Economia

TIRANDO VANTAGEM

Exportadores brasileiros lucram com guerra EUA-China

Exportações para a China bateram recorde no ano passado

Por Renata Agostini

5 de maio de 2019 | 10:33

A guerra comercial entre Estados Unidos e China acabou por beneficiar exportadores brasileiros. No ano passado, o Brasil aumentou em US$ 8,1 bilhões as vendas para o mercado chinês, aproveitando que os produtos americanos ficaram mais caros no país asiático. O repentino aumento de competitividade dos brasileiros ajudou a impulsionar as exportações para a China, que bateram recorde no ano passado.

A China é o principal destino dos produtos brasileiros no exterior há anos. Em 2018, foram exportados para lá US$ 64,2 bilhões, salto de 35% ante o ano anterior. Metade do crescimento veio do aumento nas vendas de produtos que antes sofriam mais pesadamente com a concorrência americana, segundo estudo feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) para o jornal O Estado de São Paulo.

Como reação às barreiras impostas à China por Donald Trump, que começaram a vigorar em julho do ano passado, o governo chinês elevou a tarifa de importação para produtos americanos. Em mais de cem deles, a taxa subiu para 25% – antes variavam de 3% a 13% Para verificar se o Brasil aproveitou a oportunidade e em quais áreas saiu ganhando, a CNI cruzou dados de 382 bens americanos que sofreram sobretaxa com a pauta de exportações do Brasil para a China.

Houve ganho em diversos setores, mas a soja se destacou, de acordo com o levantamento. Os embarques do produto dispararam e as vendas aumentaram 35%, em relação ao ano anterior. Só desse item foram US$ 7 bilhões a mais em exportações para o mercado chinês.

Sem saber como ficaria o comércio com os Estados Unidos, compradores chineses também anteciparam encomendas, o que acabou por beneficiar outros produtos e setores. O estudo da CNI mostra que foram quase US$ 600 milhões a mais em embarques de carne bovina, o produto mais vendido depois da soja na lista analisada Também tiveram alta embarques de milho, algodão, suco de laranja e caixas de marcha para veículos, entre outros.

O aumento nos pedidos da China ajudou a empurrar as exportações brasileiras no ano passado, que somaram no total US$ 239,5 bilhões, mas o ganho poderia ter sido maior. Logo que o aumento nas tarifas foi anunciado, a CNI estimou que havia potencial de crescimento de até 77% nas vendas para o mercado chinês. Parte dessa expectativa não se realizou.

Estratégia

“Pode-se tirar proveito de uma guerra comercial, mas não fazer planejamento estratégico pensando nela. Ganha quem já está preparado e tem capacidade de aumentar rapidamente a oferta”, diz Carlos Abijoadi, diretor de desenvolvimento industrial da CNI.

O ganho no mercado chinês se concretizou porque a lista imposta por Pequim continha muitos produtos agrícolas, nos quais o Brasil é competitivo. A safra brasileira foi forte e os exportadores estavam preparados. “O produtor aproveitou a janela para raspar estoques”, disse José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

No caso dos EUA, as sobretaxas recaíram mais sobre manufaturados Com isso, o ganho brasileiro foi bem menor por lá, de US$ 1,7 bilhão no total – boa parte veio do aumento das vendas de petróleo e derivados.

O cenário neste ano tende a ser mais desafiador para os exportadores brasileiros. As negociações entre EUA e China correm desde o fim de 2018 e há expectativa de que um acordo saia em breve, diz Renata Amaral, diretora da BMJ, especializada em comércio exterior.

Apesar de Trump ter deflagrado a guerra com os chineses, é de interesse dos americanos que os dois países cheguem a bom termo, já que a China é a maior credora dos EUA. Se a estimativa se concretizar, a janela de oportunidade para o Brasil se fecha. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

RECOMENDAMOS

MÃES DO GUAJIRU

Projeto usa fotografia no incentivo a cuidado pré-natal

SELEÇÃO PÚBLICA

Grafiteiros serão contratados para arte em Areia Preta

TECNOLOGIA NO JUDICIÁRIO

Corregedoria do RN adota sistema para eliminar papel

INDÚSTRIA DE BEBIDAS

Fiern participa de Intercâmbio de Lideranças Setoriais

MODERNIZAÇÃO

Justiça do RN inclui processos em sistema eletrônico

LIMINAR

Decisão de Toffoli é usada para derrubar processos

PARCERIA

Natal terá programa para erradicar analfabetismo

CONFIRA

Lista de espera do ProUni já está disponível

comentários