Brasil e Mundo

CUSTO

Enem deverá custar R$ 105,52 por candidato, estima Inep

Provas serão aplicadas nos dias 3 e 10 de novembro

Por Mariana Tokarnia / Da Agência Brasil

10 de outubro de 2019 | 14:56

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, diz que custo do Enem ainda pode mudar - Arquivo/Agência Brasil

O Exame Nacional do Ensino Médio 2019 (Enem 2019) deverá custar aproximadamente R$ 537,7 milhões, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o que equivale a R$ 105,52 por participante. A expectativa é que os gastos fiquem ligeiramente abaixo do exame do ano passado, que, segundo o Inep, custou R$ 106,13 por estudante, totalizando R$ 589,8 milhões. O valor corresponde aos gastos desde a elaboração do exame até a impressão, distribuição e correção das provas.

Dos R$ 537,7 milhões, segundo a autarquia, R$ 179,7 milhões, o equivalente a cerca de um terço, vem do pagamento das inscrições. O restante é pago pela governo. As inscrições custaram R$ 85 a cada participantes. Cerca de 2,1 milhões de estudantes pagaram a taxa. Os demais tiveram isenção por atenderem aos critérios estabelecidos pelo Inep.

Segundo o presidente do Inep, Alexandre Ribeiro Lopes, o valor ainda pode mudar. “Em função da abstenção, pode até baixar. Mas pode acontecer [de aumentar], se tivermos que fazer um número de reaplicações maior que o normal, teremos que imprimir mais provas”, explicou. Estudantes que forem impedidos de fazer a prova por conta de problemas como falta de luz, alagamentos, entre outros, têm direito à reaplicação do exame.

Ao todo, cerca de 5,1 milhões de estudantes estão inscritos no Enem deste ano, que será aplicado nos dias 3 e 10 de novembro. As notas do Enem podem ser usadas para participar do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece vagas em instituições públicas de ensino superior, para concorrer a bolsas de estudo pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) e a financiamentos pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Enem digital

O governo aposta no Enem digital, que começará a ser testado em 2020, para redução dos custos de aplicação da prova. Este ano será o último de aplicação do Enem exclusivamente impresso.

De acordo com Lopes, o Enem digital poderá reduzir o número de estudantes que se inscrevem e faltam à prova. Segundo ele, muitas das abstenções são de estudantes que fazem a prova em locais distantes de onde moram.

RECOMENDAMOS

NOVO CAPÍTULO

Desembargador 'suspende' falência da Multdia

SAÚDE

IBGE: 28,5% dos adultos do RN não tem 13 ou mais dentes

'SUÍÇA PERNAMBUCANA'

Sesc RN abre inscrições para passeio a Garanhuns

TUDO NORMAL

Policiais civis suspendem movimento de paralisação

TRAGÉDIA

Avião que caiu em BH deixa três mortos e três feridos

FOGO

Incêndio atinge loja da Ricardo Eletro em Parnamirim

SAÚDE NA TERCEIRA IDADE

Evento aborda envelhecimento saudável em Natal

VEJA DETALHES DA FESTA!

Jennifer Lawrence se casa com Cooke Maroney

comentários