Economia

SONDAGEM FIERN

Produção industrial potiguar cai em junho, revela pesquisa

Emprego industrial também recuou entre maio e junho, mantendo tendência negativa que vem sendo observada desde outubro de 2017.

Por Redação

23 de julho de 2019 | 12:31

Foto: Arquivo/Portal No Ar

A Sondagem das indústrias Extrativas e de Transformação do Rio Grande do Norte, elaborada pela FIERN, revela que a produção industrial potiguar caiu em junho, mostrando que a reação positiva registrada em maio não se manteve, segundo a percepção dos empresários. Em linha com a queda da produção, o emprego industrial também recuou entre maio e junho, mantendo a tendência negativa que vem sendo observada desde outubro de 2017. O nível médio de utilização da capacidade instalada (UCI), por sua vez, cresceu de 69% para 70%, mas ainda é considerado pelos empresários consultados como abaixo do padrão usual para o mês, comportamento que se vem repetindo ininterruptamente desde agosto de 2018.

 

Foto: Divulgação/Fiern

 

Além disso, os estoques de produtos finais voltaram a cair, e ficaram abaixo do nível planejado pelo conjunto da indústria, o que traz perspectiva de aumento da produção industrial nos próximos meses para recompor estoques. Em julho, as expectativas da indústria potiguar para os próximos seis meses apontam crescimento da demanda e das compras de matérias-primas, mas preveem redução no número de empregados e na quantidade exportada dos produtos. A intenção de investimento, por sua vez, voltou a cair, mas alcançou o maior valor para um mês de julho desde 2014, quando o indicador atingiu 51,8 pontos.

No segundo trimestre de 2019, tanto a margem de lucro operacional como a situação financeira foram avaliadas como insatisfatórias pelos empresários industriais potiguares, e o acesso ao crédito segue difícil. Além disso, os empresários avaliaram os preços médios das matérias-primas como mais elevados do que trimestre anterior. Os principais problemas do trimestre, na opinião dos empresários potiguares, continua sendo a elevada carga tributária, seguida pela demanda interna insuficiente, pela competição desleal, pela falta ou alto custo da matéria-prima, pela falta ou alto custo de energia, pela inadimplência dos clientes, pela burocracia excessiva, pelas altas taxa de juros e pela falta de capital de giro. Quando comparados os dois portes de empresa pesquisados, observam-se, em alguns aspectos, comportamentos divergentes, e que continuam sugerindo maior dificuldade das indústrias com menos de 50 empregados na atual conjuntura de crise.

As pequenas indústrias apontaram queda nos estoques de produtos finais e esperam redução na demanda e estabilidade nas compras de matérias-primas nos próximos seis meses. Já as médias e grandes empresas assinalaram estabilidade no nível de estoques e preveem crescimento na demanda e nas compras de insumos nos próximos seis meses. O índice de intenção de investimentos, por sua vez, recuou entre as pequenas indústrias, enquanto avançou entre as médias e grandes.

Os gráficos e a análise na íntegra da pesquisa estão disponíveis no link: https://www.fiern.org.br/wp-content/uploads/2019/07/SONDIND_jun19.pdf

RECOMENDAMOS

CRISE AMBIENTAL

Países usam incêndios para tentar prejudicar o Brasil

CONTRA TOMBAMENTO

Conselho de Turismo quer demolição do Hotel Reis Magos

NOVAS OPÇÕES

RN terá novos voos para o Rio a partir de novembro

PROJETO PILOTO

Mossoró: Petrobras vai investir na primeira infância

'AJUDE O MUNDO'

Madonna manda recado para Bolsonaro pela Amazônia

RECONHECIMENTO

Dois A Engenharia é premiada por obra em parque eólico

PLANEJAMENTO

Antecipar orçamento de reforma pode garantir preços mai

CORTE NAS DESPESAS

Coworking é alternativa para economizar com empresa

comentários