Cotidiano

HISTÓRIA DE VIDA

Bikeboy sai para fazer entregas com filho em bolsa canguru e comove natalenses

Isaque não tinha com quem deixar bebê e precisava de dinheiro para comprar comida

Por Ayrton Freire

20 de setembro de 2019 | 10:35

Foto: Reprodução

Era noite de quarta-feira. Camila, de 18 anos, tinha ido à escola. O marido Isaque, de 20, ficou em casa com o filho do casal, o pequeno Victor, de um ano e um mês. O jovem pai trabalha como bikeboy, faz entregas em uma bicicleta. Para ir trabalhar, ele deixa o filho com a sogra, que naquele dia precisou sair.

“Não tinha nada lá em casa. O aluguel atrasado… Não tive opção. Levei meu filho para ‘trabalhar’ comigo”, relembra. E, pedalando com o bebê em uma bolsa canguru, o homem saiu do bairro Pajuçara. Pedalou até o Norte Shopping, onde costuma esperar por algum chamado da quase dezena de aplicativos nos quais se cadastrou. “A noite foi fraca”, mas pode ter sido o começo de uma mudança de vida.

O dançarino Romarinho, da Banda Pretta, grupo de sucesso entre jovens de Natal, se deparou com a cena. “Ele (Romarinho) me deu dinheiro e, antes de ir embora, pediu meu telefone e perguntou se podia gravar um vídeo comigo”. Isaque disse sim. A gravação postada no Instagram do artista foi compartilhada por várias pessoas e páginas. Muita gente se emocionou. “Quando você quer vencer na vida, não tem ninguém nem nada pra te impedir”, comentou uma internauta na postagem.

https://www.instagram.com/p/B2mb5-NnkzD/

Destemido

Isaque Nascimento Silva estava sem nenhuma fonte de renda e vendo a situação da família se complicar. Faltava comida. O gás de cozinha também. Dinheiro para comprar as fraldas do pequeno ‘Vitinho’ não existia. Tudo que ele tinha era uma bicicleta. Pensou na possibilidade de se cadastrar nos aplicativos de entrega, mas o celular estava quebrado. Foi preciso coragem para tomar uma decisão.

“Meu pai mandou dinheiro do meu aluguel, que é R$ 100. O conserto do celular era R$ 60. Decidi ajeitar o aparelho, me cadastrar nos aplicativos e torcer para conseguir dinheiro com as entregas. Paguei só R$ 40 ao dono da casa. Falta o resto. O serviço não é muito lucrativo. Já cheguei a passar três dias sem fazer uma entrega”.

Isaque, Camila e o pequeno Vitinho | Foto: Cedida

Ajuda

Depois da repercussão do vídeo, a ajuda começou a chegar à casa de Isaque. “Teve gente que veio aqui com comida, mantimentos”, conta. Mas aquilo que o jovem pai mais espera ainda não veio: uma oportunidade.

“Eu preciso muito de um emprego”.

Sobre sonhos, “sonho com uma casa pra deixar de pagar o aluguel, que é o que quebra. Mesmo que seja R$ 100 é muito pra mim”, relata.

Para falar com Isaque: (84) 98709-5355

RECOMENDAMOS

MELHOR CROSSOVER

Maisa vai ao Mais Você na Globo e bomba na web

PROJETO SOCIAL

Senac recebe jovens para capacitação em gastronomia

NOVO CAPÍTULO

Desembargador 'suspende' falência da Multdia

SAÚDE

IBGE: 28,5% dos adultos do RN não tem 13 ou mais dentes

'SUÍÇA PERNAMBUCANA'

Sesc RN abre inscrições para passeio a Garanhuns

TUDO NORMAL

Policiais civis suspendem movimento de paralisação

TRAGÉDIA

Avião que caiu em BH deixa três mortos e três feridos

FOGO

Incêndio atinge loja da Ricardo Eletro em Parnamirim

comentários