Esportes

RESISTÊNCIA

Abandonado durante décadas, futebol feminino ressurge em grandes clubes após imposição da CBF

Santos mantém uma equipe feminina há mais de 20 anos

Por Mariana Fraga/Agência do Rádio

6 de março de 2019 | 10:09

Foto: Arquivo/Portal No Ar

A partir deste ano, todos os 20 clubes da série A masculina do Brasileirão vão ter que manter elencos femininos, tanto na categoria de base, como no profissional. A exigência foi estipulada pelo Regulamento de Licenças de clubes da Conmebol (Confederação Sul-americana de Futebol). O documento exige a existência da modalidade feminina em todos os clubes que participam do Campeonato Sul-Americano e da Copa Libertadores em 2019. Como 14 clubes brasileiros se enquadram nesse quesito, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) decidiu expandir a exigência para todas as 20 equipes da série A.

De acordo com o manual da CBF, para atender essa demanda, os clubes poderão manter uma equipe própria, estabelecer um acordo de parceria, firmar uma associação com outro clube ou a outras entidades privadas, governos estaduais ou municipais.

Na vanguarda dessa exigência, o Santos mantém uma equipe feminina há mais de 20 anos. As “Sereias da Vila”, como são conhecidas têm no histórico uma bela sala de troféus. A equipe foi duas vezes campeã da Copa Libertadores, bicampeã da Copa do Brasil e Campeã Brasileira em 2017.

De acordo Alessandro Rodrigues, gerente executivo de futebol feminino do Santos, o investimento na categoria gira em torno de R$ 2,5 milhões por ano, variando de acordo com as competições disputadas.

“A minha defesa e a minha aposta é que o futebol feminino é perfeitamente viável, a partir de uma ideia de patrocínio, a partir de uma ideia de algum tipo de transmissão que envolva remuneração. Através do futebol feminino, talvez, consigamos nos comunicar com o público feminino e isso é cada vez mais importante. E o que eu acho mais fundamental: você sinaliza para centenas de meninas que é possível jogar futebol, que elas podem gostar de futebol e que elas podem jogar futebol”, comenta o gerente.

Criada em 1997, a equipe santista foi mantida pelo clube até o ano de 2011. Os trabalhos foram retomados em 2015. Entre os tradicionais clubes brasileiros, só o Internacional se assemelha ao alvinegro praiano. Os gaúchos fundaram uma equipe feminina em 1984. Ao longo do percurso, no entanto, o time foi descontinuado e retomado algumas vezes. O departamento ressurgiu em definitivo em 2017. As atletas desfrutam da mesma estrutura do profissional masculino com academia, centro médico e moradia.

Em Santa Catarina, a Chapecoense é outro bom exemplo. O feminino é financiado pelo clube desde 2016, fruto de uma parceria com a Associação Desportiva Lourdes Lago, um projeto de uma escola pública de Chapecó. No mesmo ano da fundação, as atletas da chape já disputaram a Copa do Brasil. No entanto, no início de 2017, em razão do acidente aéreo com a equipe masculina, a Chape abriu mão de participar dos campeonatos oficiais com a modalidade feminina. O investimento, porém, não foi interrompido. Em 2018, a Chapecoense retomou as atividades, disputando o Campeonato Catarinense, onde conseguiu a vaga para a Série A2 do Campeonato Brasileiro.

O coordenador técnico do futebol feminino, Amauri Giordan conta que neste ano o investimento da Chape na modalidade gira em torno de R$ 1 milhão, sem contar os valores que já são desembolsados com a manutenção da estrutura de treinamento.

“Temos a categoria sub-15, sub-17 e o adulto hoje no clube. A gente iniciou os trabalhos agora no início de fevereiro com o intuito de bem representar a Chapecoense nas competições. As duas competições principais do ano é o Campeonato Brasileiro sub-18, que está sendo organizado pela CBF. É a primeira vez de uma competição de base. E o Campeonato Brasileiro A2, que começa agora no final do mês de março”, conta Amauri.

Outra equipe que já tem time feminino formado é o Goiás. O diretor de futebol feminino do clube, Zuza Falcão, explica, no entanto, que a apresentação das atletas ainda não foi formalizada publicamente, uma vez que o calendário do esmeraldino só terá início em agosto, já que a equipe não conseguiu vaga para a série B do Campeonato Brasileiro e vai disputar apenas o campeonato estadual.

“Nós dividimos o projeto em um plano de dois anos. Porque o Goiás tem que ser referência em qualquer competição que ele disputar, mas nós também temos muitas expectativas. Eu acho que é de extrema importância que se consolide e se fixe na cabeça da sociedade goiana que existe um time profissional de futebol feminino no Goiás Esporte Clube. Isso é uma maneira de deixar as meninas, as mais novinhas principalmente, que estão em categoria de base, em sonhar em ser jogadoras de futebol”, explica.

Para analisar a situação do futebol feminino nos clubes da série A masculina, a reportagem entrou em contato com a assessoria das 20 equipes que disputarão a competição em 2019. Além de Santos, Inter, Chape e Goiás, as assessorias de outros seis clubes informaram que a implementação de equipes femininas já foi iniciada. São ele, Atlético-MG, Ceará, Corinthians, Flamengo, Grêmio, São Paulo e Cruzeiro. As outras nove equipes da primeira divisão nacional não responderam nossos contatos.

Mesmo com a obrigação estipulada por regulamento, a CBF, procurada pela reportagem, não informou existência de um prazo limite para que os clubes cumpram as novas regras sem que haja o estabelecimento de punição.

RECOMENDAMOS

ABSURDO

Assassino de Renata tem histórico de agressões

CONFESSOU

Assassino de Renata planejou crime em poucas horas

COMPETIÇÃO

Etapa regional do Torneio Sesi de Robótica será sexta

VÍTIMA FATAL

Confirmada morte em tiroteio próximo ao Natal Shopping

CANDIDATO

Bolsonaro diz que em 2022 estará na campanha eleitoral

PATRIMÔNIO PÚBLICO

[VÍDEO] Estação de transferência é alvo de vandalismo

DINHEIRO AINDA NÃO FOI PAGO

Fecomércio mostra preocupação com 13° dos servidores

PODER DA JUVNTUDE

Greta Thunberg é eleita a Personalidade do Ano

comentários