Economia

ACESSO À APOSENTADORIA

Reforma da Previdência deve combater privilégios e promover igualdade

Em seminário, promovido pela Fecomércio-SP, eles defendem a mudança nas regras de acesso à aposentadoria

Por Redação

14 de junho de 2019 | 10:58

Foto: Divulgação/CNI

A reforma da Previdência deve combater as distorções do sistema e buscar a equidade. Essa é uma das conclusões do seminário Reforma da Previdência: aspectos positivos e desafios, realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP) na quarta-feira (12). “Há distorções profundas no sistema brasileiro”, afirmou o jurista Ives Gandra Martins, que preside o Conselho Superior de Direito da instituição.

Como exemplo das distorções, ele destacou que o valor médio da aposentadoria dos trabalhadores da iniciativa privada é de R$ 1.371,00. Os servidores públicos aposentados do Poder Executivo recebem, em média, R$ 8.852,00. Os do Poder Judiciário ganham R$ 19 mil e os do Poder Legislativo, R$ 29 mil.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, destacou que os três pilares da reforma da Previdência devem ser: transparência, gestão e equidade. “A CGT defende a reforma, desde que ela acabe com os privilégios. Todos devem ter o mesmo tratamento”, afirmou Patah. Segundo ele, todos os brasileiros sonham com um país justo e próspero. “Devemos buscar esse país de forma conjunta e solidária”, concluiu.

Na avaliação do economista Paulo Tafner, o sistema previdenciário brasileiro tem “o traço da desigualdade”. “Os que estão no topo da pirâmide social geram o maior déficit do sistema”, disse Tafner.

“O sistema previdenciário, combinado com o tributário, tributa mais o pobre do que o rico. Ou seja, tira dinheiro do pobre e transfere para os ricos”, acrescentou.

CAPITALIZAÇÃO – Tafner defendeu o sistema de capitalização para financiar a aposentaria dos brasileiros no futuro. Atualmente, salientou, a contribuição para o sistema dos trabalhadores da iniciativa privada representa 31% do valor do salário, sendo que o empregador paga 20% e o trabalhador 11%. Segundo ele, o sistema de capitalização que está em estudo garante um benefício de um salário mínimo a todos os aposentados e que a contribuição seja compulsória.

Os economistas Paulo Rabelo de Castro, Maílson da Nóbrega e Roberto Macedo também destacaram que a reforma da Previdência é necessária e urgente.

“O Brasil tem gastos previdenciários superiores a países como o Japão em que a maioria da população é idosa”, disse o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega.

Ele lembrou que as despesas do país com a Previdência aumentaram de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 1987 para 14% do PIB em 2018. Isso ocorreu porque a Constituição de 1988 ampliou os benefícios previdenciários especialmente para servidores públicos e pessoas que não contribuíam com a Previdência, como os trabalhadores rurais.

Além disso, o salário mínimo, que corrige três quartos dos benefícios da Previdência, teve aumentos reais acima da inflação para reduzir a desigualdade social do país. De 1994 a 2018, o salário mínimo cresceu 150% acima da inflação, informou Maílson da Nóbrega. Outro fator, explicou ele, é o envelhecimento da população.

Diante disso, Maílson explicou que é preciso mudar os parâmetros de concessão das aposentadorias, estabelecendo uma idade mínima e a redução dos privilégios do servidor público.

Caso o Brasil não faça a reforma da Previdência agora, alertaram os economistas, o país corre o risco de entrar em colapso fiscal. Atualmente, a dívida pública brasileira está próxima dos 71% do PIB. A experiência internacional mostra que o colapso fiscal ocorre quando a dívida pública em países com economia similar a do Brasil ocorre quando a dívida supera os 80% do PIB.

Para o ex-ministro da Fazenda, um eventual fracasso da reforma da Previdência levará a uma deterioração rápida da confiança dos agentes econômicos, a inflação aumentará e o Banco Central perderá a capacidade de assegurar a estabilidade da moeda. “As consequências disso são a recessão e o desemprego”, completou. Paulo Tafner concorda e afirma que “estamos brincando o carnaval na beira do precipício”.

RECOMENDAMOS

PESQUISA

Pesquisa da UFRN está avaliando dores no ombro

AÇÃO POLICIAL

Bandido morre após troca de tiros com a PM

PROGRAMAÇÃO

Mundo Senai atrai grande público em Mossoró

AVALIAÇÃO

Gastos públicos com juros devem cair quase R$ 100 bi

TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO

RN combate evasão escolar com Inteligência Artificial

SOM SEM PLUGS

Campanha arrecada instrumentos musicais para projeto

LUTA PELA VIDA

Esposa de Gugu desmaia ao saber da gravidade do caso

SAÚDE EM ALERTA

Pais precisam controlar consumo de açúcar das crianças

comentários