Geral

OPERAÇÃO FORASTEIROS

Polícia prende quadrilha que roubou caixas de bancos no RN

Cinco foram presos acusados de 25 ações criminosas. Quatro estão foragidos

Por Cláudio Oliveira

13 de março de 2019 | 19:16

Câmeras registraram última ação da quadrilha, no Banco do Brasil, em Candelária.

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte anunciou na tarde de hoje (13) a prisão de cinco integrantes de uma quadrilha que roubava caixas eletrônicos no estado. Divididos em dois núcleos, um especializado em caixas das agências bancárias e outro para caixas 24 horas, o grupo promoveu desde o ano passado 25 ações e conseguiram êxito em nove, conseguindo roubar mais de R$ 2,5 milhões.

A “Operação Forasteiros”, conforme foi batizada pela Polícia por se tratar de bandidos de fora do estado, durou oito meses e foi apresentada hoje em entrevista coletiva pelos delegados Erick Gomes, Anna Laura, Marcuse Cabral e a Delegada Geral, Ana Cláudia Saraiva. O último arrombamento do grupo foi registrado foi no dia 24 de janeiro deste ano, quando uma unidade do Banco do Brasil que fica na Avenida Dão Silveira, no bairro de Candelária, na Zona Sul de Natal, foi invadida.

Segundo a polícia, os bandidos usavam dois veículos nas ações, um Voyage prata, que foi apreendido e um Punto branco.  Também foram apreendidos documentos falsos e materiais usados nos crimes. “Tivemos duas fases, a primeira com a prisão de Simão, chamado de Simão fantasma, e a partir dele chegamos aos outros comparsas. Esse resultado é fruto da integração de toda a equipe que conseguiu a resolução dos 25 inquéritos relacionados a essa quadrilha. Calculamos que houve 27 ações de roubo de corte de caixas eletrônicos no estado e, destas, 25 foram de autoria deles”, conta o delegado Marcuse Cabral.

Segundo as investigações, nove pessoas foram contabilizadas como integrantes da quadrilha que contava com membros de diferentes estados. Seis estão presas, duas foragidas e uma ainda não foi completamente identificada. “O chefe da quadrilha, o Vitor Hugo, que está preso, chegou a Natal em 2016 e é especializado na modalidade corte de caixas eletrônicos, que não requer explosões. Eles lavavam o dinheiro em empresas que criaram e possuíam equipamentos, conhecimento e eram extremamente bem articulados nas ações, cada um com sua tarefa específica. Nos caixas comuns, eles costumavam agir em 10 minutos”, revelou o titular da Divisão Especializada de Investigação e Combate ao Crime Organizado (Deicor), delegado Erick Gomes.

Foram presos:

  • Jorge Henrique, que é de Natal e alugava casas de acordo com as ações, abriu as empresas Panificadora Massas e Sabores, em Nova Descoberta, e Conveniência HG para lavar o dinheiro e era responsável pela logística do grupo;
  • Vitor Hugo Varela, chefe da quadrilha, especialista em corte de caixas eletrônicos.
  • Andrian Vanessa, companheira de Vitor Hugo, ela fazia todo o levantamento do alvo a ser atacado e era sócia das empresas de lavagem de dinheiro;
  • Edvar Wnanderson, que havia ingressado na quadrilha recentemente, mas já tem extensa ficha na polícia, inclusive roubo a banco e estava em liberdade condicional;
  • Simao Chaves de Almeida, aprendiz de corte de caixas.

Estão foragidos, com mandado expedido:

  • Alcimar Cosso, que também dominava a técnica do corte de caixas;
  • Marquinhos, especialista no corte de caixas;
  • Diego, responsável por repassar todas as informações do alvo, estratégias para segurança da ação e atuava como olheiro.

Além destes, o nono elemento, identificado como Fernandinho, também fazia o corte e está foragido.

RECOMENDAMOS

CONCORRÊNCIA

RN fica em desvantagem na briga para baratear voos

SERÁ?

Carlinhos Maia não teria beijado noivo durante o casamento em respeito aos convidados

PROPOSTA

CCJ aprova admissibilidade da reforma tributária

PRÉ-PROJETO

Natal define reforma do Teatro Sandoval Wanderley

SEM MUDANÇA

Fifa descarta realizar Copa de 2022 com 48 seleções

EM NATAL

Mulheres negras recebem homenagem na Câmara de Natal

ORÇAMENTO

Governo evita novo contingenciamento com repasse ao MEC

ANALFABETISMO

Natal usará "método Paulo Freire" para melhorar EJA

comentários