Geral

SAÚDE PÚBLICA

Sesap moverá ação cautelar se houver paralisação da cooperativa médica

Cooperativa Médica ameaça parar serviços por falta de pagamentos

Por Cláudio Oliveira

15 de março de 2019 | 18:00

Cipriano Maia - Secretário da Sesap. Foto - Claúdio Oliveira

A Cooperativa Médica (COOPMED) que presta serviços para a Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesap) ameaça paralisar os serviços devido a falta de pagamentos por parte do Estado. Neste sentido, o titular da Sesap, Cipriano Maia, anunciou nesta tarde, em entrevista coletiva, que a Procuradoria Geral do Município (PGE) está sendo acionada para entrar na justiça com uma ação cautelar contra o movimento. De acordo com o secretário, parte do débito já está sendo pago e a outra parte está em negociação dentro do prazo contratual.

“No nosso entendimento uma paralisação não se justificaria porque cumprimos com os pagamentos e estamos negociando dentro da tolerância contratual. Caso venha a ocorrer uma paralisação, a PGE já foi acionada para entrar com uma ação cautelar afim de impedir que a população seja prejudicada, porque grande parte do serviço depende destes profissionais”, disse Cipriano Maia.

Segundo diz, antes do carnaval foram efetuados pagamentos superiores a R$ 4 milhões. Além disso, outros R$ 2 milhões teriam sido pagos aos municípios pelo Termo de Cooperação Técnica Financeira, quando o Estado repassa um complemento aos municípios. Segundo o secretário, a secretaria herdou uma dívida de R$ 17 milhões da gestão anterior, incluindo os contratos com os municípios que datam de quatro meses em atraso, mas assegura que foram pagos cerca de R$ 7 milhões.

Caso a COOPMED pare os serviços, o secretário diz que pode se instalar o caos nas unidades de saúde, visto que aproximadamente 50% das atividades dependem deles. “São profissionais que estão na porta dos maiores hospitais e no SAMU, muito embora o SAMU já tenha sido pago e depende 80% deles”, diz Cipriano Maia.

Greve dos servidores

Se acontecer a paralisação da Cooperativa Médica vai somar à greve dos servidores da saúde, que teve início no dia 5 de fevereiro. Na segunda-feira passada, os servidores decidiram manter a greve por tempo indeterminado. Eles cobram, entre outros pontos, os salários de dezembro, e o 13° salário de 2018 atrasados. Além disso, eles reclamam que não há reajuste salarial para os servidores da saúde do Estado há quase 10 anos.

O Secretário da Saúde estadual, Cipriano Maia, disse que aguarda que a decisão judicial que determinou que 70% dos servidores trabalhem durante a greve seja cumprida. “Desde o dia 2 de janeiro a gente negocia, mas não temos condições de atender todas as reivindicações. Os salários atrasados é uma situação comum a todas as categorias e o governo tem demonstrado o que pretende fazer, tem sido transparente. Temos, inclusive, situações em que nem os 30% da Lei de Greve, estariam sendo cumpridos, mas continuamos abertos ao diálogo esperando que cumpram a decisão”, declarou.

RECOMENDAMOS

INVESTIGAÇÃO

Polícia pega um dos suspeitos de matar moradora de rua

MODA

Desfile do SENAI fala da comunicação através da moda

LEIA NOTA

Fátima diz que respeita lei que concede 13º a deputados

NOTA DA AL

Deputados têm 13º e 1/3 de férias como todo servidor

RECONHECIMENTO

FIERN recebe prêmios por atuação na educação e cultura

É OURO

Vôlei de praia: Ana Patrícia e Rebecca levam o título

TELECOMUNICAÇÕES

Anatel inicia bloqueio de celulares irregulares no RN

NA LIDERANÇA

América atropela Palmeira fora de casa pelo Estadual

comentários

ANUNCIE JÁ!

RUA DESEMBARGADOR BENÍCIO FILHO, N° 465 PETRÓPOLIS CEP: 59014-470

PABX:

2020-1200

REDAÇÃO:

2020-1200

COMERCIAL:

2020-1200

FALE CONOSCO

Nome
TELEFONE
E-MAIL