O país das coincidências

Por Antônio Melo - Jornalista

O Brasil que quer entrar no clube dos países mais ricos do mundo, acaba de ficar, neste último trimestre, 0,2% mais pobre. Simples coincidência. Como outra coisa não seria, além de coincidência, o fato do COAF -que flagrou as traquinagens realizadas por um assessor do então deputado Flávio Bolsonaro- sair debaixo das asas do xerife Sérgio Moro e se aninhar nos cofres de Paulo Guedes, o ministro da economia, com as bênçãos do presidente, o desconforto do ministro da justiça e a irritação do líder do PSL, partido de Jair Bolsonaro, o novato major Olímpio. Não se espante, é só coincidência.

Também não passa de mera coincidência o fato de nesse período em que foram autorizadas as quebras dos sigilos fiscal e bancário do deputado-travesso-zero-não-sei-quanto, o presidente anunciar de público que estava pronto a cumprir o “compromisso” assumido com Moro de indica-lo para o STF. Só que Moro, na primeira oportunidade, desmentiu. Por mais estranho que possa parecer o aceno do presidente querendo o xerife longe, não tem nada a ver com o atual momento em que o seu filho pula feito pipoca na frigideira da justiça. Tenha certeza, é tudo coincidência. Mera coincidência.

Como outra coisa não poderia ser -além de intriga da oposição e maldade dessa imprensa comunista- o fato de em momentos assim o presidente lançar ideias polêmicas. O absurdo decreto das armas que mais parece redigido por um pré-vestibulando de direito do que por profissionais e doutores no assunto. As inconsistências, as inconstitucionalidades e até idiotices ali contidas podem parecer burrice, mas saíram do marketing do absurdo que cresce e floresce no Planalto. A cada encrenca, joga-se uma polêmica para o povo discutir, arengar, esquecer o principal: os assassinos de Marielle, o inquérito do Zero Flávio, o cheque de 12 mil para a primeira dama, o silêncio e omissão do governo sobre o desastre de Brumadinho, os mais de 13 milhões de desempregados, o fiasco da reforma trabalhista, quem pagou em espécie a cirurgia e internação no hospital mais caro do Brasil do assessor pilantra do deputado Zero-Todo-Encrencado. Mas não se espante. São apenas coincidências, nada demais.

Como coincidência é -a mais pura coincidência- que a polícia do Distrito Federal tenha prendido o sargento João Baptista Firmino Ferreira por fazer parte de uma milícia suspeita de grilagem de terras, extorsão e diversos homicídios. Ferreira teve o sigilo bancário quebrado e a conta dele bastante robusta, segundo a investigação, comprova o envolvimento do policial com os milicianos (são todos policiais militares) que formam o bando de delinquentes. Mera coincidência.

Também não passa de coincidência que João Baptista seja irmão de dona Maria das Graças, que outra não é senão a mãe da primeira dama do Brasil, a dona Michelle, madrasta de Flávio, o Zero-das-Encrencas, agraciada com um cheque-fantasma de 12 mil reais do assessor do enteado. O João Baptista, seria assim, tio da dona Michelle.
Entendeu? Coincidência, eu também não.

RECOMENDAMOS

RENEGOCIAÇÃO

Natal oferece 60% de desconto para devedores neste mês

NATAL MAIS LIMPA

'Dia Mundial da Limpeza' terá apoio público e privado

INICIATIVA POPULAR

OAB/RN propõe ficha limpa e critérios a comissionados

QUATRO DIAS DE ESPORTES

Natal recebe etapa dos Jogos Escolares da Juventude

IMPORTÂNCIA DA LEITURA

Turma da Mônica vai à Câmara para tratar sobre leitura

NA CALADA DA MADRUGADA

Mossoró: Polícia apreende cigarros contrabandeados

PELA DEMOLIÇÃO

Álvaro Dias diz que não vai gastar com Hotel Reis Magos

JÚNIOR BASS GROOVADOR

Jack Black quer levar baterista potiguar ao Rock in Rio

comentários