Geral

EDUCAÇÃO

Primeira escola indígena do RN está praticamente pronta

Sonho que começou em 2005 e agora se torna realidade

Por Redação

20 de abril de 2019 | 08:56

Foto: João Vital

O sonho de Damiana Barbosa (29) e Francisca Samara (22) de voltar a estudar está bem perto de se tornar realidade. Moradoras da comunidade indígena do Amarelão, em João Câmara, elas viram a primeira escola indígena do Rio Grande do Norte se erguer diante de seus olhos nos últimos meses e, assim, puderam voltar a sonhar com um futuro profissional para além do beneficiamento de castanhas de caju.

A escola construída pelo Governo do Estado está praticamente pronta e vai levar educação de qualidade a 600 estudantes, com um plano pedagógico diferenciado e pautado nas especificidades dos povos indígenas. Longe das salas de aula desde quando eram adolescentes, Damiana e Francisca planejam uma nova vida de agora em diante.

“Parei na 7a série e não podia voltar porque tenho dois filhos e tinha que ir pra João Câmara todo dia pra escola. Com essa aqui vou poder terminar os estudos e procurar uma coisa melhor pra mim”, diz Francisca. Damiana reforça o coro. “Parei no Fundamental e voltar a estudar é como melhorar de vida. Com estudo tenho como encontrar um trabalho melhor”, emenda.

O líder comunitário José Carlos Tavares está feliz da vida com a escola. Um sonho que começou em 2005 e agora se tornou realidade. “É uma felicidade muito grande para nossa comunidade receber uma escola como essa, porque nossos estudantes não precisarão mais sair antes do almoço para ir estudar em João Câmara. Escrevemos à mão o projeto dessa escola em 2005, porque ainda não tinha computador na comunidade”, comemora.

Para o coordenador do Governo Cidadão e secretário de Gestão de Projetos, Fernando Mineiro, a inclusão social dos povos indígenas é uma meta perseguida pela atual gestão. “A escola na comunidade do Amarelão representa uma mudança de paradigma. Terá um projeto pedagógico diferenciado, específico para as necessidades da comunidade, com valorização de sua história e tradições. Promover igualdade de direitos e oportunidades para este povo é uma de nossas principais metas”, diz.

A professora Leonilda Pedro nasceu no Amarelão e lá viveu até os 25 anos, quando saiu para fazer uma graduação. Hoje está de volta à comunidade para ensinar na escola e pretende fixar residência. “É um grande desafio estar de volta como professora e também é gratificante, porque estou reencontrando pessoas que foram meus professores e hoje trabalharemos juntos”, registra.

A recém-formada em Biologia Bruna Bandeira tem descendentes no Amarelão e também fará parte da equipe de professores da instituição. “É maravilhoso integrar um projeto que vai trazer educação para mais perto dessas pessoas. Muitos adultos que pararam de estudar devido ao deslocamento poderão assistir aulas agora”, destaca.

A escola do Amarelão recebeu o nome de Professor Francisco Silva do Nascimento. A estrutura conta com um auditório, biblioteca, quadra poliesportiva, oito salas de aula e seis laboratórios, além de toda infraestrutura administrativa. Foram investidos R$ 4,7 milhões via Governo Cidadão, Secretaria de Educação e Banco Mundial. Um dos diferenciais é que se trata de um prédio sustentável, com captação de energia solar por meio de painéis fotovoltaicos localizados na cobertura, reuso de águas pluviais em vasos sanitários e mictórios e reuso do esgoto tratado com irrigação de jardins e áreas verdes.

A instituição irá funcionar em parceria com a Prefeitura de João Câmara, que será responsável pelo Ensino Fundamental. Esta semana a equipe da Educação municipal deu andamento às discussões do plano pedagógico. A expectativa é que as aulas para essa faixa etária comecem no final deste mês.

Dignidade e qualidade de vida no campo

Por meio do projeto Governo Cidadão estão sendo beneficiadas mais de mil pessoas com ações que vão desde sistemas de abastecimento de água até a construção da escola, totalizando R$ 5,5 milhões em investimentos.

A comunidade indígena Caboclo, em Assú, foi contemplada com um sistema simplificado de abastecimento de água com rede adutora, caixa d’água elevada, poço tubular, rede de distribuição e construção de banheiros, melhorando a vida de 31 famílias que moram no local. O sistema está com 90% das obras concluídas, em um investimento que somou R$ 473 mil.

No Vale do Catu, em Goianinha, 150 famílias passaram a ter acesso à água depois de receberem um sistema simplificado de abastecimento semelhante ao de Assú. Lá as obras já estão finalizadas e a população está usufruindo dos benefícios de ter água na torneira em casa. O investimento ultrapassa os R$ 224 mil e também incluiu a construção de banheiros em cada residência.

RECOMENDAMOS

MODA PERIGOSA?

FaceApp pode abrir porta para abusos com dados

INUSITADO

[VÍDEO] Padre canta "Cachorrão do Brega" na Catedral

FOLIÕES APRESSADOS

Carnatal: Ivete, Bell e Cláudia esgotam lote no 1º dia

COMBATE À DENGUE

Natal:Denúncias de imóveis e terrenos abandonados sobem

TELEVISÃO

Netflix edita cena de suicídio em '13 Reasons Why'

AVISO METEOROLÓGICO

Marinha alerta para ressaca e vento forte no Nordeste

SEM PALAVRAS

Ex-noivo se pronuncia após suicídio de blogueira

PROTEÇÃO AMBIENTAL

Natal vai criar Ronda de Proteção Ambiental da Guarda

comentários