Economia

INDÚSTRIA SALINEIRA

Decreto de Bolsonaro reconhece sal como bem social

RN concentra 95% da produção de sal do país

Por Redação

5 de junho de 2019 | 06:15

(Foto: Divulgação/CIASAL)

O presidente da República Jair Messias Bolsonaro assinou nessina terça-feira (4), o decreto presidencial que reconhece o sal como um bem de interesse social. A medida vai garantir a segurança jurídica necessária que atividade precisa, sem que haja perdas para o meio ambiente, nem para os produtores e trabalhadores do setor. O pleito foi uma luta do deputado federal Beto Rosado (Progressistas) junto aos salineiros do Rio Grande do Norte.

O parlamentar apresentou em 2017 a indicação Nº 3966, sugerindo a criação do decreto que ao longo dos últimos anos vem tramitando entre os ministérios do Meio Ambiente, Economia, além da Casa Civil. Com a mudança do governo federal, Beto Rosado apresentou uma nova indicação Nº 464/2019, sugerindo a criação do decreto, que foi assinado na tarde desta terça-feira.

A medida do presidente Jair Bolsonaro, tão esperada pelos produtores, obedece aos preceitos estabelecidos no código florestal. “A medida abrangerá aquelas indústrias consolidadas até o ano de 2008 e sem alternativa locacional, garantindo não só a continuidade do setor salineiro, mas a própria preservação do ambiente hipersalino desenvolvido na região, sempre respeitado pela indústria do sal”, afirmou o vice-presidente do Sindicato das Indústrias da extração do Sal do Rio Grande do Norte (Siesal), Aírton Torres.

Em nota, o sindicato destacou a importância da medida para o setor. Confira o texto na íntegra:

O SIESAL vem, por meio desta, realçar a compreensão da classe políticos do Estado do Rio Grande do Norte, quanto a importância do “Decreto de Interesse Social do Sal”.

Destacamos, igualmente, a decisão do Governo do Presidente Jair Bolsonaro, que, com a edição do Decreto, reconheceu a relevância do tema, conferindo segurança jurídica ao setor salineiro.

Aproveitamos para esclarecer, mais uma vez, que o sal marinho tem papel de destaque para o país, sendo o Estado do Rio Grande do Norte responsável por 95% da produção nacional, com cerca de 6 milhões de toneladas por ano, gerando mais de 50 mil empregos diretos e indiretos no semiárido nordestino.

Nesse contexto, o Estado do Rio Grande do Norte já reconheceu o interesse social e econômico da atividade salineira, pela Lei Estadual nº 10.324/2018 e alguns municípios também assim o fizeram, como Mossoró, Grossos e Arei Branca, reforçando a sua importância local (Leis Municipais nº 630/2017, nº 1.314/2017 e nº 3.596/2017, respectivamente).

A indústria salineira está consolidada nessas regiões há mais de um século e sua localização estratégica nas margens dos cursos d’água é a condição necessária para sua produção por evaporação, inexistindo alternativa locacional. A consolidação das salinas no litoral potiguar, contribuiu significativamente para estabilidade ambiental e manutenção da biodiversidade local, sendo que qualquer alteração nessas estruturas, além de inviabilizar a atividade secular das salinas, prejudicam diretamente o ecossistema já formado e harmônico nessa região.

A confirmação do setor salineiro como de “Interesse Social”, por meio do Decreto Federal, viabiliza a continuidade das atividades, em condições sustentáveis, com a devida responsabilidade de preservação ambiental, em estrita consonância com o Código Florestal brasileiro.

Francisco Ferreira Souto Filho
Presidente

RECOMENDAMOS

ACIDENTE

Carreta vira em pista de acesso ao aeroporto

TRAGÉDIA

Acidente com carro de prefeita do RN deixa um morto

PROJETO BIOTINGA

Projeto de alunos do Sesi-RN é destaque no Fantástico

What Is So Fascinating About Academic Essay Writing Examples?

TRÂNSITO TRÁGICO

Duas pessoas morreram em estradas do RN no feriadão

MERCADO DE TRABALHO

Fecomércio promove formatura de profissionais

MEDIDA ANTIFRAUDE

Celulares pré-pagos desatualizados estão bloqueados

TRABALHO

SINE oferece 23 oportunidades de emprego no RN

comentários