Brasil e Mundo

RECOMPENSA?

Procurador de Minas recebeu R$ 124 mil em dois meses, após reclamar de ‘miserê’

Ele se referia ao próprio salário de R$ 24 mil

Por Pedro Prata / Estadão Conteúdo

2 de dezembro de 2019 | 15:01

Procurador mineiro Leonardo Azeredo dos Santos. Reprodução

O procurador de Justiça Leonardo Azeredo dos Santos, do Ministério Público de Minas, recebeu R$ 100 mil líquidos nos dois meses seguintes após reclamar, em agosto passado, que seu contracheque de R$ 24 mil (livre de descontos) era um “miserê”. Seus vencimentos totais, somados no período de agosto e setembro, chegaram a R$ 124.029,85.

Azeredo chamou o próprio salário de “miserê” durante a 5ª sessão extraordinária da Câmara de Procuradores de Justiça de Minas, realizada no dia 12 de agosto, para discutir a proposta orçamentária para 2020.

No entanto, no mês de julho, somaram-se aos R$ 24 mil indenizações e remunerações retroativas ou temporárias que elevaram o vencimento de Azeredo para R$ 65.152,99 – mantendo a média de R$ 68 mil líquidos recebidos pelo procurador mês a mês, desde janeiro.

“Dentro do orçamento, não há qualquer perspectiva, nenhum sonho da administração de incrementar qualquer vantagem que aumente nossa remuneração?”, disse o procurador em seu queixume. O áudio da sessão foi disponibilizado pelo próprio site do Ministério Público, no início de setembro.

Licença médica

Veja Também

Após a repercussão negativa em torno do “miserê”, a Procuradoria mineira informou que o procurador tirou licença médica. Ele retornou às atividades no dia 7 de novembro.

Não é possível saber quanto Azeredo recebeu durante todo o período de sua ausência, visto que no portal Transparência do Ministério Público de Minas só há informações até setembro.

Em agosto, portanto no mês do chororô de Azeredo, ele recebeu R$ 35.462,22 – mais indenizações e remunerações retroativas/temporárias que elevaram seu contracheque para R$ 76 794,29. No mês seguinte, o holerite do procurador se manteve nos R$ 35.462,22. Com os complementos, foi a R$ 47.235,56.

Apesar de ser Azeredo quem manifestou sua insatisfação com o contracheque, ele não foi o campeão de salários entre os procuradores do Ministério Público mineiro. Em julho, ele recebeu R$ 65.152,99 líquidos. O valor, no entanto, não esteve nem entre os cem mais altos pagos pela Procuradoria naquele mês – 138 procuradores e promotores de Justiça ganharam de R$ 65,2 mil a R$ 88 mil no período, em cifras limpas.

A situação levou um advogado mineiro a promover uma campanha nas redes para ajudar o procurador a sair do “miserê” – “Doe aqui e ajude o procurador de Minas a sair do miserê”, escreveu o advogado, em tom de ironia.

Defesa

A reportagem aguarda um posicionamento do procurador mineiro. O espaço está aberto para manifestação.

RECOMENDAMOS

PRESIDENTE

Bolsonaro faz procedimento para retirar lesões de pele

MOTORES DO DESENVOLVIMENTO

Gestão da Produção e Petróleo serão debatidos na Fiern

LIMPEZA

Praias do Litoral Sul recebem novas lixeiras

NOVOS SHOWS

Prefeitura anuncia novos shows no Natal em Natal 2019

ECONOMIA

São Gonçalo terá projeto Cidade Empreendedora

NOVAS OCUPAÇÕES

Aumento do trabalho autônomo está relacionado a apps

DINHEIRO EXTRA

Saiba se você terá direito ao saque de R$ 998 no FGTS

RECURSOS

PC entrega à DHPP mais de R$ 180 mil em materiais

comentários