Geral

SAÚDE FEMININA

Mulheres são o grupo mais vulnerável ao HIV

Fundação internacional intensifica esforço com governos e organizações para ampliar acesso a testes rápidos e tratamento

Por Redação

8 de março de 2019 | 13:28

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Situação de vulnerabilidade econômica e social, localização geográfica e casos de violência estão diretamente associados aos índices de mulheres infectadas pelo HIV. Esses pontos dificultam o acesso à prevenção, à testagem rápida e ao tratamento pós-exposição (PEP), assim como a assistência médica de qualidade.

De acordo com o Unaids, programa das Nações Unidas para o HIV/Aids, cerca de 300 mil mulheres vivem com HIV no Brasil, o que equivale a 35% do total de pessoas infectadas pelo vírus no país. Entre as mulheres grávidas e portadoras do vírus, 85% recebem tratamento antirretroviral. A transmissão do vírus da mãe para os filhos caiu duas vezes nos últimos 20 anos.

No Brasil, a Aids Healthcare Foundation Brasil (AHF) apoiou, em 2018, a realização de 17.087 testes anti-HIV em mulheres, o equivalente a 30% de todos os exames feitos. Para mudar a realidade de vulnerabilidade e ampliar o acesso aos testes rápidos e ao tratamento, a AHF mobiliza entidades governamentais e outras organizações sociais nos 43 países onde atua.

O diretor da AHF Brasil, Beto Jesus, avalia que “embora a importância da prevenção do HIV/Aids seja bastante difundida, os casos ainda aumentam em todo o mundo, e as mulheres são as mais afetadas pela epidemia, principalmente nos países em desenvolvimento”.

“A AHF entende que o empoderamento deste público é uma importante ferramenta para garantir uma vida segura e livre, com todos os direitos civis e sexuais assegurados”, avalia Beto de Jesus, diretor da AHF no Brasil. “A quebra de tabus e preconceitos facilita o acesso a métodos preventivos e a tratamentos com qualidade, o que resulta em vidas salvas”, complementa.

Em todo o mundo, segundo o Unaids, há quase 19 milhões de mulheres e meninas vivendo com HIV. Todos os anos são registrados cerca de 870 mil novos casos. O desafio, reitera Beto de Jesus, “é que seja garantido a este público, por meio de lideranças políticas e comunitárias, condições iguais e irrestritas de acesso aos serviços de saúde”.

RECOMENDAMOS

CORREÇÃO DOS TEXTOS

Inep libera espelhos da redação do Enem 2018

OCORRÊNCIA

M prende dois e apreende armas e drogas em Ceará-Mirim

GABINETE

Styvenson chamará selecionados "mediante a necessidade"

EVENTO

Senac realiza primeira Semana de Gastronomia em Mossoró

INOVAÇÃO E TECNOLOGIA

Alunos do SESI-RN participam de feira científica em SP

ARTES CÊNICAS

Sesc lança 22ª edição do palco giratório

LICITAÇÕES FRAUDULENTAS

Empresários são condenados por desvio de recursos no RN

NATAL

Tarifa da frota de ônibus mais velha do País pode subir

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL