Brasil e Mundo

MUDANÇAS

Entidades empresariais do comércio mundial se unem pela reforma da OMC

Crise no órgão acendeu alerta de associações empresariais de Argentina, Brasil, Estados Unidos, Europa e México

Por Redação

3 de abril de 2019 | 17:08

Após reunião da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em São Paulo, nesta terça-feira (2), as entidades decidiram encaminhar a seus governos um comunicado em que pedem trabalho conjunto para modernizar e reformar a Organização Mundial do Comércio (OMC) rapidamente. A organização é considerada “a única maneira de garantir as regras e a previsibilidade necessária para o crescimento econômico e de investimentos globais”.

Juntas, essas entidades representam empresas que movimentam mais de 70% do comércio do mundo. No entanto, essa participação já foi maior, mas fatores como o capitalismo de estado da China, a guerra comercial iniciada pelo governo americano, o crescente protecionismo e o aumento das barreiras tiveram impacto negativo nas trocas mundiais.

O setor privado dessas economias avaliam que a OMC enfrenta sérios desafios como o esvaziamento da função de solução de controvérsias, uma espécie de “tribunal de apelação”, que corre o risco de chegar ao fim deste ano com apenas um dos três árbitros trabalhando; o marco legal existente não trata de comércio digital ou da presença de empresas controladas pelo Estado no comércio exterior; e o processo de tomada de decisão, que ocorre sempre por unanimidade entre os 164 membros.

RECOMENDAÇÕES – Para reverter esse cenário e criar um ambiente mais favorável às exportações, as entidades entendem que é necessário fortalecer e adequar as regras atuais com fim aos subsídios agrícolas, que mais distorcem o comércio, disciplinar melhor as práticas que distorcem o mercado das empresas estatais, além de criar e implementar flexibilidades para os países em desenvolvimento.

Além disso, entendem ser importante melhorar a função de monitoramento da OMC para aumentar a transparência e garantir que o países notifiquem ações como subsídios, barreiras técnicas e medidas sanitárias e fitossanitárias. Atualmente, essa notificação é obrigatória, mas países como Índia e China resistem em notificar suas políticas.

Os representantes empresariais destacam que é importante manter soluções multilaterais baseadas nos consenso de todos os membros. No entanto, essa regras enterraram a Rodada Doha, por exemplo. Por isso, reforçam no documento, que os governos devem “procurar caminhos flexíveis por meio de negociações plurilaterais que possam criar regras para novos temas estratégicos, como o comércio eletrônico, a facilitação de investimentos e as PMEs (pequenas e médias empresas)”.

Por fim, sugerem que a OMC crie um mecanismo de consulta, que inclua a comunidade empresarial, para que a organização consiga acompanhar as “rápidas mudanças que ocorrem no mundo real”.

RECOMENDAMOS

SONDAGEM FIERN

Atividade da construção potiguar reduz queda em maio

LEGISLATIVO

Câmara de Natal encerra votação da LDO 2020

OPERAÇÃO EM MINAS

PF prende assessor do ministro do Turismo

NOITE DE FARRA!

Neymar é flagrado aos beijos com outra modelo

PROPOSTAS DE MODERNIZAÇÃO

Fiern participa de seminário sobre Reforma Tributária

IGUALDADE

Fórum cobra antecipação do 13º de 2019 para todos

OUTRA REALIDADE

Diretoria da Caern recebe salários de até R$ 71 mil

TRÁFICO DE DROGAS

Mourão classifica militar preso como 'mula qualificada'

comentários