Política

MAIS CRÍTICAS

Em Harvard, Alckmin chama governo de ‘improvisado’

Alckmin avaliou que o governo tem sofrido um rápido "desgaste de material"

Por Beatriz Bulla e Ricardo Leopoldo

6 de abril de 2019 | 08:12

O governo Bolsonaro foi alvo de críticas de ex-presidenciáveis que participaram de debate organizado pelos alunos brasileiros das universidades de Harvard e do MIT. Ciro Gomes (PDT) afirmou que Bolsonaro está na iminência de uma “grande confusão” e que o Brasil “optou por um idiota” e Geraldo Alckmin (PSDB) avaliou que o governo tem sofrido um rápido “desgaste de material”. O tucano chamou ainda o governo de “improvisado, heterogêneo, com uma pauta equivocada, uma agenda antiquíssima”.

O tucano criticou debates atuais do governo e a definição de “nova política”, usada por bolsonaristas para definir a atual gestão. “Nós estamos discutindo se o nazismo é de esquerda ou de direita, se o golpe foi golpe ou não foi golpe. Uma agenda velhíssima. Não temos nova e velha política, temos boa e má política. A boa política não envelhece”, afirmou o tucano. Alckmin reiterou que o PSDB não fará parte da base do governo e disse que o partido irá “votar os projetos que forem importantes ao País”. “É o PT, só que de ponta cabeça”, disse Alckmin sobre o que chamou de maniqueísmo do governo.

“Hoje, o governo Bolsonaro está na antecedência de uma grande confusão. É o que vem por aí. Não é impeachment, não há organização para isso. Estamos na iminência de uma brutal confusão”, afirmou Ciro Gomes, que foi aplaudido pela plateia quando afirmou que o Brasil “optou por um idiota”. “Não é idiota como palavrão, é como está nos dicionários: uma pessoa com incapacidade de raciocinar”, disse. Para Ciro, polêmicas do novo governo são um “jogo de distração”.

A política de aproximação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, também foi objeto de críticas dos ex-presidenciáveis. Alckmin afirmou que o Brasil é “caudatário do Trump, sem a menor necessidade”. “Compra uma briga com o mundo árabe de graça”, disse o tucano. Ciro chamou de “uma vassalagem vergonhosa ao Trump, coisa nojenta”. Em referência à atuação do filho de Bolsonaro, deputado Eduardo Bolsonaro, na política externa, disse que ele estaria “mexendo em coisa séria”

Alckmin afirmou ainda que a reforma da previdência apresentada pelo governo que, segundo ele, é “cheia de jabutis”, concordando com críticas de Ciro Gomes. O tucano também afirmou que “há uma crise política” no País, ao defender uma reforma política e eleitoral. “Precisamos valorizar instituições. Os partidos políticos se enfraqueceram, estão artificiais”, disse o tucano.

Já o secretário da Fazenda de São Paulo e candidato derrotado pelo MDB, Henrique Meirelles, afirmou que País “está fazendo para reverter essa queda de produtividade e aumentar, porque isso que irá definir cada vez mais o padrão de renda da população brasileira. Temos que sair da discussão apaixonante, das questões de política”, afirmou Meirelles.

O ex-candidato pelo PT, Fernando Haddad, cancelou a participação no evento e o ex-candidato pelo PSOL, Guilherme Boulos, está presente na conferência em Harvard mas não é um dos debatedores do painel com presidenciáveis de 2018.

RECOMENDAMOS

SONDAGEM FIERN

Atividade da construção potiguar reduz queda em maio

LEGISLATIVO

Câmara de Natal encerra votação da LDO 2020

OPERAÇÃO EM MINAS

PF prende assessor do ministro do Turismo

NOITE DE FARRA!

Neymar é flagrado aos beijos com outra modelo

PROPOSTAS DE MODERNIZAÇÃO

Fiern participa de seminário sobre Reforma Tributária

IGUALDADE

Fórum cobra antecipação do 13º de 2019 para todos

OUTRA REALIDADE

Diretoria da Caern recebe salários de até R$ 71 mil

TRÁFICO DE DROGAS

Mourão classifica militar preso como 'mula qualificada'

comentários