Geral

DOR

Mãe de Zaira Cruz clama por justiça: “Mataram minha filha”

Em entrevista, Maria Ozanete falou sobre a filha e como está a família

Por Ayrton Freire

11 de março de 2019 | 11:20

Maria Ozanete com a filha Zaira (Foto: Arquivo Pessoal)

Dá para sentir o luto na voz da esteticista Maria Ozanete, de 53 anos, mãe da jovem Zaira Cruz, 22, encontrada morta dentro de um carro em Caicó. Nesta segunda-feira, pouco mais de uma semana depois da morte da filha, ela conversou com a reportagem do PORTAL NO AR, a quem externou o clamor por justiça.

“O que fizeram com ela (Zaira)? Simplesmente, mataram a minha filha. Mataram ela! Além de quererem abusar, mataram. Tem que ser feita justiça”, declarou.

Zaira era a mais nova das duas filhas de Maria Ozanete. “Era uma filha maravilhosa, dedicada, carinhosa. Um presente de Deus. Uma hora dessas, a gente sofre muito. Ela era muito especial pra mim”, lamentou.

A jovem Zaira ajudava a mãe no salão que fica em Currais Novos, onde a família mora. A cidade está distante 87 km de Caicó, onde o corpo dela foi encontrado no primeiro dia das comemorações do tradicional Carnaval caicoense.

“Ela cursava Engenharia Química na Ufersa (Universidade Federal Rural do Semi-Árido). Ia se formar no final desse ano para o início do próximo”, diz a mãe sobre a carreira da filha interrompida precocemente.

Sem querer falar sobre a investigação da morte noticiada como homicídio e tratada com sigilo pela Polícia Civil, Maria Ozanete reforça o desejo dela e da família. “A gente espera que a justiça seja feita. E vai acontecer, em nome de Jesus”.

RECOMENDAMOS

CONCORRÊNCIA

RN fica em desvantagem na briga para baratear voos

SERÁ?

Carlinhos Maia não teria beijado noivo durante o casamento em respeito aos convidados

PROPOSTA

CCJ aprova admissibilidade da reforma tributária

PRÉ-PROJETO

Natal define reforma do Teatro Sandoval Wanderley

SEM MUDANÇA

Fifa descarta realizar Copa de 2022 com 48 seleções

EM NATAL

Mulheres negras recebem homenagem na Câmara de Natal

ORÇAMENTO

Governo evita novo contingenciamento com repasse ao MEC

ANALFABETISMO

Natal usará "método Paulo Freire" para melhorar EJA

comentários