Brasil e Mundo

ALVO DA JUSTIÇA

Juan Guaidó perde imunidade parlamentar na Venezuela

Suprema Corte do país retirou o direito do líder opositor

Por Estadão Conteúdo

2 de abril de 2019 | 09:19

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) da Venezuela, controlado pelo chavismo, retirou nesta segunda-feira, dia 1º, a imunidade parlamentar do líder da oposição ao governo Juan Guaidó. A decisão abre caminho para que o presidente da Assembleia Nacional, que se declarou presidente interino do país em janeiro, seja preso. O presidente do TSJ, Maikel Moreno, também bloqueou os bens do deputado e reiterou sua proibição de deixar o país.

A corte tomou a decisão ao considerar que o deputado – reconhecido como chefe de Estado interino por mais de 50 países – infringiu uma proibição de saída do país que tinha sido imposta a ele em 29 de janeiro.

Nesse dia, o TSJ abriu uma investigação contra ele por “usurpar” as funções do presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Guaidó saiu clandestinamente do país em fevereiro e retornou em 4 de março procedente da Colômbia, pelo aeroporto internacional de Maiquetía, em Caracas. O congressista fez, na ocasião, uma visita a vários países da região, após o fracasso, em 23 de fevereiro, de sua tentativa de fazer entrar na Venezuela doações de alimentos e medicamentos enviados pelos EUA.

A decisão anunciada ontem pelo TSJ é a última de uma série de medidas contra Guaidó e seu entorno, que começou há duas semanas, após a Rússia ampliar seu apoio ao regime de Maduro, até mesmo com o envio de pessoal militar e equipamentos. O chavismo vinha hesitando em agir contra o líder opositor, após receber ameaças explícitas dos EUA de retaliações caso algo ocorresse com Guaidó.

A primeira ação chavista contra Guaidó foi a prisão de seu chefe de gabinete, Roberto Marrero, em março. Na sequência, segundo a mulher do opositor, Fabiana Rosales, parentes do deputado passaram a ser hostilizados por chavistas.

Na semana passada, a Controladoria-Geral da Venezuela, também alinhada ao regime, suspendeu os direitos políticos de Guaidó por 15 anos. (Com agências internacionais).

RECOMENDAMOS

OPERAÇÃO PELA VIDA

PMs impedem suicídio na Ponte

AUTOMÓVEL

Carros brasileiros ficam mais seguros e mais caros

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO

Como foi o treino secreto do América em pleno feriado

EDUCAÇÃO

Primeira escola indígena do RN está praticamente pronta

PRAZO ENCERRANDO

Somente 52% declararam Imposto de Renda no RN

LUTO NO FUNK

MC Sapão contrai gripe e morre de pneumonia

BRINCADEIRA OU CRIME?

De onde vem costume de roubar galinhas na Sexta Santa

ATENÇÃO

Caminhoneiros antecipam data da nova greve da categoria

comentários