Política

INVESTIGAÇÃO

Assessores de Carlos Bolsonaro voltam a depor sobre morte de Marielle

Eles já foram ouvidos há mais de um ano

Por Roberta Jansen e Caio Sartori

21 de novembro de 2019 | 10:32

Carlos Bolsonaro. Reprodução

A Polícia Civil do Rio de Janeiro voltou a convocar para depor, depois de mais de um ano, pessoas ligadas à vereadora Marielle Franco e ao vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro. Os investigadores tentam entender melhor como era a relação entre os dois parlamentares, que eram vizinhos de gabinete na Câmara do Rio e teriam se envolvido em uma discussão no corredor do prédio.

Em 29 de outubro, no dia em que o Jornal Nacional, da TV Globo, revelou o depoimento do porteiro do condomínio Vivendas da Barra, a viúva da vereadora, Monica Benicio, voltou a ser ouvida pela polícia. Segundo pessoas que acompanharam o depoimento, houve insistência em perguntas sobre Carlos.

Um ex-assessor da vereadora, que afirma ter discutido com o filho do presidente, também foi convocado novamente para falar sobre o episódio. Carlos teria tentado agredir um assessor de Marielle, e ela teria ameaçado chamar a segurança da Câmara para intervir. Carlos nega que tenha havido tentativa de agressão, diz que nunca brigou com Marielle e que o episódio com o assessor tratou-se de uma “discussão sem desdobramentos” .

A briga foi abordada em depoimentos de ex-funcionários de Marielle no início das investigações, quando o próprio Carlos foi ouvido pela polícia na condição de testemunha, mas havia sido deixada de lado ao longo de 2019. Carlos não é investigado neste caso nem foi chamado a prestar novo depoimento.

Em nota enviada à reportagem, o gabinete de Carlos disse que não tem nada a declarar sobre as apurações da Polícia Civil. “Ressalto que nunca houve brigas entre os parlamentares, não sei de onde você tirou esta informação. Ela não procede. O relacionamento entre o vereador Carlos Bolsonaro e a ex-vereadora Mariele Franco, sempre foi cordial e amigável.”

Quanto ao episódio envolvendo o assessor, a equipe do vereador alegou que “a vereadora estava em seu gabinete e prontamente interviu com a cordialidade que lhe era peculiar.”

Até o momento, as investigações apontam para o envolvimento dos ex-PMs Élcio de Queiroz e Ronnie Lessa, presos desde março. A Procuradoria-Geral da República apontou o ex-deputado e conselheiro licenciado do Tribunal de Contas do Estado, Domingos Brazão, como provável mandante. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

RECOMENDAMOS

PROMESSA DE CAMPANHA

Bolsonaro encaminha novo PL sobre porte de armas

EM BUSCA DE ACORDO

Paralisação de servidores afeta serviços do Itep-RN

FISCALIZAÇÃO NAS ESTRADAS

Justiça determina que PRF volte a usar radares móveis

DECISÃO DA JUSTIÇA

Estado é obrigado a examinar criança com obesidade

FIQUE ATENTO

Governo altera funcionamento do Centro Administrativo

SURFISTA POTIGUAR

Ítalo Ferreira vai representar o Brasil nas Olimpíadas

ADIANTAMENTO

Prefeitura de Macaíba antecipa 13º salário

ENSINO SUPERIOR

Inep: 13% das instituições tiveram baixo desempenho

comentários