Geral

No RN, 90% dos motoristas alcoolizados recusam teste do bafômetro

A morte da professora e dançarina, Gislâne Cruz, de 26 anos, no último domingo (19), em um acidente de trânsito provocado pelo oficial de justiça, Josias Teixeira, de 63 anos, evidenciou a irresponsabilidade dos condutores que insistem em dirigir sob o efeito de álcool. Com a Lei Seca houve uma redução do número de motoristas que cometem tal imprudência no Rio Grande do Norte, porém, 90% daqueles que são abordados sob o efeito de álcool no trânsito se negam a fazer o teste do bafômetro.

Esse dado demonstra o quanto as pessoas ainda tentam burlar a lei e arriscar suas vidas e a de pessoas inocentes. “As blitzen acontecem de três a quatro vezes por semana, só nesta semana que aconteceu este acidente foram três. Os condutores que sabem que beberam geralmente se negam a fazer o teste; dizem que beberam pouco, que já faz tempo e por isso não acham necessário fazer o teste. Temos 90% dos autos feitos pela recusa. Contudo, o condutor que se nega, mesmo não apresentando sinais, vai responder as penalidades”, explica o coordenador da Operação Lei Seca no RN, capitão PM Isaac Paiva.

Na recusa simples, que é quando o condutor não apresenta sintomas de embriaguez, paga-se a multa pela recusa que é a mesma se fosse constatada com o teste, de quase R$ 3 mil. Fazendo o teste do bafômetro, a penalidade varia de acordo com o percentual registrado, cujo limite é de 0,33 miligrama de álcool por litro de ar expelido. Acima disso, já é considerado crime e o motorista pode ser preso. A prisão também ocorre quando se recusa a fazer o teste, mas apresenta sinais óbvios de embriaguez. Em casos de reincidência, a multa é dobrada, com suspensão da CNH.

A Lei Seca no RN não aumentou seu efetivo nos últimos anos. São 27 policiais e, dependendo da ocasião, são todos convocados para a operação, ou apenas metade. A maioria das operações é realizada na Região Metropolitana de Natal, devido o fluxo e deslocamento que é maior.

“Do ponto de vista de acidentes, entre 2013 e 2016 observamos uma redução de 20% de acidentes. Percebemos que essa tendência de queda é mantida. Acreditamos que o advento de opções de transporte como os de aplicativos e a conscientização das pessoas também ajudou a diminuir as autuações. De 10% das pessoas abordadas, hoje caiu para 5% as que estão alcoolizadas”, revela o coordenador da Lei Seca no RN.

Para ele, quanto maior a rigidez, inclusive no judiciário, mais esses números deverão cair porque foi isso que se observou com a aplicação da lei e as constantes operações. “Com maior rigidez na justiça, seria melhor. A Lei Seca só tem repercussão por causa da rigidez. O medo de ser punido pode fazer a pessoa deixar de praticar o que é delito. Por outro lado, precisamos educar as novas gerações e criar a cultura de que não se deve beber e dirigir”, destaca o capitão Isaac Paiva.

 

RECOMENDAMOS

Mourão classifica militar preso como 'mula qualificada'

Luciano Huck e Angélica agradecem apoio e mostram como ficou crânio do filho após grave acidente

Parceria entre ITEP e Correios facilita a emissão de novos RG's no RN

Presidente da Fiern participa do 6º Seminário Pense nas Pequenas Primeiro

CCJ do Senado aprova projeto de abuso de autoridade

Militar preso com cocaína estaria em voo de volta com Bolsonaro, diz Mourão

Papa Francisco expressa tristeza por imagem de pai e filha afogados na fronteira entre México e Estados Unidos

Crianças e animais são as maiores vítimas da queima de fogos nas festas juninas

comentários