Geral

À ESPERA

Transplante é única solução para salvar Brunninha, indica médico

Menina aguarda transporte de Natal para Recife

Por Heilysmar Lima

1 de abril de 2019 | 18:03

A vida da pequena Brunninha, de 7 anos, está dependendo de um transplante de coração. É o que afirma o médico Madson Vidal, diretor da Associação dos Amigos do Coração da Criança (Amico).

Acometida com uma transposição das grandes artérias, a menina teve o início do tratamento tardio, apenas aos 3 anos. Para amenizar o problema, foi feita uma cirurgia paliativa. No entanto, não foi o suficiente.

Nós últimos três meses, Brunninha começou a apresentar dificuldades. A partir de então, a menina passou a lutar pela vida.

Há 15 dias, ela submetida à primeira cirurgia. O procedimento durou cerca de 16 horas e foi feita por oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO). Segundo o médico, a menina passou oito dias com a ECMO. Depois desse tempo, foi realizado um novo procedimento para a retirada da máquina. Contudo, Brunninha não reagiu bem e foi necessária a manutenção do equipamento.

Brunninha aguarda transplante (Foto: Divulgação)

Ainda de acordo com Vidal, a ECMO tem um prazo de vida útil que varia entre 10 e 21 dias. Ela já está com a máquina a 14 dias. A utilização do equipamento é invasivo e desgastante. “Os principais riscos são infecções e sangramentos. A máquina gera a pressão do corpo”, explicou.

Tempo é importante

A indicação para a realização do transplante foi feita na última terça-feira (26), após a manutenção do equipamento no corpo da menina. Após a divulgação da grave situação, o médico disse que conseguiu entrar em contato com autoridades responsáveis. Segundo ele, a questão agora é definir o transporte para o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP), no Recife/PE, que aceitou a transferência da paciente. Apesar disso, a transferência ainda depende do acerto com o transporte.

Segundo Vidal, a definição do translado deve sair ainda na noite desta segunda-feira (1º). Caso não haja êxito na tentativa de levar a menina para o outro estado, o médico vê que uma autorização para o transplante ser realizado no RN como única solução.

“Tudo depende do transporte e é complexo fazer uma estratégia para isso. A coordenadora estadual de transplantes está viabilizando isso. Já foram feitas fotografias de tudo que precisa ir junto. As máquinas não podem ser levadas de qualquer jeito. Já foi feito o contato com a FAB e com o Samu”, explanou.

Além da tentativa de Recife, o médico contou que houve tentativas de levar a menina para São Paulo, Brasília e Fortaleza. No entanto, os hospitais alegaram que não havia vagas.

O médico Madson Vidal se emocionou ao falar sobre as dificuldades de realizar o procedimento. Em lágrimas, ele lamentou as burocracias. “É doloroso esgotar toda a capacidade para manter a criança viva e esbarrar em questões burocráticas”, disse.

Tipo sanguíneo

Além das dificuldades para conseguir o transporte para Recife, a situação de Brunninha esbarra ainda no seu tipo sanguíneo, o B. Segundo o médico, esse tipo é raro e tem menor chance de encontrar doador compatível.

“Tem que surgir um doador. 90% das pessoas tem sangue A ou O. Se imaginar que a cada 100 pessoas que têm morte encefálica e a família resolve doar o órgão, apenas 3% tem o tipo sanguíneo dela”, acrescentou.

RECOMENDAMOS

SONDAGEM FIERN

Atividade da construção potiguar reduz queda em maio

LEGISLATIVO

Câmara de Natal encerra votação da LDO 2020

OPERAÇÃO EM MINAS

PF prende assessor do ministro do Turismo

NOITE DE FARRA!

Neymar é flagrado aos beijos com outra modelo

PROPOSTAS DE MODERNIZAÇÃO

Fiern participa de seminário sobre Reforma Tributária

IGUALDADE

Fórum cobra antecipação do 13º de 2019 para todos

OUTRA REALIDADE

Diretoria da Caern recebe salários de até R$ 71 mil

TRÁFICO DE DROGAS

Mourão classifica militar preso como 'mula qualificada'

comentários