Política

PREVIDÊNCIA

Brasil não pode fazer reforma ‘meia-boca’, afirma Bolsonaro

Presidente disse esperar que proposta não seja desidratada

Por João Paulo Machado/Agência do Rádio Mais

26 de abril de 2019 | 09:39

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Com a criação da Comissão Especial na Câmara dos Deputados, a tramitação da Reforma da Previdência enfim entra na fase de análise do conteúdo da proposta.

Por isso, as articulações do governo para manter o máximo possível do texto sem alterações já começaram. O presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, disse nessa quinta-feira (25) que espera a aprovação da proposta com o mínimo de alteração possível.

“A Câmara é soberana para fazer as alterações que melhor atendam às necessidades de todos. Agora, a economia é importante e a gente espera que ela (reforma) passe da forma mais próxima daquela que nós encaminhamos para lá”, disse.

Se for aprovada na íntegra, a reforma da Previdência gerará, em 10 anos, uma economia de R$ 1,236 trilhão, segundo dados do ministério da Economia. Ainda quando tramitava na CCJ, no entanto, o governo decidiu abrir mão de quatro pontos da reforma para, assim, diminuir a resistência de alguns parlamentares.

Além de abdicar das mudanças previstas para a aposentadoria compulsória, o governo também desistiu de acabar com a multa de 40% do FGTS nas demissões sem justa causa para aposentados que continuam empregados.

O Executivo também voltou atrás sobre a criação de um dispositivo que monopolizava na Justiça do Distrito Federal o julgamento de ações do INSS. Também foi retirado do texto a exclusividade do Executivo de propor novas mudanças nas regras previdenciárias.

“A gente espera que em havendo qualquer desidratação, não seja em um número que comprometa a reforma. A Argentina fez uma reforma – no linguajar popular ‘meia-boca’ – o Macri está tendo problema agora. E os problemas se avolumam”, ressaltou Bolsonaro.

Se aprovada na Comissão Especial, a reforma da Previdência será analisada pelo Plenário da Câmara, em dois turnos de votação, e exigirá pelo menos 308 dos 513 votos. Caso isso aconteça, o texto seguirá para análise dos senadores.

RECOMENDAMOS

CRÍTICAS

Bolsonaro volta a defender fim dos radares

FIERN

Atividade da construção potiguar segue em dificuldades

LEVANTAMENTO DA FOLIA

Fecomércio divulga resultados do Carnaval em Parnamirim

SONDAGEM FIERN

Atividade industrial potiguar cai pelo 5° mês seguido

Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil

Morre menina queimada em vazamento de duto

SERIDÓ SEGURO

RN: Polícia prende 5 envolvidos com tráfico e mortes

COMENTÁRIOS NEGATIVOS

Paula Fernandes rebate críticas de Juntos e Shallow Now

ESPETÁCULO

Mossoró inicia montagem do cenário do "Chuva de Balas"

comentários