simples, mas é necessário uma reflexão sobre as conseqüências de um imposto criado. Se o imposto é alto, as pessoas são levadas a sonegação. Se fossem empregados impostos mais justo, a arrecadação poderia ser bem maior”, avaliou Silva.

Além de prejudicar o empresariado do Brasil, os encargos tributários atrapalham o desenvolvimento da economia do país. Para o professor, uma redução dos impostos cobrados iria melhorar a economia brasileira, tornando-a globalizada.

Para o economista, uma mini-reforma, a curto prazo, poderia enxugar em dez a 12 os impostos cobrados, no qual alguns desses seriam únicos para específicos segmentos. “O ICMS, por exemplo, poderia ter um valor único para todos os estados brasileiros. Dessa forma, acabaria com a guerra fiscal que existe. Outra solução seria o Imposto sobre Valor Adicional (IVA), já adotado em alguns países europeus. A redução teria influências para todos os segmentos da economia”, sugeriu o professor de Economia.

Outra sugestão de Zivanilson é o fim dos impostos cascatas, cobrados por poderes diferentes e com similaridade de conteúdo, fazendo com que o empresário pague mais de uma vez por um imposto.

Mas qual o entrave para que essa reforma tributária se concretize? O professor responde que por ser um assunto polêmico e de interesse para o governo federal e alguns estados, o assunto não é colocado em voga, principalmente em ano de eleição.

Zivanilson complementa que a reforma tributária não sai porque o Governo sempre quer arrecadar mais. Em 2013, a arrecadação brasileira superou R$ 1 trilhão. “O governo arrecada muito, gasta muito e gasta mal. A conta não fecha. Só a arrecadação do ano passado de R$ 1,3 trilhões representaram 34,5% do PIB”, informou Zivanilson que acrescentou, “mas não vemos esse dinheiro revertido em bens e serviços para toda a população”.

A carga dos tributos é elevada para os mais diversos setores da economia, mas no segmento industrial é ainda mais sentida. Os preços dos produtos produzidos pela indústria de transformação retêm mais de 40% dos tributos.

Ranking

O último balanço do Bando Mundial feito em parceria com a consultoria PricewaterhouseCoopers trouxe dados alarmantes da economia brasileira. O país tem um dos sistema tributários mais complexos do mundo o que termina aumentando o chamado “Custo Brasil” e, por consequência, afastando novos investimentos. No trabalho intitulado “Paying Taxes 2008”, o Brasil ocupa a 137ª posição no ranking de complexidade do sistema tributário entre 170 países. No que se refere à carga tributária, o Brasil aparece no 158º lugar com 69,2% do lucro líquido consumido por impostos.

Infográfico Malabarismo

 

RECOMENDAMOS

DÉBITO

Dívidas com a União passam de R$ 2 trilhões

ECONOMIA

Projetos da Coteminas devem gerar 2,5 mil empregos

REFORMADO

Sesc Rio Branco reabre com modernidade para o público

PREVIDÊNCIA

Walter Alves promete apoio aos policiais na reforma

ALERTA

Casos de aids aumentam 141% em Natal

INQUÉRITO CONCLUÍDO

Zaira Cruz foi estuprada antes de ser assassinada

JUSTIÇA DO TRABALHO

TRT suspende decisão que ia contra reforma trabalhista

CATÁLOGO EDUC

Professor cria site para venda de conteúdo educacional

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL