Geral

CONTINGENCIAMENTO

Corte de verbas na Educação inviabiliza construção do Hospital da Mulher

UFRN está construindo hospital na zona Norte de Natal

Por Redação

21 de maio de 2019 | 14:10

Projeto do Hospital da Mulher. Foto: Ebserh/Divulgação

O corte de verbas do Governo Federal para os institutos federais e universidades deverá comprometer a construção do Hospital da Mulher que a UFRN está erguendo na zona Norte de Natal. Esta e outras consequências do que o Governo está chamando de contingenciamento foram apresentadas em audiência pública, realizada nessa segunda-feira (20) na Câmara Municipal de Natal, por iniciativa do vereador Raniere Barbosa (Avante).

A Câmara Municipal, inclusive, intermediou junto à Prefeitura a cessão de 16,4 mil metros quadrados de área, terreno que fica vizinho ao Hospital Santa Catarina. A sessão do terreno foi feita pela Prefeitura de Natal no mês passado. O hospital terá uma importância fundamental na assistência médica e hospitalar das mulheres de Natal, região metropolitana e municípios circunvizinhos. O valor educacional do equipamento também é enorme, já que servirá para pesquisa, extensão e ensino servindo aos cursos da área de saúde da UFRN. A Universidade Federal possui um orçamento inicial de R$ 10 milhões para iniciar as obras com os investimentos, podendo chegar até a R$ 120 milhões.

Contudo, no fim de abril, o governo federal anunciou o congelamento de R$ 1,7 os gastos das universidades e institutos federais de ensino, de um total de R$ 49,6 bi. O corte, segundo o Ministério da Educação (MEC), foi aplicado sobre gastos não obrigatórios, como água, luz, terceirizados, obras, equipamentos e realização de pesquisas. O bloqueio pode ser revertido caso a previsão de receita melhore. A Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) diz que é o maior contingenciamento desde 2014.

“Se esse corte for mesmo efetivado ou não haja reversão do valor que foi bloqueado, a universidade será naturalmente afetada, uma vez que 33% do orçamento de custeio está comprometido, o que nos impede de encerrar 2019 sem nenhum dano ao ano seguinte. Isso vai obrigar a UFRN a tomar decisões sobre custeio para pesquisas e extensão, que contribuem para a transformação social e econômica do nosso estado. Para completar, os cortes inviabilizam a construção do Hospital da Mulher, impedem a manutenção dos contratos com os funcionários terceirizados e dificultam a realização de novos concursos públicos, pois não teremos receita suficiente”, explicou  a pró-reitora adjunta de Administração da UFRN, Maria do Carmo Araújo de Medeiros.

Segundo ela, podem ser prejudicados 250 projetos de apoio a grupos de pesquisas, 50 de apoio a novos pesquisadores, 263 projetos de monitoria, 51 iniciativas de melhoria na qualidade de ensino, 239 programas de extensão, entre outros.

O vereador Raniere Barbosa disse que um dos encaminhamentos da audiência é fortalecer a união das bancadas municipal, estadual e federal para a mobilização em prol da manutenção dos recursos da Educação. “Trata-se de uma situação preocupante, haja vista que diante dos cortes orçamentários a UFRN poderá ficar sem recursos para pagar a energia elétrica e manter seus servidores terceirizados, o que pode acarretar na demissão de 1,5 mil trabalhadores. Outro prejuízo é a paralisação do processo de construção do Hospital da Mulher na zona Norte de Natal, obra que seria tocada pela Universidade Federal. A Câmara Municipal, inclusive, intermediou junto à Prefeitura a cessão de 16,4 mil metros quadrados de área, terreno que fica vizinho ao Hospital Santa Catarina”, lembrou o parlamentar.

RECOMENDAMOS

POLÊMICA

Filho de Bolsonaro publica vídeo de criança com rifle

SERVIÇO

Corpus Christi: bancos fecham hoje, mas reabrem amanhã

PROGRAMAÇÃO

Veja hora das missas de Corpus Christi na Arquidiocese

TRÂNSITO

Carro pega fogo após colisão na Rua São José

TV NO AR

Veja propostas de Onivaldo Mendonça para o Quinto

SEMIABERTO

Ex-governador Fernando Freire deixa a prisão

CONDENADO

Pedreiro que matou menina Iasmin pega 31 anos de prisão

PROTEÇÃO

Preocupação com segurança de dados é a maior em 10 anos

comentários