Geral

AUDIÊNCIA PÚBLICA

População de rua cresceu 240% em dois anos em Natal

Câmara Municipal cria grupo para acompanhar situação de moradores de rua

Por Redação

3 de abril de 2019 | 16:15

Morador de rua embaixo do Viaduto do Baldo. Reprodução

A população de rua na capital potiguar aumentou 240% entre 2014 e 2016, passando de 317 para 1.082 pessoas vivendo em situação de vulnerabilidade social morando nas ruas, becos, avenidas e vielas da cidade. Os dados foram apresentados durante uma audiência pública, realizada pela Câmara Municipal de Natal, na manhã desta terça-feira (3), quando ficou encaminhada a criação de um grupo de trabalho, com a participação dos órgãos públicos, movimentos e sociedade civil organizada, além de uma Frente Parlamentar em Defesa das Pessoas em Situação de Rua.

“Quem está na rua não está porque quer, são questões familiares e sociais. Pessoas que perderam seus empregos, por exemplo, e não tiveram condições de pagar o aluguel. Essas pessoas precisam de políticas públicas e serem reintegradas socialmente”, afirmou Vanilson Torres, ex-morador de rua.

O vereador Maurício Gurgel, propositor da audiência defendendo que o Poder Público precisa dar prioridade à esse problema. “Com a prioridade do Poder Público, com a atenção que a situação merece, haverá um orçamento destinado a essas pessoas, consequentemente, poderemos expandir as políticas públicas e pensarmos em soluções para mais cidadania, dignidade, além da criação de emprego e renda para as pessoas em situação de rua”, afirmou.

Audiência Pública discutiu “O retrato social das pessoas em situação de rua na cidade”. Foto: Marcelo Barroso

Audiência Pública discutiu “O retrato social das pessoas em situação de rua na cidade”. Foto: Marcelo Barroso

Presente à audiência, Rafael Gonçalves, coordenador da unidade de acolhimento das pessoas em situação de rua da Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social (Semtas), explicou que deve ser feito um trabalho em conjunto para sanar a problemática dos moradores de rua. “O trabalho não pode ser feito apenas pela Secretaria, tem que ser feito um trabalho Intersetorial. A SEMTAS disponibiliza o Centro Pop, Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, que oferece serviços de assistência social e orientação jurídica, além de refeições diárias”, explicou.

A Semtas também disponibiliza o Albergue Municipal oferecendo atendimentos com psicólogos, advogados e pedagogos. “Nós temos uma equipe de atendimento multidisciplinar para que as pessoas de rua saiam da situação que se encontram. Nós trabalhamos essas pessoas para que elas tenham resultados a longo prazo, inserindo no mercado de trabalho e na educação, nas escolas”, concluiu o coordenador da SEMTAS.

Uma das soluções possíveis, segundo o secretário Adjunto da Secretaria Municipal de Habitação, Albert Josuá Neto, é a realização de uma nova operação urbana na cidade. “O que nós estamos discutindo com o Ministério das Cidades é fazer com que essas pessoas usufruam dos prédios abandonados localizados no centro da cidade, no bairro da Ribeira, por exemplo. A ideia é tentar desenvolver uma nova operação urbana para a Ribeira definindo regras e recursos para que essas pessoas morem de forma sustentável”, disse Josuá Neto.

RECOMENDAMOS

EVENTO

Palestra discute situação do Instituto Santos Dumont

BALANÇO

Saldo de empregos tem pior mês de março desde 2016

PRAZO ACABANDO

Mais de 320 mil ainda não pagaram o IR de 2019 no RN

SUSTO!

Moradores confundem fogos com alerta de evacuação

BENZA DEUS!

Cauã Reymond posta foto sexy e tamanho choca seguidores

'DESERTO'

Pregão que Estado usaria para pagar servidores fracassa

MAIS TEMPO

Emissão de RGs terá horário ampliado no RN

TRÂNSITO SEGURO

STTU leva a campanha Maio Amarelo ao Mercado Bem-Te-Vi

comentários