Geral

Mãe doa 75 litros de leite materno para a Januário Cicco

Ao contrário de alguns bebês que antecipam a chegada ao mundo, Amora decidiu demorar um pouco mais. Com 41 semanas de gestação, a enfermeira Juliana Morais, de 32 anos, entrou em trabalho de parto, em julho de 2018, para fazer uma cesárea.

Moradora de Natal, Juliana começou a produzir muito leite já na maternidade, e como Amora não conseguia mamar direitinho, foi necessária a ajuda do Banco de Leite Humano da Maternidade Escola Januário Cicco. Foi aí que surgiu a oportunidade de se tornar doadora.

Juliana Morais conta que, nos seis primeiros meses de doação, ela coletou 75 litros e enchia 20 vidros por semana.

“A primeira vez que eu recebi a ligação de uma mãe chorando que não tinha leite materno, ela começou a conversar comigo e perguntou se eu podia doar. Como se fosse assim ‘me doe algo que é muito difícil para mim’, só que para mim era algo muito fácil. Ela ficou muito grata, e eu fiquei muito emocionada, porque eu podia ajudar as crianças que não tinham a oportunidade que minha filha teve. Para mim, era como se eu estivesse dando saúde às outras crianças.”

O Rio Grande do Norte conta com seis bancos de leite humano e cinco postos de coleta. De janeiro até o momento, foram coletados 1.581 litros com a ajuda de 895 doadoras cadastradas. A coordenadora do Banco de Leite Humano referência em aleitamento materno no estado, Ana Zélia Oliveira, explica a necessidade da doação para os bebês.

“A doação de leite materno é importante para todos os bebês que as mães estão clinicamente impossibilitadas de amamentar, e no caso específico do prematuro e bebês de baixo peso, que está impossibilitado de sugar. Então, a mãe com estresse, por às vezes precisar se afastar do bebê, a tendência é diminuir a produção, e a gente do banco tem que dar o suporte para esse bebê ter o leite materno, que é o melhor alimento que existe”

Por ter tido uma gravidez de risco e um bebê prematuro, a dona de casa Michelle Gomes, de 37 anos, tem sido ajudada com o leite que vem do banco de leite humano. Ela e o filho Vagner Micael mostram o sentimento em relação às mães doadoras.

“É gratidão, né? Porque a gente não consegue, e a gente sabe que é importante, principalmente para um prematuro. É só gratidão.”

Somente no ano passado, foram coletados em todo o país 186 mil litros de leite humano, mas esse valor representa apenas 55% da real demanda. Por isso, mães do Rio Grande do Norte que estão amamentando e têm interesse em doar, devem entrar em contato com o Banco de Leite Humano referência em aleitamento materno no estado. O telefone é (84) 3342-5800.

RECOMENDAMOS

Mourão classifica militar preso como 'mula qualificada'

Luciano Huck e Angélica agradecem apoio e mostram como ficou crânio do filho após grave acidente

Parceria entre ITEP e Correios facilita a emissão de novos RG's no RN

Presidente da Fiern participa do 6º Seminário Pense nas Pequenas Primeiro

CCJ do Senado aprova projeto de abuso de autoridade

Militar preso com cocaína estaria em voo de volta com Bolsonaro, diz Mourão

Papa Francisco expressa tristeza por imagem de pai e filha afogados na fronteira entre México e Estados Unidos

Crianças e animais são as maiores vítimas da queima de fogos nas festas juninas

comentários