Política

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Saneamento e obras em hospitais têm cortes

Projeção é reflexo da proposta de orçamento enviada pelo governo

Por Lígia Formenti

7 de setembro de 2019 | 10:12

Foto: Divulgação

O Ministério da Saúde deve cortar 55,3% das verbas de obras que garantam água e saneamento para cidades com menos de 50 mil habitantes e 32% dos recursos para reforma dos hospitais universitários em 2020. A projeção é reflexo da proposta de orçamento enviada pelo governo ao Congresso, que prevê uma redução de R$ 397,6 milhões do que a pasta poderá gastar com despesas discricionárias – como é chamado o quinhão de recursos que gestores têm liberdade para aplicar.

Embora represente 0,3% do orçamento global da Saúde, que é de R$ 134,8 bilhões, o arrocho determinado na proposta representa 25% da fatia que a pasta hoje dispõe para investir. Em números gerais, o maior corte será na Fundação Nacional de Saúde (Funasa), responsável pelas obras de saneamento em cidades de pequeno porte. No próximo ano, o montante para realização de obras que garantam água e saneamento nessas localidades será reduzido em R$ 184,2 milhões – o equivalente a 7% de todo o orçamento da fundação.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o secretário executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, afirmou que a previsão de cortes no orçamento da Funasa não deverá afetar os serviços. A fundação, um braço do Ministério da Saúde, tem um orçamento de R$ 2,7 bilhões. Mas, de acordo com Gabbardo dos Reis, há cerca de R$ 1 bilhão que ainda não foi usado referente a projetos autorizados, mas não concluídos. Já o Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários, por sua vez, perderá R$ 131,2 milhões em relação ao que foi investido em 2019.

Ao comentar a previsão total do orçamento, Gabbardo tentou reduzir o impacto do corte. Ele observou que o montante para 2020 é R$ 920 milhões, maior do que o piso determinado na regra constitucional – de R$ 133,9 bilhões – e R$ 5,2 bilhões superior ao que foi previsto para 2019 – R$ 129,6 bilhões. O secretário executivo afirmou ainda ter esperanças de que mais recursos cheguem à pasta por meio de emendas parlamentares. A ideia é que a verba seja destinada para o pagamento de ações na atenção primária de saúde e também de média e alta complexidades.

O esforço é tentar reduzir ao máximo o quantitativo destinado por parlamentares à compra de equipamentos novos ou expansão de serviços. Tais ações, na avaliação da pasta, apenas aumentariam as pressões para os gastos em geral e poderiam, em última análise, representar um desperdício. O secretário executivo afirmou ainda que algumas ações estão em curso para trazer economia.

Como exemplo, ele citou compras na área da assistência farmacêutica. Até o ano passado, as aquisições para atender o fornecimento de medicamentos determinado por ações judiciais eram feitas trimestralmente. Agora há previsões anuais. A redução de custo com essa mudança varia entre 20% e 30%. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

RECOMENDAMOS

OUTUBRO ROSA

Câmara oferece mamografias e serviços para mulheres

VIGILÂNCIA NAS RODOVIAS

Em 5 horas, PRF recupera quatro veículos roubados no RN

RACIONAMENTO

Rodízio de água em Caicó passa a ser maior

PARA TUDO!

Gal Gadot virá ao Brasil divulgar Mulher Maravilha 1984

CRISE NO PSL

Eduardo Bolsonaro consegue liderança do PSL na Câmara

REAÇÃO

Geraldo defende escolha do filho para o INCRA

DANOS MORAIS

Médico é condenado a multa após paciente engravidar

ATÉ R$ 500

Caixa antecipa pagamento de saque do FGTS para todos

comentários