Brasil e Mundo

PROCESSOS

Ministério da Justiça pede multa de até R$ 18 mi contra Facebook

Ações envolvem uso indevido de dados e atuação de hackers

Por Bruno Capelas

13 de março de 2019 | 09:18

Foto: Reprodução

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), parte do Ministério da Justiça e da Segurança Pública (MJSP), instaurou nesta semana dois processos contra o Facebook no Brasil – as ações envolvem, respectivamente, o uso indevido de dados de usuários pela consultoria Cambridge Analytica e a atuação de hackers dentro da rede social para prejudicar brasileiros. De acordo com apuração do jornal O Estado de S. Paulo, o caso corre em segredo de Justiça e pode render multas de até R$ 18 milhões à empresa comandada por Mark Zuckerberg.

Segundo nota publicada pelo MJSP, o Facebook tem até dez dias para apresentar sua defesa administrativa. Além da instauração dos dois processos, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) notificou o Facebook a prestar esclarecimentos em um terceiro caso, no qual teria utilizado dados recebidos de aplicativos parceiros, como frequência cardíaca e ciclo menstrual dos usuários. Procurado pelo Estado, o Facebook disse que “está à disposição para prestar esclarecimentos” ao Ministério da Justiça e à Segurança Pública.

Nos processos, foram arrolados a matriz do Facebook nos EUA e sua filial no Brasil, Facebook Serviços Online Ltda.

O primeiro diz respeito ao uso da ferramenta Facebook Login, utilizada pela consultoria política Cambridge Analytica para extrair dados de usuários da rede social. A empresa atuou na campanha de Donald Trump à Presidência americana, em 2016 – o caso, revelado há cerca de um ano, levou o Facebook à sua maior crise.

Já o segundo processo diz respeito à ação de hackers na plataforma para roubar dados pessoais de usuários no País, tais como nome, e-mail, número de telefone, locais visitados e buscas

Para o advogado Bruno Bioni, fundador da Data Privacy Brasil, os processos mostram a importância do tema da proteção de dados e ressaltam a relação contratual que existe entre usuários e redes sociais.

“Não é necessário pagar por um serviço para configurar uma relação de consumo”, diz Bioni. “Ao abrir os processos, a Senacon dá indícios de que encontrou danos à coletividade de consumidores brasileiros.”

RECOMENDAMOS

OPORTUNIDADES

SINE-RN oferece vagas de emprego nesta quinta-feira

CONCORRÊNCIA

RN fica em desvantagem na briga para baratear voos

SERÁ?

Carlinhos Maia não teria beijado noivo durante o casamento em respeito aos convidados

PROPOSTA

CCJ aprova admissibilidade da reforma tributária

PRÉ-PROJETO

Natal define reforma do Teatro Sandoval Wanderley

SEM MUDANÇA

Fifa descarta realizar Copa de 2022 com 48 seleções

EM NATAL

Mulheres negras recebem homenagem na Câmara de Natal

ORÇAMENTO

Governo evita novo contingenciamento com repasse ao MEC

comentários