Brasil e Mundo

DISQUE 100

Turismo lança campanha contra a exploração sexual de menores

Objetivo é estimular denúncias contra o crime

Por Redação

2 de março de 2019 | 08:00

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, lançou ontem (1) a nova campanha da Pasta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes em atividades de turismo, em especial durante o Carnaval, que movimenta todo o país até a próxima quarta-feira (6). Com o slogan “Fique de olho – Quem finge que não vê, vira cúmplice”, o ministério produziu peças que começam a ser exibidas nas redes sociais e em mobiliários urbanos como pontos de ônibus.

Assinada em conjunto com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, a campanha tem como objetivo divulgar e engajar os diferentes públicos que curtirão a folia com ações de educação, informação e mobilização para mostrar que a exploração sexual de crianças é crime e deve ser denunciada. Um dos principais canais de denúncia é Disque Direitos Humanos. Para tanto basta discar 100 e realizar sua denúncia que pode ser anônima.

“O Ministério do Turismo entende a importância de proteger as nossas crianças e adolescentes. Turismo é desenvolvimento, emprego, renda. Não podemos deixar que a atividade facilite o crime. As campanhas de sensibilização são fundamentais em todas as épocas do ano, mas no Carnaval, quando aumenta a incidência desse tipo de crime, precisamos estar ainda mais atentos”, afirmou o ministro Marcelo Álvaro Antônio.

De acordo com dados do Disque 100, em todo o ano são mais de 80 mil denúncias de crimes cometidos contra crianças e adolescentes. Em 2017, a cada 6 minutos foi registrada uma denúncia, um crescimento de 7,2% em relação ao ano anterior. O Distrito Federal foi a Unidade da Federação com o maior número de denúncias proporcionalmente: 125,4 para cada 100 mil habitantes.

CÓDIGO DE CONDUTA – Em dezembro do ano passado, o Ministério do Turismo lançou o código de conduta contra a exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo. Documento para orientar e regular a conduta ética de empresas e prestadores de serviços turísticos, seus funcionários e colaboradores, para eles adotarem ações de enfrentamento à exploração de crianças e adolescentes.

A ação tem como público-alvo empresas, pessoas físicas e prestadores de serviços que atuem direta ou indiretamente no setor de turismo. Para aderir ao código, a empresa ou prestador de serviços turísticos deverá preencher o Termo de Adesão e encaminhá-lo por e-mail ao Ministério do Turismo, além de estar com o cadastro regular no Cadastur e cumprir os 12 compromissos estabelecidos no documento.

RECOMENDAMOS

DESISTIU

Bolsonaro não vai mais indicar filho para Embaixada

CONFUSÃO INTERNA

'Guerra das listas' do PSL tem nomes repetidos

SALDO POSITIVO

RN cria 13.344 mil vagas de empregos em setembro

CRISE NO PSL

Delegado Waldir derrota Eduardo e continua líder do PSL

QUE LUTA!

Leonardo comemora 23 anos de casados com a esposa

CAGED

País criou mais de 157 mil empregos formais em setembro

É TRETA

Bolsonaro decide retirar Joice da liderança do governo

GESTÃO DO PETRÓLEO

Fiern convida ministro de Minas para Seminário

comentários