Interior

ENCANTO

Justiça condena ex-prefeito, tesoureira e empresa por contratação ilícita

Foram condenados em diversas penalidades previstas na lei

Por Redação

17 de outubro de 2019 | 10:00

Alberoni Neri, ex-prefeito de Encanto | Foto: Divulgação

A 1ª Vara de Pau dos Ferros condenou, em ação de improbidade administrativa, Alberoni Neri, ex-prefeito da cidade de Encanto; Raquel Sampaio, que foi tesoureira da gestão dele; e a empresa Bernardo Vidal Consultoria Ltda. Eles participaram em conjunto da contratação ilícita da empresa mencionada sem o devido procedimento licitatório legal, gerando pagamento prematuro de honorários.

Eles foram condenados em diversas penalidades previstas na lei de improbidade administrativa. Assim, foi imposta a pena de pagar solidariamente R$ 102.877,06 pelos valores acrescidos ilicitamente aos patrimônios próprios. Além disso, conforme a proporção de participação no ilícito, o ex-prefeito, por exemplo, foi condenado a pagar multa civil no valor de R$ 50.000, com suspensão dos direitos políticos por oito anos e proibição de contratar com o poder público por cinco anos. Já a empresa Bernardo Vidal Consultoria Ltda também terá que pagar a multa civil de R$ 50.000 e proibição de contatar com o poder público por 10 anos. E a ex-tesoureira ao pagamento de R$ 10.000 de multa civil.

No teor do processo os demandados alegaram “em síntese apertada, que não praticaram ato de improbidade e que a prova dos autos não autoriza juízo de procedência da demanda contra os mesmos”. Todavia, sentença expedida pelo Núcleo de Apoio ao Cumprimento das Metas CNJ, o magistrado responsável pelo processo considerou que de fato há casos de inexigibilidade de licitação em que é possível contratar diretamente os serviços especializados “mas para tanto é necessário que fique demonstrada, de forma objetiva, a notória especialização do profissional e, obviamente, a singularidade da demanda”.

Além disso foi constatado que “existia uma gama de escritórios aptos à prestação do serviço”, de modo que “ressoa evidente a ausência de tamanha especialidade a justificar a inexigibilidade de licitação”. E essa ilicitude se tornou mais evidente pelo fato do escritório contratado estar “atuante no mercado há somente 09 meses, ou seja, tempo ínfimo para se averiguar o acerto ou desacerto do trabalho realizado pelo escritório”.

Por fim a sentença ressaltou que “não há dúvidas sobre o cometimento de improbidade administrativa ante o descompasso da prestação dos serviços com o contrato firmado” justificando assim o ressarcimento do prejuízo causado, a multa civil aplicada e demais penalidades aplicadas.

RECOMENDAMOS

PLANO DIRETOR NO AR

Natal:Câmara debate macrozoneamento e ocupação do solo

VISÃO NOTA 10

Projeto prevê exames oftalmológicos em alunos de Natal

PERIGO DAS REDES SOCIAIS

Whindersson iz que internet contribuiu para depressão

DIA DE COMBATE

Fórum alerta para diagnóstico precoce do câncer infanto

SOCORRO AO SANTUÁRIO ECOLÓGICO

Navio-patrulha vai auxiliar na limpeza de óleo no PI

CONSÓRCIO NORDESTE

Fátima destaca potencial do RN a empresários franceses

DECISÃO DA DIRETORIA

América: Pré-temporada começará com portões fechados

VOLUNTARIADO

Parque das Dunas será palco do projeto Vida Saudável 

comentários