Geral

GLOSSÁRIO

‘Enciclopédia da Corrupção’ será lançada ainda este ano por jurista potiguar

Livro propões explicação clara´e objetiva com exemplos reais de aplicações

Por Guilherme Arnaud

10 de abril de 2019 | 13:23

Foto: Reprodução

Edilson Alves França é colecionador voraz de dicionários. Na biblioteca pessoal, tem 2.018 glossários dos mais diversos temas – número que ele afirma ser recorde. Professor universitário e jurista aposentado, o natalense, morador do bairro de Candelária, está produzindo uma própria enciclopédia: o Dicionário da Corrupção.

Durante uma pausa nos trabalhos do livro para uma conversa com o Portal No Ar, França conta que a inspiração para produzir o livro veio da atual conjuntura do Brasil, onde casos de corrupção são frequentemente revelados. “Estamos em plena efervescência da corrupção e ninguém escreveu um dicionário sobre isso ainda?” foi o pensamento que o inspirou a dar início à obra.

O modelo de escrita do livro foge dos tecnicismos e definições de dicionários jurídicos e tem o objetivo de criar um material com cunho pedagógico para todos os tipos de leitor. Para isso, França apresenta e explica os verbetes de forma simples e objetiva, além de dar exemplos de casos reais da aplicação dos termos.

“Estou dando uma definição moderna e um caso concreto para o leitor assimilar a natureza jurídica e social daquele termo”, explica o autor.

A principal fonte para as definições de centenas de termos são as anotações feitas durante décadas em diversas atividades no meio jurídico do Rio Grande do Norte e do Brasil. Além disso, os artigos escritos por ele para o jornal Tribuna do Norte também servem de material para o livro.

Carreira

Em 2015, quando começou a pensar na criação do Dicionário, França assumiu a Secretaria de Justiça e Cidadania do Rio Grande do Norte, a Sejuc. O então governador do estado, Robinson Faria, o chamou para assumir a pasta pouco tempo após a rebelião no presídio de Alcaçuz.

Ele esteve no cargo por apenas nove meses, “compromisso de pouco tempo”, conta, pois “sabia que o Estado não faria o que eu queria, que era reformar o sistema prisional com base na educação”.

Também trabalhou por dez anos como Procurador Eleitoral e cinco como Subprocurador de tribunais superiores, como o Supremo Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília, além de ter sido Juiz de Direito.

Com mais de 70 anos – e isso é tudo o que França revela sobre sua idade –, ele é professor da Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Antes, trabalhou pela graduação do curso na mesma instituição.

Lançamento

O professor diz que o dicionário está 70% concluído e conta que está trabalhando “noite e dia” revisando os termos, os exemplos e adicionando mais verbetes. Ele pretende terminar a produção até o mês de agosto e lançar ainda este ano.

França revela que três editoras nacionais já estão interessadas em publicar a obra, mas ele admite que prefere lançar a primeira edição em nível local, mais rápida e acessível, com uma editora potiguar. “Uma segunda edição, com ampliação no número de verbetes e atualização nos casos concretos, eu lançaria em todo o país”, conta.

Além disso, mesmo com o trabalho ainda não concluído, diz que já pensa em dois novos livros. Um deles já tem até título: “A Justiça não existe”, um romance baseado nas histórias de corrupção no Brasil.

RECOMENDAMOS

MANIFESTAÇÃO

Policiais e bombeiros realizarão protesto nesta terça

PREOCUPAÇÃO

Chuva deixa outra ponte no interior sob risco de cair

ACIDENTE ANIMAL

Motoboy atropela jumento e os dois ficam feridos

TRAGÉDIA

Incêndio na Notre-Dame completa uma semana

NOVA GESTÃO

Humorista vence eleição presidencial na Ucrânia

TERROR

Número de mortos em ataques no Sri Lanka sobe para 290

FIM DE FESTA

PM acaba com festa de facção na zona Oeste de Natal

PREVISÃO DO TEMPO

RN deve ter mais chuva nos próximos dias

comentários