Esportes

ORGULHO

Atleta potiguar conquista vaga no Mundial de Halterofilismo Paralímpico

Júnior França, atleta da Sadef, representará o Brasil no Cazaquistão

Por Redação

10 de maio de 2019 | 10:47

Foto: CPB

Quando o Comitê Paralímpico Brasileiro divulgou a lista de convocados para o Mundial de Para-halterofilismo, o que era expectativa se confirmou. Entre os 11 atletas, um potiguar: Júnior França, atleta da Sadef (Sociedade Amigos do Deficiente Físico do RN). “Estava muito esperançoso, porque venho de bons resultados. Atualmente sou o número 1 e recordista do Brasil e das Américas, 5° no ranking que define as vagas para a Paralimpíada de Tóquio, e 8° no Mundial”, diz, orgulhoso, o atleta.

O Mundial no Cazaquistão, em julho, vai ser o segundo da curta carreira, que começou há quatro anos. “Posso afirmar que é difícil encontrar atletas que em tão pouco tempo já tenham todo esse destaque”, se surpreende o técnico da Sadef, Carlos Williams, que acompanha Júnior desde o início, e que também foi convocado para o Mundial, pela quarta vez.

Júnior é da categoria 49kg, e levanta quase três vezes o próprio peso. A meta no Mundial é ultrapassar a marca atual, de 144kg, e consequentemente, ficar mais perto de Tóquio. “Já participei de outros Mundiais o suficiente para aprender que nunca estamos totalmente preparados. Precisamos fazer mais do que já fizemos até aqui”, diz o técnico. “Até julho, vamos aperfeiçoar técnicas, força, para melhor representar não só a Seleção, mas nosso estado, cidade e clube, a Sadef”, completa Júnior.

O presidente da Associação, Tércio Tinoco, reforça a potência do paradesporto potiguar. “Além de atletas, a Sadef está sempre ‘emprestando’ à seleção o talento e trabalho de profissionais, já que além de Júnior, também teremos um técnico e um médico da Associação – Dr. Rodrigo Braga, na delegação brasileira. Resultado de um trabalho incansável da Sadef nas duas últimas décadas”, comemora o presidente.

Júnior tem artrogripose, uma malformação congênita que lhe tirou os movimentos dos membros inferiores. No primeiro Mundial, ele ficou em 9°, entre 18 atletas. Agora, apesar de não ser o foco principal, subir ao pódio faz parte dos planos. “Temos consciência do grau de dificuldade do Mundial, mas é muito gratificante estar lá, e ainda mais acompanhado pelo meu técnico. Carlos Williams é um dos melhores do Brasil, e está sempre me desafiando. Vamos em frente, missão dada é missão cumprida”, promete Júnior.

RECOMENDAMOS

Tragédia

Vítima de acidente fatal era rainha de carnaval

TRAGÉDIA

Mulher morre em acidente no 'Prolongamento da Prudente'

EDUCAÇÃO

UERN abre processo seletivo para contratar professores

FUTEBOL

América empata e segue invicto na Série D

VIOLÊNCIA

Após briga de faca entre alunas, escola convoca reunião

GRANDE NATAL

Prefeito sanciona Lei do Plano de Cargos da Saúde

VIOLÊNCIA

Jovem é encontrado morto com mãos e pés amarrados

ALUNO POR UM DIA

Dorgival realiza sonho, e aula na UFRN termina em forró

comentários