Economia

ALTA

Custos da indústria brasileira sobem 8,8%, informa CNI

Alta foi a maior registrada desde o início da série em 2006

Por Redação

15 de março de 2019 | 11:57

Pressionados pelos aumentos da energia e dos preços dos bens intermediários, os custos da indústria brasileira subiram 8,8% em 2018 frente a 2017. Foi a maior alta registrada desde o início da série em 2006, informa o Indicador de Custos Industriais, divulgado nesta sexta-feira (15), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Enquanto os custos subiram 8,8%, os preços dos produtos industrializados aumentaram 8,4%, conforme o Índice de Preços de Manufaturados Domésticos (IPA-Indústria de Transformação), medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Isso mostra que a indústria reduziu sua margem de lucro pois enfrentou dificuldades para repassar o aumento de custos aos consumidores.

O Indicador de Custos Industriais é formado pelos índices de custo tributário, de custo com capital de giro e com custo de produção. O único componente do indicador que caiu no ano passado foi o custo com capital de giro, que recuou 15,5% em relação a 2017. O índice de custo tributário subiu 3,6% e o de produção aumentou 10,9% em 2018 na comparação com 2017.

O índice de custo de produção é composto pelos índices de custos com pessoal, energia e bens intermediários (insumos e matérias-primas utilizados na fabricação de um produto). O campeão dos aumentos no ano passado foi o custo com energia, que subiu 18,2% em relação a 2017. “Foi o segundo maior aumento da série iniciada em 2006, atrás apenas do aumento de 41,3% verificado em 2015”, diz o estudo da CNI. A energia elétrica subiu 12,8% e o óleo combustível aumentou 41,3% no período.

Os custos de produção também foram impulsionados pela alta de 13,4% nos custos com bens intermediários. O custo com intermediários domésticos subiu 11,9%, o maior da série histórica, que começou em 2006. Na avaliação da CNI, além da elevação dos custos com energia, a greve dos caminhoneiros, a tabela de preço mínimo dos fretes rodoviários e a alta de 22,3% nos insumos e matérias-primas importados também contribuíram para o aumento dos bens intermediários. O aumento dos custos com bens intermediários importados é resultado da desvalorização do real frente ao dólar ao longo de 2018.

CÂMBIO E COMPETITIVIDADE – Entretanto, a desvalorização do real ajudou a melhorar a competitividade dos produtos brasileiros. Isso porque, enquanto os custos da indústria nacional cresceram 8,8%, o preço dos manufaturados importados aumentou 22,5% em reais na comparação com a média de 2017. A indústria brasileira também ganhou competividade no mercado externo, pois os preços dos produtos manufaturados nos Estados Unidos subiram 20,8% no mesmo período em que os custos no Brasil subiram 8,8%. “A redução dos custos industriais é essencial para melhorar a competitividade da indústria brasileira no longo prazo, sem depender de desvalorização cambial”, diz a economista da CNI Maria Carolina Marques.

A CNI destaca que a desvalorização do real tem dois efeitos sobre a competividade brasileira.  No curto prazo, há um impacto positivo porque a valorização do dólar encarece os produtos estrangeiros. No médio prazo, o impacto é negativo pois o dólar mais caro eleva os custos da indústria com insumos e matérias-primas importadas, o que acaba elevando os custos do produto nacional.

RECOMENDAMOS

INVESTIGAÇÃO

Polícia pega um dos suspeitos de matar moradora de rua

MODA

Desfile do SENAI fala da comunicação através da moda

LEIA NOTA

Fátima diz que respeita lei que concede 13º a deputados

NOTA DA AL

Deputados têm 13º e 1/3 de férias como todo servidor

RECONHECIMENTO

FIERN recebe prêmios por atuação na educação e cultura

É OURO

Vôlei de praia: Ana Patrícia e Rebecca levam o título

TELECOMUNICAÇÕES

Anatel inicia bloqueio de celulares irregulares no RN

NA LIDERANÇA

América atropela Palmeira fora de casa pelo Estadual

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL