Geral

VIDA INTERROMPIDA

Jovem encontrada morta em Caicó faria 23 anos nesta segunda

Noticiada como homicídio, morte é tratada em sigilo pela Polícia Civil

Por Ayrton Freire

11 de março de 2019 | 12:28

Foto: Arquivo Pessoal

“Hoje, nossa Zairinha completaria 23 primaveras”. Anunciou Maisa Cruz em uma rede social. Ela é irmã de Zaira Cruz, jovem que pouco mais de uma semana atrás saiu de Currais Novos, onde mora a família, para curtir o Carnaval de Caicó. Até que foi encontrada morta, no sábado (1º), dentro de um carro.

O ano era 1996. Naquele 11 de março, nascia a mais nova das duas filhas de Maria Ozanete. Em conversa com a reportagem do Portal No Ar, a mãe lembrou a personalidade de Zaira. “Era uma filha maravilhosa, dedicada, carinhosa. Um presente de Deus. Uma hora dessas, a gente sofre muito. Ela era muito especial pra mim”, lamentou.

A irmã Maisa acrescenta que Zaira foi “uma pessoa tão viva, tão intensa, de um coração gigante e que tanto nos alegrava e nos dava amor”.

A morte da jovem foi noticiada como homicídio. Responsável pela investigação do caso, a Polícia Civil trata o assunto em sigilo. A menina estava na reta final da faculdade de Engenharia Química. A carreira foi interrompida no ano em que ela se formaria.

Diante de um caso que comoveu todo o estado, Maisa Cruz finaliza a mensagem revelando o quanto a irmã era amada. “Tínhamos certeza de que a nossa Zairinha era muito especial e encantava a todos por onde passava, mas não tínhamos noção do quanto”.

RECOMENDAMOS

OPORTUNIDADES

SINE-RN oferece vagas de emprego nesta quinta-feira

CONCORRÊNCIA

RN fica em desvantagem na briga para baratear voos

SERÁ?

Carlinhos Maia não teria beijado noivo durante o casamento em respeito aos convidados

PROPOSTA

CCJ aprova admissibilidade da reforma tributária

PRÉ-PROJETO

Natal define reforma do Teatro Sandoval Wanderley

SEM MUDANÇA

Fifa descarta realizar Copa de 2022 com 48 seleções

EM NATAL

Mulheres negras recebem homenagem na Câmara de Natal

ORÇAMENTO

Governo evita novo contingenciamento com repasse ao MEC

comentários