Brasil e Mundo

POSSE E PORTE

Moro afirma ser natural que decreto de armas seja questionado

Ministério Público Federal apontou inconstitucionalidade do decreto

Por Letícia Fucuchima

16 de maio de 2019 | 07:43

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou que o tema da posse e porte de armas é “sempre polêmico e suscita paixões”, de modo que é natural, em sua avaliação, que o decreto assinado na semana passada pelo governo federal esteja sendo alvo de questionamento.

“Sempre se diz ‘tudo no Brasil acaba no Supremo Tribunal Federal’, tudo pode ser levado à discussão no Supremo, às vezes até aquilo que não devia ser…se houver alguma invalidade, caberá ao Supremo Tribunal Federal, ou eventualmente ao Congresso, fazer uma revisão”, comentou Moro, em entrevista à GloboNews nesta quinta-feira, 16.

Em manifestações à Procuradoria-Geral da República (PGR) e ao Congresso, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão – braço do Ministério Público Federal – apontou inconstitucionalidade do decreto de Bolsonaro para facilitar as regras de posse, porte e comercialização de armas de fogo para caçadores, atiradores esportivos, colecionadores (CACs), praças das Forças Armadas e uma série de outras categorias profissionais. O documento enviado à PGR servirá de subsídio para que o órgão emita parecer sobre ação da Rede, que acionou o Supremo alegando que o decreto do presidente é um “verdadeiro libera geral” e “põe em risco a segurança de toda a sociedade e a vida das pessoas”.

RECOMENDAMOS

SAÍDAS VOLUNTÁRIAS

Bolsa Família: Mais de 11 mil pediram desligamento

RECUSOU

Eleita Miss Bumbum, Pabllo Vittar critica título

TRANSPORTE INTERMUNICIPAL

Motoristas adiam para terça-feira decisão sobre greve

TOPO DO PÓDIO

Esgrima: Brasileira leva ouro e faz história no Mundial

NORMAS SANCIONADAS

RN teve quase 100 novas leis no primeiro semestre

RESSOCIALIZAÇÃO E PREVENÇÃO

Presas do João Chaves recebem atendimento médico

INCLUSÃO

Bolsonaro anuncia inclusão de autistas no Censo 2020

RECURSO NEGADO

TRE-RN mantém Lava Jato no RN na Justiça Federal

comentários