Economia

PREVIDÊNCIA

Déficit previdenciário no RN não tem solução imediata, diz IPERN

Todos os meses faltam entre R$ 116 e R$ 130 milhões para aposentados

Por Cláudio Oliveira

15 de março de 2019 | 16:34

O déficit previdenciário, valor que todos os meses fica faltando para completar a folha dos servidores inativos, não tem solução a curto prazo, segundo o presidente do Instituto da Previdência dos Servidores estaduais (Ipern), Nereu Linhares. Mensalmente, esse déficit fica entre R$ 116 e R$ 130 milhões. A saída mais prática seria aumentar o percentual da alíquota, que hoje é de 11%, conforme sugere o Governo Federal, mas esta é uma opção que a governadora Fátima Bezerra diz que não cogita. Com isso, o Estado precisa repor todos os meses o dinheiro que fica faltando.

O presidente do Ipern aponta que sem a realização de novos concursos para a contratação de novos servidores que se tornariam novos contribuinte, a folha de inativos só incha. “Temos um quadro em que servidores só se aposentam, sem que entrem novos para substituí-los e contribuírem para que as aposentadorias dos que se aposentam sejam pagas. Nesse contexto, a curto prazo, não há o que se fazer”, declara Nereu Linhares.

A quantidade de segurados pelo Ipern já se aproxima do número de servidores da ativa, aumentando gradativamente o desequilíbrio das contas. “Atualmente são 44 mil aposentados e cerca de 10 mil pensionistas. Além disso, o Ipern cobre os benefícios sociais previdenciários dos servidores. Já não temos mais os recursos do Fundo Financeiro (Funfirn) que garantiriam as aposentadorias futuras, então é uma problema que não se resume ao presente”, relembra o presidente do Ipern. Cerca de R$ 1 bilhão do Funfir que estavam em aplicações no mercado financeiro foram sacados no governo passado para pagar a folha sem que fossem repostos, conforme se propôs inicialmente.

Aumentar a alíquota, ou seja, fazer os servidores pagarem uma contribuição maior, poderia ser uma saída, mas para tanto, precisaria apresentar todo um estudo do impacto, além de enfrentar a resistência dos servidores, medida que, até o momento é descartada pelo Governo. Negociar com o Governo Federal a compensação Previdenciária é outra saída. Neste caso, o Estado cobra da União tudo o que os servidores contribuíram ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) antes de ingressarem no serviço público estadual, até porque, quem vai pagar a aposentadoria deles não será mais o INSS, mas sim o Ipern.

RECOMENDAMOS

GABINETE

Styvenson chamará selecionados "mediante a necessidade"

EVENTO

Senac realiza primeira Semana de Gastronomia em Mossoró

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA

Alunos do SESI-RN participam de feira científica em SP

ARTES CÊNICAS

Sesc lança 22ª edição do palco giratório

LICITAÇÕES FRAUDULENTAS

Empresários são condenados por desvio de recursos no RN

NATAL

Tarifa da frota de ônibus mais velha do País pode subir

DEMANDA DA POPULAÇÃO

DER vai iluminar prolongamento da Prudente até junho

MÊS DA MULHER

Defensoria atende exclusivamente mulheres na sexta

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL