Política

PREVIDÊNCIA

Plenário da comissão da reforma tem poucos parlamentares após 6 horas de debates

Discussão segue sem maiores atritos entre oposição e governistas

Por Eduardo Rodrigues

18 de junho de 2019 | 16:26

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Após seis horas de debates, o plenário da Comissão Especial da Reforma da Previdência conta com poucos parlamentares, enquanto a discussão do relatório do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) segue sem maiores atritos entre oposição e governistas Apenas o relator permanece na comissão desde a abertura da sessão, às 9h50.

Pelo lado dos que defendem a proposta, o deputado Daniel Freitas (PSL-SC) afirmou que a reforma não é apenas importante para o governo Bolsonaro, mas, sobretudo, para a população brasileira. “Não podemos postergar a aprovação da reforma. Acelerar a aprovação da Previdência é fazer o Brasil avançar”, completou.

Já a deputada Bia Kicis (PSL-DF) avaliou ser preciso resgatar o País, sob o risco de acabar o dinheiro para o pagamento de aposentadorias e salários de servidores públicos. “Nem sempre o remédio é doce. Falar de reforma da Previdência não é fácil em nenhum lugar do mundo. É um remédio amargo, mas que pode curar o paciente”, afirmou. “Vamos fazer os ajustes necessários, mas sem desidratar em demasia a proposta do governo”, completou.

A deputada Karla Zambelli (PSL-SP) declarou apoio à reforma e pediu a Moreira que a contribuição extraordinária para os servidores que ganham salários mais altos seja mantida na reforma.

Pelo lado contrário à reforma, a deputada Sâmia Bonfim (PSOL-SP) argumentou que, apesar de alguns avanços no relatório de Moreira, alguns pontos – que ela classificou como “graves” – teriam permanecido no texto. Para deputada, as limitações colocadas às pensões de viúvas mostrariam o “caráter machista” da proposta de reforma do governo. “Seriam essas as privilegiadas que precisam ser combatidas?”, questionou.

A deputada Luizianne Lins (PT-CE) chamou de “desfaçatez” os argumentos dos parlamentares governistas de que a reforma seria positiva para a população. “Essa reforma é mais perversa que a do ex-presidente Temer. Se a reforma fosse boa para o povo, os deputados nessa Casa teriam votado (o projeto anterior) antes das eleições do ano passado”, afirmou.

Entre outros pontos levantados, o deputado Carlos Veras (PT-PE) pediu que o texto de Moreira seja mais claro sobre a retirada dos trabalhadores rurais da reforma. Em seis horas de sessão, 34 parlamentares já fizeram o uso da palavra. A lista de inscritos conta com 155 deputados, sendo 64 para falar a favor da reforma e 91 para falar contra a medida. Além disso, os cerca de 30 líderes partidários também têm direito a fala. A expectativa é de que o debate dure por diversas sessões.

RECOMENDAMOS

LUTO

Ex-piloto de Stock Car morre após acidente aéreo no NE

BANG BANG

Homens são mortos pela PM após série de assaltos na ZN

CASOS DE POLÍCIA

Condenado homem que tentou matar irmão por cerveja

CONGRESSO

Senado pode concluir votação da PEC Paralela à Reforma

PODER

RN será governado pelo vice de Fátima até 4 de dezembro

MEIO AMBIENTE

Em 78 dias, óleo avança e desafia investigação

POLÍCIA CIVIL

Protesto deixa RN com um delegado para 38 cidades

Wordpress Post 1573831158 9739866

comentários