Esportes

FEITO HISTÓRICO

Após 14 anos, Brasileirão volta a ter mulher como árbitra em jogo da Série A

Edina Alves vai apitar o jogo entre CSA-AL e Goiás, na segunda-feira (27)

Por Estadão Conteúdo

21 de maio de 2019 | 17:31

Foto: Kin Saito/CBF

O Campeonato Brasileiro terá uma novidade na próxima segunda-feira (27). Depois de 14 anos, uma árbitra voltará a comandar uma partida da Série A da competição. Quem terá essa honra será a paranaense Edina Alves, que vai trabalhar no jogo entre CSA e Goiás, em Maceió, e encerrar o jejum que já dura desde 2005, ano da última participação feminina no apito.

Naquele ano, a paulista Silvia Regina de Oliveira apitou o confronto entre Fortaleza e Paysandu, pelo segundo turno. Curiosamente, ela também vai trabalhar no jogo entre CSA e Goiás e terá como função supervisionar o funcionamento do sistema de árbitro de vídeo (VAR). Na opinião do presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba, a escalação de Edina na rodada representa um feito histórico para o futebol brasileiro.

“Eu só consigo ver meus árbitros como pessoas iguais. Acho que ela serve como exemplo não só para mulheres, mas para todos”, disse o dirigente. Gaciba contou que Edina atuava como assistente, porém decidiu recomeçar a carreira como árbitra, voltou a apitar nas categorias de base e cresceu até conseguir atingir o nível de apitar uma partida da Série A.

Edina vai viajar nas próximas semanas para a França, onde vai trabalhar como árbitra no Mundial Feminino. A paranaense terá como auxiliares Neuza Back e Tatiane Camargo, que não vai poder participar da partida em Maceió por estar lesionada. Emerson Augusto de Carvalho, que trabalhou na Copa do Mundo da Rússia, será o substituto dela.

“O time brasileiro que vai para o Mundial chega como um dos mais fortes do mundo. E eu tenho certeza que essa escala na Série A vai dar muito mais força mental para elas para chegarem ao Mundial e fazer um excelente trabalho”, comentou Gaciba.

O projeto de dar mais espaço para mulheres apitarem na Série A teve início anos atrás, ainda na gestão do ex-presidente José Maria Marín. Ao lado da integrante da Escola Nacional de Arbitragem de Futebol e ex-árbitra Ana Paula Oliveira, o dirigente tinha a vontade de aumentar a presença feminina no comando das partidas do Brasileirão.

RECOMENDAMOS

POLÊMICA

Filho de Bolsonaro publica vídeo de criança com rifle

SERVIÇO

Corpus Christi: bancos fecham hoje, mas reabrem amanhã

PROGRAMAÇÃO

Veja hora das missas de Corpus Christi na Arquidiocese

TRÂNSITO

Carro pega fogo após colisão na Rua São José

TV NO AR

Veja propostas de Onivaldo Mendonça para o Quinto

SEMIABERTO

Ex-governador Fernando Freire deixa a prisão

CONDENADO

Pedreiro que matou menina Iasmin pega 31 anos de prisão

PROTEÇÃO

Preocupação com segurança de dados é a maior em 10 anos

comentários